//

Áudio raro capturou Einstein a falar sobre música e bombas atómicas

(dr) Arthur Sasse / Nate D Sanders Auctions

Uma gravação única em leilão apresenta um raro e fascinante vislumbre do físico Albert Einstein. Embora Einstein fosse conhecido em todo o mundo, era notoriamente tímido em relação à publicidade, por isso há pouca evidência em áudio da sua vida fora dos holofotes habituais dos media.

Mas numa conversa casual registada há mais de 60 anos, o cientista contava piadas, discutia o seu amor pela música e mergulhava na política global. Gravado em 1951 em discos de vinil de longa duração no Instituto de Estudos Avançados de Princeton, Nova Jersey, a intrigante conversa entre Einstein e os seus amigos Jack e Frances Rosenberg nunca foi acessível ao público – até agora.

Este sábado, abrem online as licitações no Heritage Auctions para um áudio que contém a conversa de 33 minutos entre Einstein e os seus dois amigos. Einstein fala em inglês com forte sotaque – “como esperado” – e os assuntos sérios que aborda são intercalados com risos e piadas, de acordo com uma descrição na lista de leilões.

Einstein era conhecido pela sua apreciação pela música e, na gravação, descreveu o seu amor por Brahms, Schubert e Beethoven. O físico elogiou uma composição musical favorita “Violin Concerto”, do compositor romeno George Enescu, dizendo: “Na minha juventude, não tinha escutado nada melhor”.

O Heritage Auctions partilhou um preview de três minutos da gravação, com os pensamentos de Einstein sobre o julgamento por espionagem de Julius e Ethel Rosenberg – cidadãos americanos acusados ​​em 1951 de partilhar informações confidenciais sobre armas nucleares com a União Soviética.

O caso contra os Rosenbergs era controverso, com promotores à procura penalidades severas por crimes que muitos disseram não ter apoio de evidências sólidas, de acordo com a Fundação do Património Atómico. Na fita, Einstein sugeriu que o que estava a acontecer com os Rosenberg era “injusto” e que as ações eram “imprudentes”. Os Rosenbergs foram considerados culpados, condenador à morte e executados em 1953.

Na gravação completa, Einstein também lamentou o seu próprio papel em conduzir os EUA para o desenvolvimento de bombas atómicas, através de uma carta que enviou a FDR em 1939. “Acredito que foi uma grande desgraça”, disse, acrescentando: “Arrependo-me muito.”

No entanto, Einstein achou bem que os russos tivessem desenvolvido recentemente a sua própria bomba atómica, declarando-a “melhor para o bem-estar mundial” se os EUA não fossem a única nação a possuir as armas. Essa perspetiva provavelmente não teria sido popular na América na época, disse Don Ackerman, diretor de remessa do Departamento Histórico do Heritage Auctions.

Uma cópia da gravação está na coleção Einstein, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, mas o leilão oferece uma oportunidade de ter uma entrevista exclusiva com o cientista “que não está disponível para o público em geral”. O leilão começa em 3.500 dólares.

  ZAP // Live Science

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE