Asteróides considerados inofensivos podem vir a colidir com a Terra

Alguns dos asteróides considerados atualmente inofensivos podem vir a colidir com a Terra, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Leiden, nos Países Baixos.

Para chegar a esta conclusão, os astrónomos da Universidade de Leiden recorreram a uma rede neuronal artificial, tendo os resultados da investigação sido recentemente publicados na revista científica especializada Astronomy & Astrophysics.

Usando um computador, a equipa integrou as órbitas do Sol e dos seus planetas para os próximos 10.000 anos – na prática, é como se tivesse “adiantado o relógio” em alguns milhares de anos destas órbitas. Depois, rastrearam as órbitas em sentido oposto no tempo enquanto lançavam asteróides para a superfície da Terra.

Na simulação feita para trás no tempo, os asteróides foram incluídos nas simulações para que os cientistas conseguissem estudar as suas distribuições orbitais atualmente.

Assim, os cientistas conseguiram criar uma espécie de banco de asteróides hipotéticos para os quais a equipa sabia que aterrariam na superfície da Terra.

“Se puxarmos o relógio para trás, veremos que asteróides conhecidos pousam na Terra novamente. Desta forma, podemos criar uma biblioteca das órbitas dos asteróides que chegam até à Terra (…) A biblioteca de asteróides serviu com material de treino para a rede neuronal”, explicou Simon Portegies Zwart, um dos responsáveis pela simulação.

Identificador de Objeto Perigoso (HOI)

O primeiro conjunto de cálculos, conta a agência Europa Press, foi realizado no supercomputador ALICE da Universidade de Leiden, operando a rede neuronal num computador simples. Os cientistas batizaram o seu método de Hazardous Object Identifier (HOI) (Identificador de Objeto Perigoso).

Depois de treinada, a rede neuronal pode reconhecer objetos já conhecidos próximos da Terra. Além disso, é também capaz de identificar vários objetos perigosos que não foram ainda classificados como tal – os corpos considerados “inofensivos”. Por exemplo, o HOI descobriu onze asteróides que, entre 2131 e 2923, se aproximam mais do que dez vezes a distância entre a Terra e a Lua e têm mais de cem metros de diâmetro.

De acordo com os especialistas, estes asteróides não foram ainda identificados como potencialmente perigosos porque as suas órbitas são muito caóticas. Por este motivo, estes corpos não conseguem ser identificados pelos atuais softwares das agências espaciais, que são baseados em cálculos de probabilidade que usam simulações de força bruta.

Tal como explicou Zwart, esta investigação é apenas um exercício, um ponto de partida. “Sabemos agora que o nosso método funcionada, mas gostaríamos certamente de aprofundar esta investigação com um melhor rede neuronal e mais contribuições. A parte complicada é que as pequenas interrupções nos cálculos da órbita podem levar as grandes mudanças nas conclusões”, notou.

A equipa espera que, no futuro, as redes neuronais possam ser utilizadas para detetar objetos potencialmente perigosos para a Terra, defendendo que este método seria muito mais rápido do que os usados atualmente pelas agências espaciais.

Os asteróides e outros corpos são considerados próximos da Terra, recorde-se, quando passam a uma distância inferior a 1,3 unidades astronómicas do nosso planeta.

Apesar de ser muito pouco provável que um asteróide venha a colidir com a Terra nos próximos anos – a probabilidade é de 1 em 300.000, segundo a NASA -, as agências espaciais têm reunido esforços para melhorar os programas destinados para o acompanhamento e desvio destes corpos em rota de colisão com a Terra.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

As bactérias formam comunidades na nossa língua (e uma imagem revela como)

Cientistas norte-americanos descobriram que as bactérias que vivem na nossa língua têm uma organização complexa e altamente estruturada. Os micro-organismos estão em toda a parte - até no interior da nossa boca. Um novo estudo revela …

Como sobreviver ao isolamento? Astronautas explicam

Em todo o mundo, cidades e até países inteiros estão em quarentena como forma de travar a propagação do novo coronavírus, Covid-19. Alguns astronautas deixaram conselhos sobre como sobreviver ao isolamento. Para alguns, o auto isolamento …

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …