Bactéria come electricidade e transforma-a em biofuel

d.r. Derek Lovley / USC

Fotografia de uma geobactéria metallireducens bacterium, uma bactéria que se alimenta de electrões puros, descoberta em 2014 por cientistas da Universidade da Carolina do Sul

Fotografia de uma geobactéria metallireducens bacterium, bactéria que se alimenta de electrões puros, descoberta em 2014 por cientistas da Universidade da Carolina do Sul

Um grupo de investigadores da Syddansk Universitet, na Dinamarca, está a desenvolver uma bactéria capaz de comer excedentes de electricidade proveniente de fontes renováveis como a energia eólica ou solar, e usá-la para converter CO2 em biofuel.

O conceito parece saído de uma história de ficção científica, mas na realidade existe já uma bactéria com tal apetite – embora apenas seja capaz de transformar a electricidade e CO2 em metano e acetileno.

A equipa de cientistas dinamarqueses quer agora aplicar pequenas manipulações genéticas para converter bactérias em fábricas em miniatura, capazes de produzir qualquer tipo imaginável de produto orgânico.

“Neste momento, as reservas de combustíveis fósseis do planeta estão a esgotar-se. Entretanto, temos grandes quantidade de electricidade que sobra de fontes de energia renovável – e CO2 em quantidades mais do que suficientes”, diz Amelia-Elena Rotaru, investigadora do Centro Nórdico de Evolução da Terra da Syddansk Universitet.

“Então, a nossa ideia é usar esta bactéria única para converter CO2 e excedentes de electricidade em diversos produtos orgânicos”, diz Rotaru, citada pelo Science Nordic.

“É uma questão de converter desperdício em produtos úteis, para poupar os recursos da Terra”, acrescenta.

Como uma bacteria come electricidade

Diversos organismos são capazes de processar electricidade no seu metabolismo.

Estes organismos são normalmente bactérias que usam hidrogénio como fonte de energia, da mesma forma que os mamíferos usam comida como “combustível”.

Há um ano, cientistas da Universidade da Carolina do Sul descobriram mesmo uma “bactéria que se alimenta de electrões puros em vez de açúcar”.

Quando o hidrogénio é decomposto pelo metabolismo destes organismos, resultam protões e electrões – algo que não é muito diferente de um líquido com um eléctrodo que transporta uma corrente eléctrica.

Um tal organismo é portanto capaz de usar directamente energia eléctrica para viver, em vez de a obter da decomposição do hidrogénio.

@electricmicrobe / Twitter

Amelia-Elena Rotaru, investigadora em Microbiologia Ambiental e "caçadora de bactérias" da Syddansk Universitet

Amelia-Elena Rotaru, investigadora em Microbiologia Ambiental e “caçadora de bactérias” da Syddansk Universitet

As bactérias produzem substâncias úteis

É precisamente este mecanismo que faz torna a bactéria interessante do ponto de vista financeiro e ambiental.

Segundo a cientista, o potencial da “bactéria-electrívora” é infinito.

“Não é necessário mexer muito no DNA desta bactéria para que ela produza butanol, que é um biofuel melhor que o etanol”, explica Rotaru.

“É um processo bastante trivial, e com esta bactéria o potencial é tremendo.  A nossa imaginação é o limite“, acrescenta.

“É tudo uma questão de transformar excedentes de electricidade em qualquer coisa útil”, diz a especialista em Microbiologia Ambiental e “caçadora de bactérias”.

A exploração do potencial da bactéria passaria pela instalação de tanques junto a centrais de recolha de energia eólica ou solar.

Os excedentes de energia, que de outra forma seriam desaproveitados, passariam a alimentar directamente os tanques de bactérias.

Se algo é orgânico, provavelmente pode ser produzido por esta bactéria“, assegura Amelia-Elena Rotaru.

No futuro, será possível usar estas bactérias para produzir substâncias tão diversas como bio-plásticos, ou amino-ácidos.

“A lisina, por exemplo, é um aminoácido usado em ração para porcos”, diz a cientista.

Talvez vejamos brevemente electricidade transformada em comida. Mas a ciência já foi capaz de nos trazer coisas mais estranhas.

AJB, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

O Bosão de Higgs foi apanhado a fazer algo inesperado

Uma equipa de cientistas do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) observou o Bosão de Higgs, a fazer algo inesperado: à medida que caía, esta parecia decompor-se numa combinação inesperada de partículas. De acordo com …

Feitos de estrelas. Os nossos ossos são compostos por estrelas que explodiram

Uma nova investigação concluiu que metade do cálcio do nosso Universo é oriundo de uma supernova rica em cálcio, que explodiu há milhões de anos. O novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista …

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …