Reduzir o uso de ar condicionado pode ajudar a salvar vidas

Há muitas pessoas a precisar da ajuda preciosa do ar condicionado para sobreviver a temperaturas cada vez mais altas. Contudo, aquele que pensamos ser o nosso maior aliado pode ser, na verdade, o nosso pior inimigo.

Anualmente, nos Estados Unidos, morrem cerca de 100 mil pessoas vítimas de doenças cardíacas causadas ou exacerbadas pela poluição do ar. Um estudo recente, da Universidade de Wisconsin-Madison, refere que quase 500 dessas mortes poderiam ter sido evitadas se o ar condicionado tivesse sido controlado durante os três meses mais quentes do ano.

Esta conclusão sustenta a teoria de que o uso de menos combustíveis fósseis protege a nossa saúde. “Centenas de mortes poderiam ter sido evitadas apenas com medidas de eficiência”, resume Vijay Limaye, cientista do Centro de Ciências do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais, que analisou o relatório.

Através de modelos computacionais, a equipa de cientistas simulou como uma redução de 12% na procura de eletricidade nos meses de verão afetaria a queima de combustíveis fósseis. Através desta experiência, os investigadores descobriram que os níveis de óxido de nitrogénio diminuíram em 13%, o dióxido de enxofre em 12% e o dióxido de carbono em 11% a cada ano.

Ao todo, os cientistas estimaram que cerca de 475 mortes poderiam ter sido evitadas a cada ano.

Os impactos de reduzir o uso de energia em 12% durante os três meses mais quentes do ano poderiam ser muito mais amplos com a eliminação completa das fábricas movidas a combustíveis fósseis, por exemplo.

“Atualmente, estamos presos neste ciclo vicioso de dependência de combustíveis fósseis para cerca de 60% da nossa eletricidade. Quando usamos o ar condicionado, para salvar vidas em situações de calor extremo, estamos, porém, a contribuir para o problema subjacente das alterações climáticas“, esclarece Limaye, citado pelo Fast Company.

Este e outros estudos devem abrir o caminho para uma mudança acelerada das nossas fontes de combustíveis fósseis. “Mudar para fontes renováveis permite-nos tirar proveito de um arrefecimento eficiente e sem efeitos colaterais.”

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Reduzir o uso do aparelho de ar condicionado reduz a produção de eletricidade e essas coisas todas. É verdade! Mas então, em vez de escreverem um artigo tão tendencioso, porque não generalizar? Se usarmos menos o computador (este em que eu estou a escrever e esses em que estão a ler) reduz a produção de eletricidade. Se reduzirmos a luz acesa, se reduzirmos o uso do rádio e da televisão, o uso dos telemóveis, o uso do frigorífico e das máquinas de lavar, da torradeira, do fogão elétrico e do forno, e por aí fora reduzimos tudo isso que o artigo refere. Não será?

    Uma sugestão: Não percam tempo a escrever artigos tendenciosos e parciais, gastem menos eletricidade de que os computadores necessitam para trabalhar. Portanto, poupem energia, não escrevam artigos disparatados que de nada servem e nada trazem de positivo.

    • Caro leitor,
      Da mesma forma que um passarinho não come o mesmo que um elefante, uma torradeira ou um computador não gastam o mesmo que um ar condicionado.
      Mas apesar disso, o ZAP, que não tem nada contra o ar condicionado, as torradeiras ou os frigoríficos, dá sempre notícia de todas as invenções infernais com que o Homem está a arruinar o planeta para que o seu cantinho pessoal tenha melhor qualidade.
      Por exemplo, damos de vez em quando a notícia de mais um país que já gasta menos energia que os computadores da cadeia bitcoin, mas não temos nada contra as bitcoins. Escrevemos sobre bitcoins, umas vezes bem, outras mal.
      Não temos mesmo nada especificamente contra os computadores, mesmo quando são usados para escrever comentários que consideramos injustos. Até esses, os agradecemos.
      Porque os nossos leitores têm o direito de gastar o seu tempo e os seus recursos a escrever o que quiserem e lhes apetecer.
      Só não têm o direito de nos dizer como devemos gastar os nossos, nem que notícias devemos escrever – ou não escrever.

      • ZAP, aceitando que tem todo o direito a dar uma resposta ao leitor, não me parece que o modo como o quem a escreveu o fez seja o modo mais adequado para um meio noticioso. Não coloco em causa a justiça da resposta ou o direito a ela, mas antes a forma como é dada/escrita.
        Acrescento ainda que, tratando-se de um meio noticioso português (de Portugal) a palavra “demanda”, escrita no artigo, me pareça um pouco “brasileirismo” (português do brasil).
        Continuação de bom trabalho e de boa semana.

        • Caro Marco,
          Somos por norma muito corteses com todos os nossos leitores, nomeadamente os que nos ajudam com as suas críticas.
          Mas traçamos uma linha vermelha no que diz respeito às nossas escolhas editoriais, e não nos sentimos inclinados a ser simpáticos com quem acha que pode dizer-nos o que devemos ou não escrever.
          “Demanda” é uma bonita palavra, bem portuguesa, com vários significados em pt_PT correcto, mas no contexto desta notícia a palavra mais correcta é “procura”. Obrigado pelo seu reparo, está corrigido.

          • Zap, agradeço a vossa resposta e o esclarecimento sobre a etimologia da palavra “demanda”. Efectivamente é uma palavra bem portuguesa sim, apenas, e aí concordamos ambos, o contexto pede a palavra “procura”.
            Quanto ao teor da resposta ao leitor, aceito os vossos argumentos, os quais entendo, mas mantenho a minha opinião de que existem outras formas de se responder, igualmente incisivas e menos “ruidosas”. Digo-o em vossa própria “defesa” e não como intromissão.
            No meu caso, sempre que puder, contribuirei de forma construtiva.
            Votos de bom trabalho a toda a equipa.

    • Tem razão no que diz. Se diminuirmos o uso de todos esses aparelhos estamos a contribuir para a redução da poluição e dos recursos naturais. Mas este artigo não deixa de ser relevante porque o uso do ar condicionado é muito mais grave para o planeta; não só consome muito mais energia do que todos esses aparelhos juntos como também liberta gases muito mais tóxicos para a atmosfera.

    • Só uma nota. Sugere a dada altura “…se reduzirmos o uso do rádio e da televisão, o uso dos telemóveis…” bem… neste caso poderíamos ter aqui a solução para o problema de natalidade e do envelhecimento populacional.

  2. O problema do ar condicionado não é apenas o consumo elevado de energia mas também a qualidade do ar emitido pelos mesmos. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que a qualidade do ar de lugares fechados pode ser até 5 vezes pior do que o ar externo. A falta de manutenção regular destes aparelhos agrava ainda mais este problema.

Responder a @at Cancelar resposta

Cientistas podem ter descoberto por que Beethoven ficou surdo

Ludwig van Beethoven começou a notar dificuldades de audição em 1798, com 28 anos. Com 44 ou 45, estava totalmente surdo. Aos 56 anos, o músico morreu e, até hoje, ainda não se sabe …

Tochas em Alvalade. Liga pede reunião de urgência ao MAI

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) solicitou, esta sexta-feira, uma reunião de urgência ao ministro da Administração Interna, na sequência dos incidentes no encontro entre Sporting e Benfica. "A Liga Portugal lamenta profundamente …

Moody’s mantém rating de Portugal acima do "lixo"

A agência de rating norte-americana manteve, esta sexta-feira, a notação financeira de Portugal em “Baa3”, acima de lixo, e a perspetiva em positiva. De acordo com um comunicado no site da agência, a Moody's assinala que …

Suspeitos da morte de jovem cabo-verdiano ficam em prisão preventiva

Os cinco suspeitos da morte do estudante cabo-verdiano vão aguardar julgamento em prisão preventiva, indiciados pelos crimes de homicídio qualificado e três tentativas de homicídio. A decisão, lida aos jornalistas cerca das 23h30 de sexta-feira por …

Cientistas descobriram o ponto fraco dos tardígrados

Os tardígrados, também chamados ursos de água, são conhecidos pela sua resistência. Mas um novo estudo revela agora que estes pequenos organismos também têm um ponto fraco: exposição de longo prazo a altas temperaturas. Em 2018, …

Detetadas "partículas fantasmagóricas" que o Modelo Padrão não pode explicar

O observatório IceCube, localizado no Pólo Sul, revelou que a Antena Antena Antártida de Impulso Transitivo (ANITA) detetou alguns "sinais muito estranhos" que "não pode ser explicados" pelo Modelo Padrão da Física. O projeto ANITA, …

Descoberto primeiro asteróide que se move apenas dentro da órbita de Vénus

Uma rede de telescópios robóticos operados à distância observou um asteróide que, além de ser o asteróide mais próximo do Sol, é também o primeiro asteróide descoberto que se move completamente dentro da órbita de …

Mark Zuckerberg tem medo do TikTok (e já se sabe porquê)

Mark Zuckerberg já deixou claro, mais do que uma vez, que não gosta do TikTok. No entanto, agora sabemos o que está por trás desta hostilidade pelo rival: a aplicação está a crescer muito, mesmo …

A empresa mãe da Google já vale um bilião de dólares

Esta quinta-feira, a Alphabet, empresa mãe da Google, conseguiu uma cotação na bolsa de 1 bilião de dólares, cerca de 900 mil milhões de euros. A Alphabet tornou-se, esta quinta-feira, a quarta empresa norte-americana a conseguir …

Cientistas criam "cimento vivo" capaz de se "curar"

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos criou um "cimento vivo" juntando areia e bactérias num material de construção capaz de se auto-reproduzir, de absorver dióxido de carbono e manter a resistência. "Já usamos materiais biológicos …