/

Argentina deu à luz em coma e acordou três meses depois

rutty / Flickr

-

A mulher, de nacionalidade argentina, sofreu uma grave lesão cerebral devido a um acidente de viação, quando estava grávida de seis meses. O feto sobreviveu e Santino nasceu na véspera de Natal. A mãe acordou no passado dia 8.

Segundo o El País, esta história com um final feliz começou no passado dia 1 de novembro, quando Amelia Bannan, grávida de seis meses, teve um estranho pressentimento.

“Não viajemos, se entrarmos nesse carro vamos capotar”, disse a polícia a uma colega horas antes de regressar ao local de trabalho. Os colegas lá a convenceram e foi então que, a meio do percurso, uma outra viatura bateu-lhes por trás, o condutor perdeu o controlo do carro e despistaram-se.

A argentina, que esta quarta-feira fez 34 anos, sofreu uma grave lesão cerebral e ficou inconsciente, mas o feto sobreviveu e, no hospital, desenvolveu-se normalmente.

No final de dezembro, Amelia abriu os olhos, moveu as mãos e, embora não fosse capaz de comunicar, começou a ter contrações. A equipa médica decidiu, na véspera de Natal, realizar uma cesariana de urgência. E Santino nasceu, com 1,890 quilos.

Porém, nos dias a seguir ao parto, os fracos sinais vitais da progenitora voltaram a apagar-se e a argentina regressou ao coma. “Era desesperante. Todos os dias falávamos com ela de coisas novas, do bebé que tinha nascido, mas não havia resposta”, explica o irmão César Bannan.

Foi então que um “segundo milagre” aconteceu. No passado dia 8 de abril, Amelia despertou do coma. “Estávamos na clínica com Norma, a minha outra irmã, e contávamos-lhe coisas e nunca tínhamos resposta, até que ouvi um ‘sim’. ‘Amelia, estás a ouvir?’, perguntei-lhe. E voltou a dizer que sim. Foi uma emoção, fiquei sem palavras”.

De acordo com o seu fisioterapeuta, Roberto Gisin, a paciente está a melhorar com rapidez. “Primeiro só dizia sim e não, agora já responde a perguntas”, explica. Se não houver contratempos, o médico acredita que poderá andar dentro de poucos meses, não esquecendo nunca que continua a ser uma “paciente de risco”.

Por sua vez, o bebé “está a crescer bem e não tem complicações em nada. É um guerreiro total”, conta o tio ao jornal.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE