Arqueólogo português descobriu telescópio com 6.000 anos

Fábio Silva

Arqueólogo Fábio Silva estuda há vários anos a relação entre as relação entre as antas de Portugal e a astronomia

As antas de Carregal do Sal, no vale do Mondego, funcionaram, há seis mil anos, como o primeiro telescópio da humanidade. A descoberta tem um dedo do arqueólogo português Fábio Silva, que explica ao ZAP que só conseguiu desenvolver esta pesquisa graças a uma bolsa estrangeira.

A Sociedade Britânica de Astronomia (SBA) anunciou, a 30 de Junho, que um grupo de investigadores, entre os quais Fábio Silva, está a estudar aquilo que pode ser descrito como “a primeira ferramenta de observação astronómica, potencialmente usada por humanos pré-históricos há seis mil anos”.

Muito antes de os telescópios terem sido inventados, as antas ou dólmens podem ter “aprimorado o que as culturas humanas primitivas veriam no céu nocturno”, explica a SBA em comunicado.

Na base desta descoberta arqueo-astronómica estão os trabalhos de investigação de Fábio Silva, professor na Universidade de Gales Trinity Saint David, onde lecciona a cadeira “Skyscapes, Cosmology and Archaeology” no âmbito de uma pós-graduação em Arqueo-Astronomia.

Antas alinhadas com a estrela Aldebarã

Fábio Silva

Fábio Silva já publicou vários trabalhos sobre a relação entre as antas e a astronomia, nomeadamente na revista científica Papers from the Institute of Archaeology, em 2013, e na revista portuguesa Zimbro, em 2015, onde constatava como os dolméns da zona da Serra da Estrela estão alinhados com Aldebarã, a estrela mais brilhante da constelação Taurus.

Aí assinalava como o nascer desta estrela era uma marca “temporal” para as comunidades que viviam no local, há seis mil anos, por assinalar a “altura mais propícia para estas comunidades pastoris transumantes se deslocarem para os prados altos da Serra da Estrela, onde passariam o Verão com as suas ovelhas e cabras”, explica o investigador ao ZAP.

O nascer da estrela Aldebarã era igualmente, uma marca “espacial”, já que nascia exactamente “sobre a serra que seria o destino destas comunidades”.

Sem apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia

No primeiro estudo, Fábio Silva ficou na dúvida quanto ao porquê de as antas estarem alinhadas com Aldebarã, já que não seria preciso “nenhum monumento” para “observar o nascimento da estrela”, sublinha ao ZAP, em conversa por e-mail.

Foi esta a base para prosseguir a investigação que o arqueólogo só continuou graças a uma “pequena bolsa” da National Geographic Society, que “foi mais generosa” do que a Fundação para a Ciência e Tecnologia que lhe recusou apoio, revela Fábio Silva.

Foi assim que o investigador português conseguiu estudar 100 antas por todo o país, com foco particular no norte de Portugal, constatando o alinhamento com Aldebarã em dois terços delas.

Fábio Silva

Ritos de passagem e iniciação

As pesquisas ainda não terminaram e vão continuar, nomeadamente explorando a ideia de que o alinhamento das antas com Aldebarã poderia ter como propósito “visões e rituais de teor xamânico” e “ritos de passagem e iniciação”, explica o arqueólogo ao ZAP.

Estes rituais poderiam levar os jovens a passar por “testes”, culminando numa “revelação” que lhes permitiria integrar de novo a comunidade com um estatuto diferente, de adulto.

O investigador descreve que “o rito de passagem poderia culminar na observação, de dentro da anta, do nascimento de Aldebarã. Isto poderia ser tido como “secreto” se a comunidade, que apenas pode observar o nascimento de fora da anta, não conseguisse (ainda) ver a estrela, mas apenas dias depois”.

“O jovem iniciado teria assim um conhecimento que o distinguia dos não-iniciados: que a estrela já tinha de facto nascido”, salienta Fábio Silva.

Testar em laboratório como o olho humano vê as estrelas

Esta tese vai continuar a ser explorada, juntamente com a ideia do “impacto do corredor das antas na observação do céu”, nota o arqueólogo português.

Fábio Silva explica ao ZAP que o próximo passo é “testar, em laboratório, sob que condições (iluminação de fundo, tamanho da entrada, brilho da estrela)” é que a anta permitiria “observar o nascimento de Aldebarã dias antes do resto da comunidade”.

Até agora, a pesquisa já identificou “três pontos que não tinham ainda sido considerados por anteriores cientistas” e que poderão ajudar a chegar a respostas mais conclusivas, sustenta o investigador português.

Em primeiro lugar, o facto de que “alguém que estaria dentro da anta teria o olho adaptado para a escuridão e, portanto, conseguiria ver uma fonte de luz muito menos brilhante, do que alguém fora da anta que começa a adaptar o olho para a claridade do nascer do Sol”.

Um segundo ponto evidenciado pelo investigador português é “o impacto da cor de fundo, e portanto do contraste de cores (uma vez que a Aldebarã é vermelha, e o céu em lusco-fusco é azul-escuro)”.

Finalmente, o terceiro ponto é “a forma como as diferentes células do olho reagem a diferentes intensidades luminosas”.

Em última instância, a investigação vai ajudar-nos a perceber melhor como é que o olho humano pode ver as estrelas em função da cor e da luminosidade do céu, sem o auxílio de aparelhos telescópicos.

SV, ZAP

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Tenho dúvidas que a utilização da palavra “telescópio” seja a mais apropriada neste contexto. Observatório astronómico talvez fosse mais apropriado.

  2. As antas eram cobertas (as chamadas mamoas)… Sendo assim, não estou a ver como seriam telescópios, pois palpita-me que não saberão a espessura da cobertura. Ou então não estou a ver bem…

  3. Ficamos a saber que a estrela que dá nome à Serra (Serra da Estrela) é Aldebarã. Quanto às Antas/Dolmens dificilmente seriam um Observatório Astronómico porque eram monumentos tumulares cobertos de terra. O facto de estarem alinhados com Aldebarã é que é significativo e expressa a importância dessa referência astronómica para a comunidade que aí habitou e que foi responsável por essas construções.

RESPONDER

Tondela vs Porto | Dragões garantem vantagem para o Clássico

O FC Porto fez o que lhe competia para garantir que chegava ao “clássico” do próximo sábado, com o Benfica, no primeiro lugar do campeonato. Na visita ao Tondela, os “dragões” não deram grandes veleidades …

Enfermeiras suspeitas de sabotar hospital com baratas. Queriam emprego melhor

Enfermeiras das emergências de um hospital italiano terão, alegadamente, libertado baratas no seu departamento. O objetivo era conseguirem uma transferência para outro hospital. As autoridades sanitárias da região de Nápoles abriram uma investigação a um caso …

Cancro do colo do útero pode ser extinto até 2100

Todos os anos, o cancro do colo do útero é a causa de morte de mais de 300 mil mulheres em todo o mundo - mas pode ser extinto até 2100. No ano passado, o diretor-geral …

Fortnite retira anúncios do YouTube para fugir aos predadores sexuais

A produtora de videojogos que criou o Fortnite, muito popular entre jovens e crianças, decidiu retirar os anúncios publicitários do YouTube por temer que estes apareçam ao lado de comentários publicados por pedófilos. A empresa norte-americana …

O alpinista sem pernas que chegou ao cume do Everest foi premiado com o "Momento do Ano"

Um alpinista chinês de 69 anos, que tem ambas as pernas amputadas, conseguiu chegar ao topo do Evereste em maio de 2018. A perseverança de Xia Boyu valeu-lhe nesta semana um prémio.  Em 1975, Xia Boyu …

Numa empresa neozelandesa só se trabalham quatro dias por semana (mas a produtividade aumentou)

Em março e abril do ano passado, uma empresa neozelandesa implementou um novo modelo laboral: trabalhar apenas quatro dias por semana. O estudo final foi publicado esta terça-feira e as conclusões mostram resultados animadores. Quase um …

Portugueses não sabem fazer queixa contra discriminação (e acham que não vale a pena)

Quase toda a gente já ouviu falar de discriminação ou crimes de ódio, mas a maioria tem dificuldade em distinguir os conceitos, desconhece o que fazer perante um caso ou a quem recorrer para fazer …

Imigrantes que entraram ilegais em Portugal terão visto desde que tenham um ano de descontos

Os imigrantes que se encontram em Portugal a trabalhar e a descontar para a Segurança Social há pelo menos 12 meses vão poder ter a autorização de residência mesmo que não tenham entrado no país …

Estudantes no Porto até aos 15 anos vão andar gratuitamente de metro e autocarro

A Câmara do Porto vai garantir passes gratuitos para residentes estudantes na cidade até aos 15 anos, complementando a medida do Governo que prevê a gratuitidade do título de transporte até aos 12 anos. O anúncio …

Ryanair e Wizz Air multadas por restrições na bagagem de mão

A autoridade da concorrência italiana aplicou nesta quinta-feira uma multa de três milhões de euros à companhia aérea Ryanair e de um milhão de euros à Wizz Air, outra low cost, pelo suplemento aplicado à …