Asteróide que extinguiu os dinossauros deixou a Terra na escuridão durante dois anos

Cinemuse / Vimeo

O asteróide que extinguiu os dinossauros atingiu a Terra com um energia equivalente a dez mil milhões de bombas de Hiroshima

Uma escuridão de dois anos de duração teria sido o efeito das cinzas geradas pelos gigantescos incêndios após a queda de um asteroide na Terra, há 66 milhões de anos, que exterminou os dinossauros.

A conclusão é do estudo liderado pelo Centro Nacional de Pesquisa do Clima dos Estados Unidos (NCAR), com apoio da NASA e da Universidade do Colorado em Boulder, e divulgado esta segunda-feira, que examinou as mudanças no clima terrestre depois do impacto do meteoro com dez quilómetros de diâmetro.

Segundo o trabalho, o choque provocou grandes chamas e “enormes quantidades de cinzas”, que teriam obscurecido a luz do Sol durante “quase dois anos”. A fotossíntese foi interrompida por um ano e meio, e o planeta sofreu um drástico resfriamento, o que contribuiu para a extinção dos dinossauros.

Os especialistas usaram um modelo por computador para criar um panorama detalhado de como terá ficado a Terra, uma informação útil para que os paleobiólogos entendam melhor o porquê da morte de algumas espécies, sobretudo nos oceanos, e por que razão outras continuaram vivas.

Mais de três quartos das espécies que viviam na Terra, incluindo todas as de dinossauros não voadores, desapareceram na transição do período Cretáceo para o Paleogénico, e as provas mostram que a grande extinção aconteceu quando um grande meteoro caiu no que é hoje a peninsula de Yucatán.

A colisão, de acordo com os cientistas, desencadeou terramotos, tsunamis e erupções vulcânicas, e a força do impacto teria lançado rochas vaporizadas muito acima da superfície terrestre, onde se teriam condensado em pequenas partículas chamadas esférulas.

Ao voltarem a cair na Terra, teriam aquecido, através da fricção, até temperaturas suficientemente altas para provocar incêndios e abrasar a superfície terrestre.

O cientista do NCAR e diretor do estudo, Charles Bardeen, explicou que o trabalho visava estudar as consequências a longo prazo da grande quantidade de cinzas produzidas.

As simulações apontam que as finas cinzas aquecidas pelo Sol ascenderam à atmosfera até formarem uma barreira que bloqueou a grande maioria da luz solar que chegava à superfície terrestre.

“No início terá sido tão escuro como uma noite iluminada apenas pelo luar”, explicou Owen Toon, da Universidade de Colorado em Boulder, outro dos autores do estudo.

Enquanto o céu recuperava lentamente a luminosidade, as plantas não conseguiram realizar a fotossíntese durante mais de um ano e meio, segundo as simulações. A perda da luz solar provocou uma grande queda nas temperaturas médias, com uma queda de 29 graus Celsius na Terra e 11 nos oceanos.

No entanto, a temperatura da estratosfera aumentou, pois a cinza em suspensão absorvia a luz direta do Sol, o que causou a destruição da camada de ozono, acelerada por outros processos químicos. Ao se dissiparem as cinzas, chegaram à superfície terrestre doses nocivas de luz ultravioleta.

// EFE

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Não é por nada… mas ha datações de carbono relativas a ossos de dinossauro (não voadores) que dão a estimativa (conservadora) de cerca de 40 mil anos atras… de 40k a 66M vai muita diferença! Alguém anda a brincar com os “anus” de alguém.. isto só dá para rir.. é isto um artigo cientifico?

    Alguma coisa está errada… afinal.. NASA = Never A Straight Answer..

RESPONDER

Rochas antigas de Vénus apontam para origem vulcânica

Uma equipa internacional de investigadores descobriu que alguns dos terrenos mais antigos de Vénus, conhecidos como "tesserae", têm camadas que parecem consistentes com atividade vulcânica. A descoberta pode fornecer informações sobre a enigmática história geológica …

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …