/

Arqueólogos encontraram o enterro mais antigo de África. Era um menino de três anos

Uma equipa de investigadores revelou a sepultura de um menino encontrado em Panga ya Saidi, no Quénia. Esta descoberta, datada de 78 mil anos, é mais uma evidência sobre os primeiros comportamentos sociais complexos do Homo sapiens.

Os arqueólogos encontraram o enterro humano mais antigo de África. Trata-se de um menino Homo sapiens de três anos de idade, enterrado na entrada da caverna de Panga ya Saidi, no Quénia, há 78 mil anos.

Apesar de a África ser considerada o berço da modernidade biológica e cultural, os primeiros indícios de enterros neste continente são escassos e frequentemente ambíguos. Assim, a origem e o desenvolvimento das práticas mortuárias na África permanecem um mistério.

Desde o início das escavações em 2010, Panga ya Saidi tem sido um local chave para investigar a origem da nossa espécie.

“Assim que visitamos Panga ya Saidi pela primeira vez, sabíamos que era especial”, disse Nicole Boivin, diretora do Departamento de Arqueologia do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana (MPI-SHH), em comunicado. “O sítio é verdadeiramente único. Sucessivas temporadas de escavações em Panga ya Saidi colocam-no como um local chave na costa da África Oriental, com um extraordinário registo de 78 mil anos de atividades culturais, tecnológicas e simbólicas”.

Os primeiros fragmentos ósseos foram encontrados em 2013, mas foi apenas na escavação de 2017 que a cavidade em que o corpo foi encontrado ficou completamente exposta.

Era uma cavidade circular localizada cerca de três metros abaixo do piso atual da caverna, cheia de sedimentos e uma acumulação de ossos frágeis e altamente degradados. Dada a sua delicadeza, o bloco foi estabilizado e rebocado no campo.

“Na época, não tínhamos certeza do que havíamos encontrado. Os ossos eram demasiado delicados para estudar no local”, disse Emmanuel Ndiema, dos Museus Nacionais do Quénia. “Estávamos entusiasmados com a descoberta, mas ainda demoraria um pouco para entendermos a sua importância.”

Dois dentes, visíveis na superfície durante a escavação laboratorial inicial do bloco de sedimentos, levaram os investigadores a suspeitar que os restos poderiam ser humanos. O trabalho confirmou que os dentes pertenciam a uma criança humana de 2,5 a 3 anos, posteriormente apelidada de “Mtoto”, que significa “criança” em suaíli.

“Partes do crânio e da face começaram a ser contornadas, com a articulação da mandíbula intacta e alguns dentes cujas raízes ainda não se haviam formado”, explicou a paleoantropóloga María Martinón-Torres, diretora do Centro Nacional de Investigação sobre a Evolução Humana (CENIEH). “A articulação da coluna e das costelas também foi preservada e até a curvatura da caixa torácica foi mantida. Tudo isso sugeria que se tratava de um enterro deliberado e que a decomposição do corpo ocorrera na mesma cavidade em que os ossos foram encontrados”.

A análise microscópica dos ossos e do solo circundante confirmou que, depois de depositado na cavidade, o corpo tinha sido rapidamente coberto com terra, protegendo-o da sua deterioração e desarticulação.

Mtoto estava numa posição flexionada, com os joelhos até o peito, deitado sobre o lado direito. “A posição e rotação da cabeça sugere o uso de um suporte perecível, como uma almofada, o que indica que a comunidade pode estar envolvida em algum tipo de rito fúnebre”, acrescentou Martinón-Torres.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Evidências metafónicas apontam para o uso de uma mortalha ou sepultamento em terra densamente compactada.

A datação por luminescência coloca Mtoto com 78 mil anos, tornando-o o mais antigo sepultamento humano conhecido em África. Os enterros posteriores da Idade da Pedra na África também incluem os jovens, sugerindo um tratamento especial dos corpos das crianças na pré-história.

Embora a descoberta de Panga ya Saidi represente a evidência mais antiga de sepultamento intencional em África, a evidência de sepultamento de neandertais e humanos modernos na Eurásia é mais antiga – datando de 120 mil anos – e inclui adultos e uma proporção significativa de crianças e adolescentes.

A razão para a falta de sepultamentos com cronologias equivalentes na África permanece um mistério e pode refletir diferenças nas práticas mortuárias entre continentes ou a necessidade de um trabalho de campo mais exaustivo em algumas regiões.

Esta descoberta, que mostra que o enterro dos mortos era uma prática cultural partilhada pelo Homo sapiens e pelos neandertais, contribui com novos dados para a nossa compreensão de como as populações da Idade da Pedra Média interagiam com os mortos.

Este estudo foi publicado esta semana na revista científica Nature.

  Maria Campos, ZAP //

 

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.