Pode não ter sido um ataque sónico, mas um fenómeno de histeria em massa

U.S. Department of State

Em 2015, a bandeira dos Estados Unidos foi hasteada na embaixada americana em Cuba, pela primeira vez em 54 anos

Segundo um especialista, os diplomatas norte-americanos que se dizem vítimas dos chamados “ataques sónicos” estão apenas a experimentar uma forma contagiosa de delírio coletivo.

Em 2016, diplomatas norte-americanos em Cuba foram alvo de um misterioso ataque sónico, levado a cabo por uma tecnologia nunca antes vista de sons armados. O ataque sónico em Cuba e, mais recentemente, na China, acionaram o alerta da chegada desta arma perigosa e invisível.

No entanto, talvez nunca tenha acontecido nada.

Segundo um especialista em doenças psicogénicas coletivas, os sintomas dos diplomatas poderiam ser o resultado de uma ilusão contagiosa coletiva, e não as marcas de uma invisível arma sonora para a qual não existem provas concretas.

“Estou convencido de que estamos a lidar com uma caso de histeria em massa”, disse o sociólogo Robert Bartholomew à ABC News. A condição é descrita pelo especialista como um fenómeno médico e social que causa ilusões e sintomas num determinado grupo de pessoas. Este fenómeno tem sido observado não só nos últimos tempos, como ao longo da história.

Apesar de um relatório dilvulgado por investigadores da Universidade da Pensilvânia ter concluído que as vítimas do ataque em Cuba sofreram “danos nas redes cerebrais”, Bartholomew diz que a histeria em massa é exatamente o fenómeno que estamos a presenciar.

Armas sónicas não podem causar concussões – é fisicamente impossível”, argumenta Bartholomew, contrariando o resultado do relatório.

Na verdade, o estudo não foi conclusivo no que toca à forma como o trauma aconteceu, sugerindo que as manifestações clínicas podem representar “uma nova entidade clínica”, sublinhando que ainda não está claro de que forma o ruído está relacionado com os sintomas relatados pelos diplomatas americanos.

No entanto, Bartholomew desvaloriza os resultados do estudo, defendendo a tendência estereotipada das pessoas de alcançar diagnósticos médicos improváveis face a explicações mais plausíveis. “As pessoas estão a escolher uma hipótese mais exótica e que é cientificamente impossível”, sublinha.

Seja qual for a causa destes sintomas misteriosos – se um som armado ou delírios desenfreados – certo é que não estão a desaparecer.

No entanto, caso se venha a provar que se trata mesmo de um fenómeno de histeria em massa, é provável que nunca venha a ser provado pelo Governo. “Uma vez que é afirmada a existência de um ataque, não há volta a dar”, explica Mitchell Joseph Valdés-Sosa, dirtor do Centro de Neurociência cubano.

Estará o Governo disposto a admitir que cometeu um erro?“, questiona por fim.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

"Esforço coletivo para salvar o Natal". Nóbeis da Economia querem novo confinamento em dezembro

Esther Duflo e Abhijit Banerjee, prémios Nobel da Economia de 2019, propõem quarentena em França em dezembro, para que seja possível "festejar o Natal". O casal acredita que só assim será possível festejar a quadra …

Venda de vinhos alentejanos para a Suécia disparou (e foi graças à pandemia)

Nunca se tinham vendido tantos vinhos alentejanos para a Suécia como durante o período de confinamento em Portugal. A estratégia menos restritiva dos suecos contra a covid-19 ajuda a explicar esse cenário, verificando-se a mesma …

Spray nasal investigado na Austrália pode travar covid-19 (e tem uma taxa de eficácia de 96%)

É simples: com apenas uma ou duas aplicações por semana, o novo spray pode evitar que as pessoas infetadas com o novo coronavírus contagiem as outras à sua volta. Muito se tem falado sobre uma potencial …

Brad Parscale, ex-diretor de campanha de Trump, hospitalizado após tentativa de suicídio

O antigo diretor digital de campanha de Donald Trump, Brad Parscale, foi hospitalizado depois de a mulher ter alertado para tentativa de suicídio. Brad Parscale, ex-diretor digital de campanha do atual Presidente dos Estados Unidos, Donald …

Variante de SARS-CoV-2 oriunda de Itália marcou início da pandemia. Circulou durante dias sem controlo

O arranque da epidemia em Portugal foi marcado pela “disseminação massiva” de uma variante do SARS-CoV-2 com uma mutação específica, que começou a circular nas regiões Norte e Centro mais de uma semana antes do …

Existem 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas

Existem atualmente em Portugal 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas, revelou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, a diretora-geral da Direção-Geral da Saúde, Graça Freitas. Sem identificar especificamente os lares …

Catalunha. Supremo Tribunal espanhol confirma inabilitação de Quim Torra

O Supremo Tribunal espanhol confirmou esta segunda-feira a inabilitação por um ano e meio do presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, por desobediência à junta eleitoral central. O acórdão, aprovado por unanimidade, obriga Torra …

Já há mais 6.829 mortes do que em 2019, mas covid-19 só fez 2 mil. Óbitos em casa subiram 18%

Desde o início da pandemia, há registo de um aumento de 18% de óbitos que ocorrem em casa e as mortes em investigação subiram 24%. Nos hospitais há uma subida de 5,6% na taxa de …

PCP diz que pandemia é usada como pretexto para intensificar exploração dos trabalhadores

O secretário-geral do PCP consideraque a pandemia de covid-19 está a ser utilizada como pretexto para se tentar fazer regredir décadas em conquistas de direitos, através do que apelidou de "teorias do 'novo normal'". Jerónimo de …

Morreu o bailarino e coreógrafo Jorge Salavisa

O bailarino e coreógrafo Jorge Salavisa, que dirigiu o Ballet Gulbenkian e a Companhia Nacional de Bailado (CNB), morreu esta segunda-feira, aos 81 anos, confirmou à agência Lusa fonte oficial da CNB. A notícia da morte …