MP pede que autarca de Torres Vedras vá a julgamento por plágio na tese de doutoramento

(dr) CM de Torres Vedras

Carlos Bernardes, autarca de Torres Vedras.

Em abril deste ano, o MP acusou o autarca de um crime de contrafação, por alegado plágio de 40 textos originais na sua tese de doutoramento “As linhas de Torres, um destino turístico estratégico para Portugal”, que foi defendida em dezembro de 2015 e obteve aprovação pelo júri.

O Ministério Público (MP) pediu esta segunda-feira que o presidente da Câmara de Torres Vedras, Carlos Bernardes, vá a julgamento no processo em que está acusado de plágio na sua tese de doutoramento, enquanto a defesa pugnou pelo arquivamento.

Em abril deste ano, o MP acusou o autarca de um crime de contrafação, por alegado plágio de 40 textos originais na sua tese de doutoramento “As linhas de Torres, um destino turístico estratégico para Portugal”, que foi defendida em dezembro de 2015 e obteve aprovação pelo júri, de acordo com a acusação, a que a agência Lusa teve acesso.

A defesa do arguido requereu a abertura de instrução, fase facultativa em que um juiz de instrução criminal (JIC) decide se o processo segue e em que moldes para julgamento, e hoje, no debate instrutório, o procurador do MP Hélder Branco dos Santos pediu à JIC que pronuncie (leve a julgamento) Carlos Bernardes nos exatos termos do despacho de acusação do MP.

O procurador assumiu perante a JIC Anabela Rocha, do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça, que a “pedra de toque” e a “dúvida” neste processo é perceber se houve ou não plágio e se o arguido “se aproveitou do esforço alheio” para escrever a sua obra com “preguiça intelectual”.

Contudo, como a fase de instrução serve apenas para apurar a existência de indícios suficientes da prática do crime, o procurador do MP pediu a pronúncia do arguido, lembrando que “nunca quis a suspensão provisória do processo, por considerar que a obra é sua e que não há plágio“.

Já o advogado do presidente da Câmara de Torres Vedras defendeu, por seu lado, o arquivamento do processo (despacho de não pronúncia), por considerar que “não estão reunidas as condições para que possa haver acusação” e, consequentemente, um julgamento.

“Este é um assunto que deve ficar resolvido em sede de instrução com o arquivamento do processo. Prestaremos todos um bom serviço à justiça se, do ponto de vista criminal, este processo terminar aqui”, afirmou Fernando Pratas, que se fez acompanhar do seu cliente.

A defesa do arguido lembrou que “nenhuma das pessoas supostamente plagiadas” tomou, até hoje, qualquer posição ou se manifestou, apesar de o processo ser público, acrescentado que na sua origem estarão “motivações que não a dos potenciais lesados”.

Para o advogado, “em nenhum momento” o seu constituinte se “tentou apropriar” de outras obras, nem houve “intencionalidade criminal”, admitindo, contudo, que poderá ter havido uma  “inabilidade, um desconhecimento dos métodos de investigação” na conceção da sua tese.

Por essa razão, sustentou, “aqui ou ali”, poderá ter acontecido “uma incorreta” delimitação da obra, de quando se está a escrever por palavras próprias ou de quando se recorre ao uso de outras obras.

Fernando Pratas lembrou ainda que impugnou junto do Tribunal Administrativo de Lisboa a decisão da Universidade de Lisboa de anular o grau de doutoramento ao presidente da Câmara de Torres Vedras, tomada após o MP deduzir acusação. A JIC Anabela Rocha marcou a leitura da decisão instrutória para as 14h00 de 28 de outubro.

O MP concluiu na acusação que “ao utilizar tais textos alheios como se fossem seus, introduzindo-lhes apenas ligeiras modificações como alterações para conformação com o novo acordo ortográfico, substituição de verbos por expressões nominais, alterações de géneros gramaticais de palavras ou substituição de verbos, alteração da ordem das palavras e supressões de partes dos textos originais, o arguido disfarçava as semelhanças com os textos originais, com o propósito conseguido de fazer crer que o seu trabalho tinha originalidade e identidade próprias”.

Além de outras investigações, estão também estudos do próprio co-orientador da tese, Carlos Guardado da Silva, documentos de entidades oficiais, como o Plano Estratégico Nacional do Turismo 2013-2015, “A paisagem na revisão do PDM”, da Direção-Geral do Ordenamento do Território ou textos da Associação para o Desenvolvimento Turístico e Patrimonial das Linhas de Torres Vedras, que congrega vários municípios, entre os quais o de Torres Vedras.

Na acusação, o MP refere que o “crime foi praticado com elevada ilicitude e dolo direto” e que o “arguido não interiorizou a prática do crime e se opôs à aplicação da suspensão provisória do processo, negando os factos”. As suspeitas de alegado plágio, que foram primeiro denunciadas num artigo de opinião pelo ex-vereador da câmara Jorge Ralha no jornal Badaladas, foram comunicadas por três pessoas ao MP que, em fevereiro de 2017, abrir um inquérito.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Por que razão os autarcas e todos os nossos políticos têm uma enorme incapacidade de fazer o que quer que seja legalmente?

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …