Australianos criam protótipo de laser tipo “Estrela da Morte” capaz de destruir planetas inteiros

(dr) LUCASFFILM

A Estrela da Morte de "Guerra das Estrelas" (1977) está mais próximo do que pensávamos

A Estrela da Morte de “Guerra das Estrelas” (1977) está mais próximo do que pensávamos

Um grupo de físicos australianos criou um super-laser com um princípio de funcionamento semelhante ao usado da “Estrela da Morte” da saga de George Lucas “Guerra das Estrelas” para destruir planetas inteiros.

O protótipo da super arma futurística desenvolvida pelos cientistas australianos é constituída por vários raios laser que se juntam num único feixe de luz devastador.

A ideia de criar este tipo de arma não é nova. Já há algumas décadas atrás, recorda o Live Science, um projecto russo de defesa estratégica contra mísseis explorou a ideia de usar líquidos para fazer convergir raios laser. Mas o projecto foi considerado inviável e abandonado.

Um projecto semelhante desenvolvido nos Estados Unidos testou diversos materiais para realizar a fusão de raios laser, também sem sucesso.

Durante décadas, engenheiros de todo o mundo tentaram desenvolver a ideia, mas enfrentaram sempre alguns obstáculos naturais, como por exemplo a dispersão dos raios na atmosfera. Este fenómeno, conhecido como Efeito Raman, resulta numa perda substancial do potencial energético do raio convergente.

Outro problema é o sobreaquecimento do prisma que tem que “recolher” os diferentes raios emitidos e fazê-los convergir num único laser super-poderoso.

Agora, investigadores da Universidade Macquarie, em Sidney, na Austrália, conseguiram simular em laboratório um processo para fazer convergir os raios de luz — e, tal como os cientistas do Império, aumentar dramaticamente a energia do feixe luminoso.

Para o conseguir, os físicos australianos usaram um cristal de diamante ultrapuro no ponto de convergência dos diferentes raios, acumulando assim a sua potência num único raio super-poderoso, capaz de transmitir quantidade suficiente de energia num ambiente de vácuo – como por exemplo, o Espaço.

(dr) Macquarie University

Diretamente de Star Wars: o raio laser da Estrela da Morte funciona mesmo. O "super-laser" australiano junta o poder de vários raios laser num só feixe convergente super poderoso

Diretamente de Star Wars: o raio laser da Estrela da Morte funciona mesmo. O “super-laser” australiano junta o poder de vários raios laser num só feixe convergente super poderoso

Felizmente, esta arma não é ainda capaz de destruir planetas inteiros como a sua análoga na Guerra nas Estrelas, mas os investigadores acreditam que pode ser aplicada no espaço a curto prazo. Pode ser usada para impulsionar veículos espaciais, por exemplo, ou para remover lixo espacial da trajectória dos satélites, limpando a sua órbita.

Mas é preferível não pensar o que acontecerá se um dia lasers de grande potência forem capazes de destruir estes mesmos satélites… ou qualquer outro corpo no Espaço.

Principalmente porque, em 2015, o Inverse calculou quanta energia seria realmente necessária para uma “Estrela da Morte” destruir um planeta do tamanho da Terra – e concluiu que estamos mais perto do maléfico Império do que pensávamos.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. E sempre a ideia da destruição no ser humano até que chegue o dia em que já não haverá mais hipóteses de voltar atrás.

RESPONDER

Nu num cavalo branco e de saltos altos. Retrato de Emiliano Zapata gera indignação no México

Centenas de manifestantes invadiram o Palácio de Belas Artes do México, na passada terça-feira, por causa de um retrato do general Emiliano Zapata (1879-1919), considerado um herói revolucionário no país. A obra, pintada pelo artista …

Felipe VI designa Sánchez como candidato a formar o próximo Governo

O Rei de Espanha designou, esta quarta-feira, em Madrid, o secretário-geral do PSOE e primeiro-ministro em funções como candidato a chefe do próximo Governo, anunciou a presidente do Parlamento. "Sua majestade o Rei [...] comunicou-me a …

No Porto, há um painel publicitário que recicla tanto ar como 230 árvores

O painel publicitário da Volvo, instalado na fachada de um prédio entre a Avenida da Boavista e a Rua 5 de Outubro, no Porto, é mais do que publicidade. A tela ajuda a reciclar o …

Governo recua e deixa cair proposta sobre perda de férias em caso de baixa prolongada

O Governo recuou e deixou cair a proposta apresentada aos sindicatos que previa que os funcionários públicos mais antigos que estivessem de baixa prolongada perdessem dias de férias, disse esta quarta-feira o líder da Fesap, …

Marta Temido recusa ser "refém" de Centeno e anuncia maior concentração de Urgências até ao verão de 2020

"Eu nunca me senti refém [de Mário Centeno]. Tenho alguma dificuldade nessa leitura. Este reforço de meios também permitirá injetar mais confiança no sistema e criar respostas. Mas não considero que tenho estado refém do …

IVA da luz. Proposta do Governo foi afastada há um ano porque "não tinha enquadramento legal"

Em 2018, o Bloco de Esquerda apresentou a proposta da taxa reduzida do IVA da luz para um primeiro escalão de consumo. O Governo não fez o pedido a Bruxelas - como fez agora -, …

Nenhum dos treinadores do FC Porto ou Belenenses relatou agressões à PSP

Nem Sérgio Conceição nem Pedro Ribeiro mencionaram uma eventual agressão nas suas declarações à polícia. O treinador portista deverá ser ilibado de qualquer acusação. No domingo, os treinadores de FC Porto e Belenenses, Sérgio Conceição e …

Estado não cumpre os requisitos mínimos que criou para os cuidados paliativos

A maioria das equipas de cuidados paliativos do SNS não tem cumprido os requisitos mínimos definidos pelo próprio Estado. Há uma grave falta de profissionais nesta área. Os cuidados paliativos em Portugal têm vindo a regredir …

Rússia diz que pode organizar os seus próprios Jogos Olímpicos

Na sequência da exclusão por quatro anos, anunciada na segunda-feira, a presidente do Parlamento russo sugeriu que o país pode organizar os seus próprios Jogos Olímpicos. A presidente do Parlamento russo, Valentina Matviyenko, afirmou que o …

Israel vai voltar às urnas. É a terceira eleição consecutiva em menos de um ano

Israel vai ter o terceiro ato eleitoral consecutivo em menos de um ano, estancado num bloqueio político e com um primeiro-ministro acusado de corrupção. Ao terminar à meia-noite de quarta-feira o prazo do Parlamento para eleger …