Arqueólogo português descobriu telescópio com 6.000 anos

Fábio Silva

Arqueólogo Fábio Silva estuda há vários anos a relação entre as relação entre as antas de Portugal e a astronomia

As antas de Carregal do Sal, no vale do Mondego, funcionaram, há seis mil anos, como o primeiro telescópio da humanidade. A descoberta tem um dedo do arqueólogo português Fábio Silva, que explica ao ZAP que só conseguiu desenvolver esta pesquisa graças a uma bolsa estrangeira.

A Sociedade Britânica de Astronomia (SBA) anunciou, a 30 de Junho, que um grupo de investigadores, entre os quais Fábio Silva, está a estudar aquilo que pode ser descrito como “a primeira ferramenta de observação astronómica, potencialmente usada por humanos pré-históricos há seis mil anos”.

Muito antes de os telescópios terem sido inventados, as antas ou dólmens podem ter “aprimorado o que as culturas humanas primitivas veriam no céu nocturno”, explica a SBA em comunicado.

Na base desta descoberta arqueo-astronómica estão os trabalhos de investigação de Fábio Silva, professor na Universidade de Gales Trinity Saint David, onde lecciona a cadeira “Skyscapes, Cosmology and Archaeology” no âmbito de uma pós-graduação em Arqueo-Astronomia.

Antas alinhadas com a estrela Aldebarã

Fábio Silva

Fábio Silva já publicou vários trabalhos sobre a relação entre as antas e a astronomia, nomeadamente na revista científica Papers from the Institute of Archaeology, em 2013, e na revista portuguesa Zimbro, em 2015, onde constatava como os dolméns da zona da Serra da Estrela estão alinhados com Aldebarã, a estrela mais brilhante da constelação Taurus.

Aí assinalava como o nascer desta estrela era uma marca “temporal” para as comunidades que viviam no local, há seis mil anos, por assinalar a “altura mais propícia para estas comunidades pastoris transumantes se deslocarem para os prados altos da Serra da Estrela, onde passariam o Verão com as suas ovelhas e cabras”, explica o investigador ao ZAP.

O nascer da estrela Aldebarã era igualmente, uma marca “espacial”, já que nascia exactamente “sobre a serra que seria o destino destas comunidades”.

Sem apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia

No primeiro estudo, Fábio Silva ficou na dúvida quanto ao porquê de as antas estarem alinhadas com Aldebarã, já que não seria preciso “nenhum monumento” para “observar o nascimento da estrela”, sublinha ao ZAP, em conversa por e-mail.

Foi esta a base para prosseguir a investigação que o arqueólogo só continuou graças a uma “pequena bolsa” da National Geographic Society, que “foi mais generosa” do que a Fundação para a Ciência e Tecnologia que lhe recusou apoio, revela Fábio Silva.

Foi assim que o investigador português conseguiu estudar 100 antas por todo o país, com foco particular no norte de Portugal, constatando o alinhamento com Aldebarã em dois terços delas.

Fábio Silva

Ritos de passagem e iniciação

As pesquisas ainda não terminaram e vão continuar, nomeadamente explorando a ideia de que o alinhamento das antas com Aldebarã poderia ter como propósito “visões e rituais de teor xamânico” e “ritos de passagem e iniciação”, explica o arqueólogo ao ZAP.

Estes rituais poderiam levar os jovens a passar por “testes”, culminando numa “revelação” que lhes permitiria integrar de novo a comunidade com um estatuto diferente, de adulto.

O investigador descreve que “o rito de passagem poderia culminar na observação, de dentro da anta, do nascimento de Aldebarã. Isto poderia ser tido como “secreto” se a comunidade, que apenas pode observar o nascimento de fora da anta, não conseguisse (ainda) ver a estrela, mas apenas dias depois”.

“O jovem iniciado teria assim um conhecimento que o distinguia dos não-iniciados: que a estrela já tinha de facto nascido”, salienta Fábio Silva.

Testar em laboratório como o olho humano vê as estrelas

Esta tese vai continuar a ser explorada, juntamente com a ideia do “impacto do corredor das antas na observação do céu”, nota o arqueólogo português.

Fábio Silva explica ao ZAP que o próximo passo é “testar, em laboratório, sob que condições (iluminação de fundo, tamanho da entrada, brilho da estrela)” é que a anta permitiria “observar o nascimento de Aldebarã dias antes do resto da comunidade”.

Até agora, a pesquisa já identificou “três pontos que não tinham ainda sido considerados por anteriores cientistas” e que poderão ajudar a chegar a respostas mais conclusivas, sustenta o investigador português.

Em primeiro lugar, o facto de que “alguém que estaria dentro da anta teria o olho adaptado para a escuridão e, portanto, conseguiria ver uma fonte de luz muito menos brilhante, do que alguém fora da anta que começa a adaptar o olho para a claridade do nascer do Sol”.

Um segundo ponto evidenciado pelo investigador português é “o impacto da cor de fundo, e portanto do contraste de cores (uma vez que a Aldebarã é vermelha, e o céu em lusco-fusco é azul-escuro)”.

Finalmente, o terceiro ponto é “a forma como as diferentes células do olho reagem a diferentes intensidades luminosas”.

Em última instância, a investigação vai ajudar-nos a perceber melhor como é que o olho humano pode ver as estrelas em função da cor e da luminosidade do céu, sem o auxílio de aparelhos telescópicos.

SV, ZAP

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Tenho dúvidas que a utilização da palavra “telescópio” seja a mais apropriada neste contexto. Observatório astronómico talvez fosse mais apropriado.

  2. As antas eram cobertas (as chamadas mamoas)… Sendo assim, não estou a ver como seriam telescópios, pois palpita-me que não saberão a espessura da cobertura. Ou então não estou a ver bem…

  3. Ficamos a saber que a estrela que dá nome à Serra (Serra da Estrela) é Aldebarã. Quanto às Antas/Dolmens dificilmente seriam um Observatório Astronómico porque eram monumentos tumulares cobertos de terra. O facto de estarem alinhados com Aldebarã é que é significativo e expressa a importância dessa referência astronómica para a comunidade que aí habitou e que foi responsável por essas construções.

RESPONDER

Afinal, o universo pode ser 2 mil milhões de anos mais novo do que pensávamos

Novos cálculos sugerem que o universo pode ser dois mil milhões de anos mais novo do que aquilo que se pensava. Contudo, é difícil saber com exatidão a sua verdadeira idade. Os cientistas calculam a idade …

O maior vulcão de uma lua de Júpiter pode estar prestes a entrar em erupção

O maior vulcão de Io, uma das quatro grandes luas de Júpiter, pode estar prestes a explodir. Décadas de observação mostram um ciclo periódico nas erupções deste vulcão. De acordo com o Science Alert, o vulcão …

Crianças e adolescentes são quem mais consome açúcar em Portugal

Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), que teve por base o Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, concluiu que as crianças e os adolescentes são quem mais consome …

A Rússia já sabe como apareceu a fissura na nave Soyuz (mas não revela)

A Corporação Espacial Estatal da Rússia, Roscosmos, já sabe qual é a origem da fissura encontrada há um ano na nave Soyuz MS-09, acoplada à Estação Espacial internacional. Mas não revelará mais informações. "O buraco foi …

SIVRAC, a bicicleta elétrica que se dobra em apenas um segundo

Com um quadro em forma de "X" e dobrável num estalar de dedos, a nova SIVRAC promete ser uma solução prática para quem viaja, por exemplo, de bicicleta para o trabalho. A bicicleta é um …

Porto 2-1 Young Boys | Dragão de duas faces com estreia feliz

O FC Porto entrou na Liga Europa com o pé direito, ao vencer o Young Boys por 2-1, no Estádio do Dragão. Uma primeira parte de enorme qualidade, na qual os suíços só por uma …

Dois turistas foram apanhados a nadar nus em Veneza. Vão pagar 3 mil euros cada um

Os homens checos estavam em Itália para apoiar a sua equipa de futebol - o Slavia de Praga que jogou contra o Inter em Milão -. Os dois visitantes, em Veneza, decidiram dar um mergulho. Um …

Voar sobre as águas do Sena. Paris testa "bolha do mar", um barco-táxi amigo do ambiente

Paris está a testar um novo meio de transporte mais amigo do ambiente: um barco-táxi ecológico que desliza nas águas do rio Sena. Esta semana, o sea bubble (bolha do mar) está em testes no rio …

Há uma "Matilde" na Bélgica que também precisa do medicamento mais caro do mundo

Mais de 950 mil belgas responderam ao apelo de um casal, que precisava de reunir 1,9 milhões de euros para comprar o medicamento mais caro do mundo para a filha. Pia, de nove meses, sofre de …

System of a Down confirmados no festival VOA, no Estádio Nacional

Os System of a Down são a primeira grande confirmação do VOA - Heavy Rock Festival, que em 2020 se realiza a 2 e 3 de julho no Estádio Nacional. De acordo com a Blitz, este …