Astronautas podem sofrer choques elétricos na Lua

Os cientistas estão preocupados com uma questão que não afetou os anteriores visitantes do satélite natural: choques elétricos.

Quando o assunto é o ambiente espacial, há muitos mistérios ainda por desvendar. Em 2024, a NASA pretende enviar astronautas à Lua, cinco décadas após a última missão Apollo. No entanto, para as futuras missões Artemis, os cientistas estão preocupados com uma questão que não afetou os anteriores visitantes do satélite natural: o perigo de os astronautas levaram choques elétricos na Lua.

De acordo com os cientistas, o simples facto de estar na superfície da Lua é suficiente para carregar eletricamente o fato espacial ou qualquer outro objeto que esteja em contacto com o solo.

Exposta ao vento solar, a superfície lunar possui uma carga elétrica natural. Na Terra, o campo magnético protege-nos destas partículas energizadas ejetadas pelo Sol, mas a Lua não possui esta proteção. Por esse motivo, os eletrões e os iões deixam a superfície eletricamente carregada. Soma-se a isso o facto de a poeira lunar, também carregada, se agarrar a tudo o que toca a superfície.

Segundo o físico Joseph Wang, a poeira lunar pode agir como elemento que conduz os eletrões. Quando agarrada ao fato dos astronautas, a poeira pode desencadear choques elétricos em equipamentos que podem deixar de funcionar, ou simplesmente dar um susto aos astronautas, explica o CanalTech.

Durante as missões Apollo, não houve relatos de choques elétricos na Lua. Wang explica que isso aconteceu por causa das áreas onde as missões pousaram – sempre em locais banhados pela luz solar.

A luz solar não carrega nenhum tipo de carga elétrica, mas os fotões podem causar um efeito fotoelétrico que carrega positivamente alguns eletrões, equilibrando com os carregados negativamente levados pelo vento solar. Graças a este balanceamento, os choques elétricos acontecem menos vezes.

No entanto, o programa Artemis tem como objetivo pousar no polo Sul da Lua, onde os raios solares não incidem diretamente. De acordo com o Gizmodo, nesta área específica, os eletrões do vento solar predominam e a luz solar mais fraca não consegue equilibrar este jogo de carga. Aliás, segundo os cientistas, as regiões sombreadas podem chegar a ter “centenas ou milhares de volts negativos“.

Jim Rice, cientista do Instituto de Ciência Planetária no Arizona, nos Estados Unidos, não acredita que o perigo de os astronautas levarem choques elétricos seja um grande problema. Para o especialista, o problema é não sabermos o que aconteceria se esses astronautas se locomovessem na Lua com materiais e equipamentos carregados.

A equipa de Wang realizou um teste para descobrir se a poeira lunar pode mesmo influenciar os choques elétricos. Para isso, os cientistas usaram amostras de Gore-Tex, o tecido usado nos fatos espaciais, e colocaram-nas numa câmara a vácuo com um simulador do regolito lunar.

De seguida, os cientistas descarregaram plasma nessas amostras para ver se seriam vulneráveis ao arco elétrico. Como esperavam, as amostras cobertas de poeira apresentaram arcos com mais frequência do que aquelas que estavam limpas.

“A próxima pergunta é: esses arcos podem danificar o fato espacial?”, questionou Wang que ainda não acredita que esta experiência pode ser indicativa de perigo para os astronautas. Apesar disso, as pesquisas continuam, enquanto a missão Artemis de 2024 se aproxima.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Tá de sacanagem, e os que foram antes a lua, não teve isso não?
    Eu realmente acho engraçado, como que no passado foi Tam fácil chegar a lua, e agora após décadas de avanço, está tão difícil voltar!

RESPONDER

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …