Auschwitz apela aos produtores do Pokémon GO para ser retirado da área de jogo

Os visitantes do antigo campo de concentração estão a encontrar vários Pokémon no local, algo que os responsáveis do memorial consideram “desrespeitoso” e ” inapropriado”.

A febre do Pokémon Go está a tomar conta dos jogadores espalhados por todo o mundo, mesmo nos países onde o jogo ainda não está oficialmente disponível, como é o caso de Portugal.

Para já, o jogo só existe nos Estados Unidos, Nova Zelândia e Austrália e chegou mais recentemente à Europa, mas só na Alemanha.

No entanto, as pessoas que ainda não podem aceder ao jogo estão a conseguir fazê-lo, registando-se através desses mesmos países.

Por se tratar de um jogo que desafia os jogadores a caminhar pelas ruas em busca das criaturas, nos últimos dias têm surgido vários episódios insólitos.

Apesar de só estar presente em solo alemão, o jogo já está a “fazer estragos” noutras zonas, nomeadamente no antigo campo de concentração de Auschwitz, na Polónia.

O campo foi um dos principais palcos do Holocausto, onde morreram milhares de vítimas do regime nazi, à custa do trabalho forçado e da morte em câmaras de gás.

Mas, pelos vistos, isso não impede os visitantes de se divertirem com o jogo enquanto visitam o local, que agora é um museu dedicado a esse tempo negro da história da Humanidade.

Os responsáveis pelo local consideram que é “desrespeitoso” e ” inapropriado” esse tipo de comportamento.

“Foi aqui que milhares de pessoas sofreram, desde judeus, polacos, ciganos, russos e pessoas de outras nacionalidades”, afirmou o porta-voz do museu, Pawel Sawicki.

Por isso, o museu solicitou aos criadores do Pokémon Go que retirem a área do memorial da geolocalização do jogo.

“Queremos sensibilizar, de maneira geral, todos os produtores de jogos sobre o respeito à memória das vítimas do maior campo de concentração nazi da II Guerra Mundial”, acrescentou.

Segundo a New York Magazine, citada pelo Mashable, um jogador chegou mesmo a reportar a presença de um “quadrado azul” na área, indicando a possibilidade de uma PokéStop.

O museu de Auschwitz não é o primeiro lugar a solicitar que a geolocalização seja retirada do seu espaço. Na terça-feira passada, o mesmo aconteceu com o museu do Holocausto, em Washington, nos Estados Unidos.

Em comunicado, o diretor de comunicação do museu, Andy Hollinger, informou que também entrou em contacto com a produtora Niantic para a remoção dos Pokémon do espaço.

“A tecnologia pode ser uma importante ferramenta de aprendizagem mas, neste caso, o jogo em nada corresponde à nossa missão educacional”, afirmou.

Num dos casos em que um jogador encontrou um Pokémon no museu, foi precisamente uma criatura chamada “Koffing” que, no jogo, é conhecida por utilizar gás para derrotar os seus adversários.

Várias pessoas consideraram ser uma situação perturbadora, uma vez que pode ser diretamente relacionada com o uso de gás durante o Holocausto para aniquilar milhões de judeus.

ZAP / Canal Tech

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Os Judeus reclamam de tudo. Se as pessoas querem jogar no museu dos mortos, que joguem à vontade. Ao menos levam alguma alegria a essas zonas sombrias. Porque é que não pedem também às operadores de telemóvel para bloquearem a rede nesses sítios para que as pessoas não fiquem a conversar no telefone dentro dos museus dos mortos? Judeus do diabo!!!

RESPONDER

Matteo Salvini considera que pode ser candidato à Comissão Europeia

Matteo Salvini, líder da extrema-direita italiana disse que deveria ser candidato à presidência da Comissão Europeia caso se verifique a vitória de "uma coligação soberanista" nas próximas eleições europeias. “É verdade. Amigos de diferentes países europeus …

Ryanair revela vídeo. Fotografia de tripulantes a dormir no chão foi encenada

Um vídeo divulgado pela Ryanair confirmou que a fotografia dos tripulantes portugueses a dormir no chão foi encenada. A imagem foi denunciada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC). De acordo com …

Jornalista saudita. Arábia transferiu 100 milhões para os Estados Unidos

A Arábia Saudita transferiu 100 milhões de dólares para os EUA nesta terça-feira, no mesmo dia em que o secretário de estado norte-americano Mike Pompeo chegou à capital Riade para discutir os contornos da morte …

Benfica contratou russos para investigar e-mails

O Benfica contratou uma empresa de cibersegurança e um escritório de advogados russos para identificar os responsáveis das empresas onde estão alojados os e-mails confidenciais divulgados pelos blogues anónimos. De acordo com a página de jornal …

Demissão de Rovisco Duarte terá sido imposta por novo ministro da Defesa

Rovisco Duarte apresentou a sua demissão ao ministro da Defesa, tendo sido João Gomes Cravinho quem o "empurrou" para a saída, avança o Observador. Esta quarta-feira de manhã, o Chefe de Estado Maior do Exército, Rovisco …

Centeno pode ter mais 150 milhões para aumentos na função pública

O ministro das Finanças já disse e repetiu que só tem 50 milhões de euros para aumentar os salários da função pública em 2019. No entanto, esta verba faz plano de um plano mais generoso, …

Governo muda as regras do jogo. Reforma antecipada só para quem aos 60 tem 40 anos de descontos

O Governo quer limitar, a partir de outubro do próximo ano, o acesso à reforma antecipada aos trabalhadores que começaram a descontar para a Segurança Social antes dos 20 anos. O Governo vai alterar o regime …

Vistos Gold representam um "sério risco de segurança" para a União Europeia

A comissária europeia da Justiça, Vera Jourova, criticou esta terça-feira os Estados-membros que têm a prática de atribuir 'vistos gold' a cidadãos extracomunitários ricos, instando-os a assegurar que a cidadania europeia não é concedida a …

Espanha em alerta vermelho por uma das piores tempestades da última década

Espanha está em alerta vermelho por causa da aproximação de duas tempestades, uma oriunda do Mediterrâneo e outra do Atlântico. O instituto de meteorologia espanhol prevê acumulação de chuva que pode ultrapassar os 100 litros …

Governo quer substituir manuais gratuitos depois de três utilizações

Os manuais escolares gratuitos, que no próximo ano serão distribuídos a um 1,2 milhões de alunos do 1.º ao 12.º ano, deverão ser utilizados três vezes e depois substituídos por novos, afirmou o secretário de …