/

Neuralink de Elon Musk levanta (cada vez mais) preocupações éticas

dmoberhaus / Flickr

Elon Musk, CEO da Tesla e SpaceX

Elon Musk, CEO de Tesla, acredita que o seu interface Neuralink é o futuro das interações humanas com a tecnologia, mas muitos especialistas não estão tão convencidos.

Investigadores e cientistas foram entrevistados pelo The Daily Beast esta semana, para expressar o seu medo relativamente ao objetivo de Musk de ligar cérebros humanos a computadores. Em última análise, no centro da sua inquietação está a infusão da Grande Tecnologia na mente humana.

“Não creio que haja discurso público suficiente sobre quais as implicações deste tipo de tecnologia disponível”, referiu Karola Kreitmair, professora assistente de história médica e bioética na Universidade de Wisconsin.

“Preocupa-me que haja este casamento desconfortável entre uma empresa que tem fins lucrativos”, acrescentou a docente.

De facto, a ética que envolve tecnologia como o Neuralink é um território desconhecido. Como tal, muitos estão preocupados com a forma como estes produtos, destinados a ajudar as pessoas com deficiências, podem, em última análise, ser explorados com fins lucrativos.

“Se o objetivo final é utilizar os dados cerebrais adquiridos para outros dispositivos, ou utilizar estes dispositivos para outras coisas — digamos, para conduzir carros, para conduzir Teslas — então pode haver um mercado muito, muito maior“, nota L. Syd Johnson, professor associado no Centro de Bioética e Humanidades da Universidade Médica Upstate SUNY.

“Mas então todos esses temas de investigação humana — pessoas com necessidades genuínas — estão a ser explorados e utilizados na investigação de risco para benefício comercial de outra pessoa“, acrescenta.

Kreitmair partilha o sentimento. Embora acredite que a tecnologia pode ser “transformadora” para as pessoas paralisadas, afirma que o seu potencial de utilização pelo consumidor “suscita uma série de preocupações éticas“.

Alguns especialistas também estão preocupados que Musk seja apenas um empresário ganancioso que “não pára por nada, só para ganhar um tostão”.

“Com estas empresas e proprietários de empresas, são uma espécie de showmen”, disse Laura Cabrera, investigadora de neuroética da Penn State. “Eles farão estas alegações hiperbólicas, e penso que isso é perigoso, porque as pessoas por vezes acreditam cegamente”. “Sou sempre relativamente ao que [Elon Musk] diz”, conclui.

Elon Musk já referiu anteriormente que o Neuralink poderia tornar a linguagem humana obsoleta em 10 anos, e que conseguia curar o autismo.

Na semana passada, foi anunciado que a Neuralink estava a contratar um diretor de ensaios clínicos para ajudar a gerir a sua primeira experiência com pacientes humanos. A empresa já testou os implantes cerebrais num macaco e em porcos.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.