O asteróide que matou os dinossauros pode ter feito nascer a floresta amazónica

Um novo estudo sugere que o impacto do asteróide que aniquilou os dinossauros pode ter feito nascer as primeiras florestas tropicais da Terra.

Uma equipa de investigadores examinou mais de 50 mil registos de pólenes fósseis e mais de seis mil folhas fósseis da Colômbia para investigar a forma como o impacto do infame asteróide que matou os dinossauros mudou as florestas tropicais da América do Sul.

Os cientistas concluíram que, depois de a rocha espacial de 12 quilómetros de largura ter atingido a Terra há 66 milhões de anos, o tipo de vegetação que formava estas florestas mudou drasticamente. 

Segundo os investigadores, plantas com cones, chamadas coníferas e samambaias, eram comuns naquelas florestas antes do enorme asteróide atingir o que hoje é a Península de Yucatán, no México.

Contudo, depois do impacto devastador, a diversidade de plantas diminuiu em cerca de 45% e as extinções foram generalizadas, particularmente entre as plantas com sementes.

Nos seis milhões de anos seguintes, enquanto as florestas recuperavam, as angiospermas – plantas com flores – passaram a dominá-las.

A estrutura das florestas tropicais também mudou como resultado dessa transição. Durante o final do período Cretáceo, quando ainda existiam dinossauros, as árvores que constituíam as florestas eram muito espaçadas. As partes superiores não se sobrepunham, deixando áreas abertas e iluminadas pelo sol no solo da floresta.

Porém, após o impacto, as florestas desenvolveram uma copa espessa que permitia que muito menos luz chegasse ao solo.

Os investigadores propõem três explicações diferentes para a transformação das florestas após o impacto do asteróide que matou os dinossauros.

Em primeiro lugar, os dinossauros poderiam ter evitado que a floresta ficasse muito densa, alimentando-se e calcando as plantas que cresciam nos níveis mais baixos da floresta.

Por outro lado, as cinzas do impacto podem ter enriquecido os solos dos trópicos, dando uma vantagem às plantas com flores de crescimento mais rápido.

Por fim, a extinção preferencial de espécies de coníferas pode ter criado uma oportunidade para as plantas com flores assumirem o controlo da floresta.

Segundo a equipa, estas explicações não são mutuamente exclusivas e todas elas podem ter contribuído, em conjunto, para o resultado atual.

“A lição aprendida aqui é que, sob distúrbios rápidos, os ecossistemas tropicais não apenas recuperam. São substituídos e o processo leva muito tempo”, disse Mónica Carvalho, do Smithsonian Tropical Research Institution, no Panamá, em declarações à BBC.

O estudo foi publicado este mês na revista científica Science.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Estas formigas encolhem o cérebro para se tornarem rainhas

Cientistas descobriram que as formigas saltadoras indianas reduzem o tamanho do seu cérebro para terem a oportunidade de se tornarem rainhas (e que são capazes de reverter esta mudança quando é preciso). Há muito que …

O "fantasma" de Sócrates pairou no aniversário do PS, mas ninguém o mencionou

O secretário-geral do PS, António Costa, homenageou esta segunda-feira, dia do 48.º aniversário do partido, os primeiros 115 autarcas socialistas eleitos em 1976 e afirmou que os militantes do partido são mais importantes do que …

"Sem paralelo em qualquer outra experiência externa". Marcelo elogia reuniões no Infarmed

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considera que as reuniões do Infarmed, que juntam especialistas, líderes políticos e parceiros sociais, são realizadas “num quadro político e institucional sem paralelo em qualquer outra experiência …

Fotografia da NASA demonstra Teoria da Relatividade Geral de Einstein

O aglomerado Abell 2813 tem tanta massa que atua como uma lente gravitacional, fazendo com que a luz de galáxias distantes se curve à sua volta. A lente gravitacional acontece quando a massa de um objeto …

Astrónomos descobrem uma super-Terra perto de uma estrela gelada

Uma equipa de investigadores descobriu uma super-Terra a orbitar GJ 740, uma estrela anã fria localizada a cerca de 36 anos-luz do nosso planeta. Nos últimos anos, os cientistas têm levado a cabo uma busca exaustiva …

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …