Aprovada a lista de reformas propostas pela Grécia

EU Council Eurozone / Flickr

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem,

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem,

O Eurogrupo aprovou esta terça-feira, numa reunião por teleconferência, a extensão do programa de assistência à Grécia por quatro meses.

A decisão, anunciada no Twitter pelo comissário europeu para o Euro, Valdis Dombrovskis, foi tomada na sequência da aceitação do programa de reformas enviado pelo Governo de Alexis Tsipras.

Com esta decisão formal do Eurogrupo, liderado por Jeroen Dijsselbloem, podem iniciar-se as formalidades exigidas em Estados-membros como a Alemanha, onde a decisão tem que ser ratificada pelo Parlamento.

Na sexta-feira passada, numa reunião extraordinária dos ministros das Finanças da zona euro, tinha sido já negociada a aprovação da extensão por quatro meses do programa de ajuda externa à Grécia, faltando apenas a aceitação das propostas a apresentar por Atenas, o que aconteceu hoje.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) também já aprovou as medidas apresentadas pelo Governo grego, considerando que “cobrem os tópicos” relevantes, embora tenha destacado que a lista “não é muito específica”.

Numa carta enviada hoje pela diretora-geral do FMI ao presidente do Eurogrupo, Christine Lagarde afirmou que a lista elaborada pelas autoridades gregas no fim de semana como contrapartida para a extensão por quatro meses do programa de financiamento “cobre os tópicos que devem estar na agenda do novo Governo”.

“Por isso, estamos claramente em condições de apoiar a conclusão de que a lista ‘é suficientemente ampla para ser um ponto de partida válido para a conclusão bem sucedida da revisão’, como pedido pelo Eurogrupo na última reunião”, escreve a Lagarde na missiva dirigida a Jeroen Dijsselbloem.

Também Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu (BCE), afirmou numa carta hoje enviada ao presidente do Eurogrupo que o documento entregue por Atenas, numa primeira leitura, “cobre um vasto leque de áreas de reforma”, pelo que “é suficientemente abrangente para ser um ponto de partida válido para a conclusão bem sucedida da revisão”.

Na missiva endereçada a Jeroen Dijsselbloem, Dragui acrescenta que o tempo disponível para apreciar a proposta foi insuficiente para uma análise das propostas concretas e dos compromissos do Governo grego no que respeita ao crescimento, às finanças públicas e à estabilidade financeira.

No entanto, o responsável máximo do BCE sublinha que as bases para a conclusão da atual revisão e de futuros compromissos são “o atual Memorando de Entendimento e o Memorando de Políticas Económicas e Financeiras”, chamando a atenção para o facto das medidas propostas agora por Atenas serem “diferentes do atual programa de compromissos em várias áreas”.

“Nesses casos, vamos ter de analisar, durante a revisão, quais são as medidas que não são aceites pelas autoridades e que são substituídas por medidas de igual ou melhor qualidade, para que se atinjam os objetivos do programa”, avisa Mario Draghi.

Grécia promete modernizar sistema fiscal e não recuar nas privatizações feitas

A linhas principais da lista de reformas enviada por Atenas aos parceiros da zona euro, tendo em vista um prolongamento da assistência financeira por mais quatro meses, passam por modernizar o sistema fiscal e a administração pública, a reformar a segurança social, a lutar contra a corrupção e a não reverter nenhuma privatização que tenha sido feita.

A lista tem seis páginas e inclui basicamente todos os projetos que o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou no programa de governo, mas sem se alongar sobre os projetos de combate à crise social.

O primeiro capítulo é dedicado às políticas fiscais, aborda propostas como o aperfeiçoamento da coleta de impostos, que tem revelado muitas falhas e aponta como alvo grandes fortunas.

O documento prevê o reforço, tanto em recursos humanos como em equipamento, dos organismos que lutam contra a evasão fiscal.

A lista também anuncia um maior controlo e contenção de gastos em todas as áreas da administração pública, assim como a melhoria da sua eficiência, por exemplo, em educação, defesa, transportes, poder local ou prestações sociais.

O controlo de gastos também abrange a saúde pública, mas mantém-se o princípio de acesso universal à saúde.

O governo grego diz que vai contar com o aconselhamento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Em matéria de segurança social, Atenas procurará consolidar os fundos de pensões, com o objetivo de conseguir que haja poupança, com incentivos aos trabalhadores para se manterem no ativo durante mais tempo, num país onde o recurso à reforma antecipada é frequente.

Entre as prioridades que já tinham sido anunciadas anteriormente estão a luta contra o contrabando de tabaco e gasolina, a redução do número de ministérios, dos assessores ministeriais e dos extras de ministros e deputados.

O segundo capítulo fala da estabilidade financeira e a Grécia compromete-se a mudar a legislação para alcançar maior eficiência no pagamento de impostos e de dívidas à segurança social.

O governo promete também “apoiar as famílias mais vulneráveis, incapazes de pagar as suas hipotecas”.

O terceiro capítulo é dedicado às privatizações e gestão de ativos públicos, às reformas no mercado laboral, à redução da burocracia e à reforma do sistema judicial.

Quanto às privatizações, o governo assume o compromisso de não recuar nas que já estejam concluídas, mas pode rever e travar as que estejam por fazer se considerar que o Estado pode obter benefícios a longo prazo com determinados ativos.

Em relação ao mercado laboral, o governo manifesta a intenção de recuperar as convenções coletivas e expandir as possibilidades de oferta de empregos temporários para desempregados de longa duração.

Também é reiterada a ambição de aumentar o salário mínimo, mas isso será feito em “consulta com os parceiros sociais e as instituições europeias e internacionais”. O montante pretendido de 751 euros e a data de 2016 não figuram explicitamente no texto.

Para combater a crise, o governo apresenta as linhas gerais de um plano que a proporcionar aos mais pobres “acesso à alimentação, habitação, serviços de saúde e fornecimento de energia“, apontando como exemplo cupões para alimentos.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …

Dormir bem antes de tomar a vacina da gripe pode ajudar a aumentar a sua eficácia

Segundo os especialistas, uma boa noite de sono pode mesmo ajudar a aumentar a eficácia da vacina da gripe, que neste ano ganha particular relevância em plena pandemia de covid-19. De acordo com Matthew Walker, autor …

Há um petroleiro abandonado há mais de uma década nas Caraíbas (e é uma "bomba-relógio")

Um navio de armazenamento de petróleo venezuelano está ancorado no Golfo de Paria, um trecho de mar fechado entre a Venezuela e a ilha de Trinidad, há mais de uma década. Antes de os Estados Unidos …

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …