Aviões russos e sírios usam armas incendiárias contra civis

Sergey Krivchikov / Wikimedia

Um avião bombardeiro Tupolev Tu-95 'Bear' da Força Aérea da Rússia

Um avião bombardeiro Tupolev Tu-95 ‘Bear’ da Força Aérea da Rússia

Aviões sírios e russos têm usado repetidamente armas incendiárias em ataques “vergonhosos” contra civis no norte da Síria, denunciou esta terça-feira a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch.

A HRW diz ter documentado o uso de armas incendiárias pelo menos 18 vezes desde junho.

“Há provas convincentes” de que a Rússia está a apoiar os planos do Governo sírio nesses ataques, referiu a ONG, a partir de Nova Iorque.

“A Síria e a Rússia devem parar imediatamente de atacar áreas civis com armas incendiárias“, afirmou um dos diretores da organização, Steve Goose.

“Os ataques vergonhosos com armas incendiárias na Síria mostram um grande fracasso em aderir ao direito internacional que restringe as armas incendiárias”, disse.

Quando são lançadas dos aviões, as bombas incendiárias deixam rastos distintos de explosivos no céu e desencadeiam pequenos e intensos incêndios nos locais onde caem.

Este tipo de armamento foi amplamente utilizado durante a guerra do Vietname e foi proibido pela Convenção das Nações Unidas sobre Armas Convencionais.

A HRW documentou ataques com tais armas desde o início de junho, incluindo dois casos a 07 de agosto, que atingiram partes controlada pela oposição nas cidades de Aleppo e Idleb.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) declarou também ter documentado o uso de termite – um tipo de substância incendiária – por aviões russos em Idleb, Alepo, Deir Ezzor e Raqa.

No início deste mês, ativistas em Daraya, uma cidade sitiada pelos rebeldes perto de Damasco, acusou o regime da utilização proibida de ‘napalm’ (composto químico incendiário) contra os moradores.

Grupos opostos na guerra na Síria trocam regularmente acusações de ataques contra civis e uso de armas não-convencionais, incluindo gases de cloro e mostarda.

Numa carta à HRW em novembro, a Rússia reconheceu que o “uso impróprio” de armas incendiárias tinha resultado em “danos humanitários significativos” na Síria.

Desde 2012, a HRW documentou o uso de quatro diferentes armas incendiárias na Síria, todas fabricadas pela antiga União Soviética.

Mais de 290.000 pessoas foram mortas e milhões forçadas a abandonar suas casas desde que o conflito da Síria, que eclodiu em março de 2011.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Ora, isso quando é usado pela intervenção do governo da Russia ou do outro criminoso da Síria em cima das cidades com civis eventualmente nada satisfeitos não incomoda certos grupos fazedores de opinião contrária e traidora dos nossos interesses meramente por não verem no seu governo quem mais quereriam.

RESPONDER

Donald Tusk vai presidir o Partido Popular Europeu

O presidente do Conselho da União Europeia (UE) é o único candidato à presidência do Partido Popular Europeu (PPE) e vai suceder no cargo ao francês Joseph Daul. Esta será a primeira vez que um europeu …

EUA. Casal vegan vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses

Um casal americano, que segue uma alimentação vegan, vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses, por malnutrição. Ambos vão permanecer detidos até à data do julgamento, em dezembro. Segundo noticiou …

Carrinha com 52 migrantes entra em Ceuta após derrubar barreiras fronteiriças

Uma carrinha com 52 migrantes rompeu, esta madrugada, as barreiras fronteiriças entre Marrocos e Espanha para entrar no enclave espanhol de Ceuta, incidente que a Guarda Civil espanhola já está a investigar. A carrinha lançou-se a toda …

Chef que renunciou à estrela Michelin espera sair do Guia em 2020

O chef Henrique Leis, que em julho renunciou à estrela Michelin que o seu restaurante detinha há 19 anos, afirma que o seu "compromisso com a Michelin acabou" e espera não ver renovada a distinção …

Morreu a fadista Argentina Santos

A fadista portuguesa morreu, esta segunda-feira, aos 95 anos de idade. As exéquias realizam-se, a partir das 17h00, na Basílica da Estrela, em Lisboa. A fadista Argentina Santos, que esta segunda-feira morreu aos 95 anos, despediu-se …

Governo apresenta queixa no Ministério Público contra 21 pedreiras

O ministro do Ambiente e da Ação Climática anunciou que 21 pedreiras, de um universo de 185, estão em incumprimento por falta de vedações, exigidas pelo levantamento do Governo, tendo sido apresentada queixa ao Ministério …

Adeus EDP Universal. Vem aí a SU Eletricidade, mas os preços não mudam

A EDP Serviço Universal vai deixar de existir a partir de 15 de Janeiro de 2020. Em seu lugar vai nascer a SU Eletricidade, a nova marca do universo EDP que vai abranger os clientes …

Mais de 41 mil idosos vivem sozinhos ou isolados em Portugal

A Guarda Nacional Republicana (GNR) sinalizou 41.868 idosos a viverem sozinhos ou isolados em todo o país em outubro no âmbito da operação "Censos Sénior", anunciou esta segunda-feira a guarda. Em comunicado, a GNR adiantou ter …

Vai nascer um Pavilhão de Gelo em Lisboa (com apoio do Governo e de fundos públicos)

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, está certo de que, ainda nesta legislatura, vai nascer um Pavilhão do Gelo para a prática de desportos em Lisboa, com apoio de …

Sudão. Crimes contra a humanidade em ataques que mataram 120 manifestantes

Os ataques que em junho mataram pelo menos 120 manifestantes no Sudão podem configurar crimes contra a humanidade, revelou um relatório divulgado pela organização Human Rights Watch (HRW), que pede justiça para as vítimas e …