Cientistas produziram átomos artificiais que funcionam à temperatura ambiente

(dr) University of Oregon

Uma equipa de cientistas da Universidade de Oregon, nos Estados Unidos, produziram átomos artificiais que funcionam em temperatura ambiente, um passo rumo ao desenvolvimento de redes de comunicação quântica mais seguras.

Comunicações online ultra-seguras, completamente indecifráveis caso sejam intercetadas, estão cada vez mais perto de se tornarem uma realidade com a preciosa ajuda de uma descoberta anunciada recentemente pelo físico Ben Alemán, da Universidade de Oregon, nos Estados Unidos.

A produção de átomos que funcionam em condições ambientais, uma descoberta publicada na Nano Letters, pode ser uma grande passo nos esforços para desenvolver redes de comunicação quântica seguras e computação quântica totalmente ótica.

“Descobrimos uma forma simples e escalável de nanofabricar átomos artificiais num microchip, e que esses átomos artificiais funcionam no ar e à temperatura ambiente”, explicou Alemán, membro do Instituo de Ciência de Materiais e do Centro de ótica Molecular e Ciência Quântica da Universidade de Oregon.

“Estes átomos irão permitir muitas tecnologias novas e poderosas”, afirmou o físico, adiantando que, no futuro, “poderiam ser usados para comunicações mais seguras, totalmente privadas, e para desenvolver computadores muito mais poderosos capazes de projetar medicamentos inovadores e ajudar os cientistas a obter uma compreensão mais profunda do Universo através da computação quântica”.

A equipa de Alemán perfurou uma folha fina bidimensional de nitreto de boro hexagonal, também conhecido como grafeno branco. Para perfurar os furos – que tinham cerca de 500 nanómetros de largura e quatro de profundidade – os físicos usaram um processo que se assemelha à lavagem de pressão, mas em vez de um jato de água, usaram um feixe de iões.

Posteriormente, os cientistas aqueceram o material em oxigénio a altas temperaturas para remover qualquer presença de resíduos.

Através do uso de microscopia ótica confocal, a equipa observou pequenos pontos de luz vindos das regiões perfuradas e descobriu que esses pontos brilhantes emitiam luz ao nível mais baixo possível – ou seja, um fotão de cada vez.

Os pontos brilhantes padronizados são átomos artificiais e possuem muitas das mesmas propriedades de átomos reais, como a emissão de fotões únicos, adianta o phys.org.

“Este nosso trabalho fornece uma fonte de fotões únicos que podem atuar como portadores de informações quânticas ou como qubits”, explicou o responsável pela descoberta. No futuro, “gostaríamos de padronizar estes emissores de fotões individuais em circuitos ou redes num microchip para que eles se possam comunicar entre eles ou com outros qubits existentes”, rematou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Parker Solar Probe lança nova luz sobre o Sol

Em agosto de 2018, a Parker Solar Probe da NASA foi lançada para o espaço, tornando-se pouco tempo depois a sonda mais próxima do Sol. Com instrumentos científicos de ponta para medir o ambiente em …

Encontrado no mar das Malvinas navio alemão da I Guerra Mundial 105 anos depois de naufragar

O naufrágio de um cruzador alemão da I Guerra Mundial foi identificado nas Ilhas Malvinas, onde foi afundado pela Marinha britânica há 105 anos. O SMS Scharnhorst foi o principal ativo da esquadra alemã na Ásia …

Boavista 1-4 Benfica | Águia goleia no xadrez do Bessa

O Benfica deu o pontapé de saída da 13ª jornada com uma vitória competente na visita ao Boavista, por 4-1. Num jogo potencialmente perigoso para as aspirações “encarnadas”, frente a um adversário com somente uma derrota …

Cientistas desenvolvem técnica para determinar o humor através da caligrafia

Uma equipa de cientistas estudou a biomecânica dos movimentos das mãos a escrever e a desenhar, e desenvolveu um método para avaliar as propriedades individuais da velocidade de escrita e da pressão do lápis no …

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …

Alisadores e tintas para cabelo podem aumentar o risco de cancro da mama

Alisadores e tintas para cabelo são dois produtos comummente utilizados por mulheres. Um novo estudo sugere que estes podem aumentar o risco de cancro da mama, especialmente em mulheres negras. Muitos produtos capilares contêm compostos que …

Black Friday. Marca de cosméticos oferece por engano desconto de 96% e perde 10 milhões em duas horas

Uma falha no site oficial da marca de produtos cosméticos Foreo fez com que o seu artigo mais caro fosse vendido com um desconto de 96%, fazendo com que a empresa sueca perdesse 10 milhões …

Camisola usada por Pelé no seu último jogo foi vendida por 30 mil euros em leilão

Uma camisola usada por Pelé no seu último jogo com a seleção brasileira foi vendida por 30 mil euros num prestigiado leilão de objetos desportivos, realizado na quinta-feira em Turim, Itália. A camisola com o número …