Descoberta de bactérias comedoras de metano numa árvore comum pode ser boa notícia

Geoff Derrin / Wikimedia

Flor de Melaleuca quinquenervia

A descoberta de bactérias que “comem” metano numa árvore australiana comum pode ser uma boa notícia no desafio de reduzir a emissão de gases com efeito de estufa.

As árvores são os pulmões da Terra, uma vez que retiram e retêm grandes quantidades de dióxido de carbono da atmosfera. Mas estudos emergentes estão a mostrar que as árvores também podem emitir metano e, atualmente, não se sabe exatamente quanto.

Isto pode ser um grande problema, visto que o metano é um gás com efeito de estufa cerca de 45 vezes mais potente do que o dióxido de carbono no que toca ao aquecimento do planeta.

No entanto, numa descoberta publicada recentemente na revista Nature Communications, os autores encontraram comunidades únicas de bactérias comedoras de metano a viver dentro da casca de uma espécie comum de árvore australiana: o niaouli (Melaleuca quinquenervia).

Estas comunidades microbianas eram abundantes, prosperavam e mitigavam cerca de um terço das emissões substanciais de metano do niaouli que, de outra forma, teria ido parar à atmosfera.

Como a investigação sobre o metano das árvores ainda é relativamente recente, há muitas questões que precisam de ser respondidas, mas esta descoberta ajuda a preencher essas lacunas críticas e mudará a maneira como vemos o papel das árvores no ciclo global do metano.

Em alguns casos, as emissões de metano das árvores são significativas. Por exemplo, a bacia amazónica tropical é a maior fonte natural de metano do mundo. As árvores são responsáveis por cerca de 50% das suas emissões de metano.

Para este novo estudo, os cientistas usaram técnicas de extração microbiológica para tirar amostras das diversas comunidades microbianas que vivem dentro das árvores.

Os investigadores descobriram que a casca das árvores do niaouli fornece um lar exclusivo para bactérias oxidantes de metano – bactérias que “consomem” metano e o transformam em dióxido de carbono, um gás com efeito de estufa muito menos potente.

Notavelmente, essas bactérias constituíam até 25% do total de comunidades microbianas que vivem na casca e consumiam cerca de 36% do metano da árvore. Parece que estes micróbios adoram ambientes escuros, húmidos e ricos em metano.

Essa descoberta vai revolucionar a maneira como vemos as árvores que emitem metano e os estranhos micróbios que vivem dentro delas.

Apenas entendendo por quê, como, qual, quando e onde as árvores emitem mais metano, podemos plantar estrategicamente florestas com árvores que consomem dióxido de carbono e, ao mesmo tempo, evitam emissões indesejadas de metano.

A descoberta de que micróbios que vivem em cascas de árvores podem mitigar emissões substanciais de metano das árvores complica esta equação, mas fornece alguma garantia de que os microbiomas evoluíram dentro das árvores para também consumir metano.

PARTILHAR

RESPONDER

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social marca "o mais ambicioso compromisso" da UE

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …