“Apocalipse dos insetos”. Novos dados associam queda de população a barragens

A população de insetos está em declínio, naquilo a que chamam de “Apocalipse dos insetos”. Um novo estudo associa este problema às barragens.

Os insetos são o grupo de animais mais numeroso do planeta. Existem cerca de 5,5 milhões de espécies, 80% das quais ainda não foram descobertas. Ainda assim, os insetos estão a sofrer declínios acentuados e generalizados em todo o mundo: uma “morte por mil cortes” por causa da atividade humana.

Os insetos desempenham quase todas as funções imagináveis num ecossistema, incluindo a polinização de plantações, mantendo as pragas sob controlo e agindo como alimento para outros animais. As consequências potenciais do seu declínio são tão terríveis que há quem o apelide de “Apocalipse dos insetos”.

Apesar das regiões tropicais e subtropicais abrigarem cerca de 85% dos insetos da Terra, o que está a acontecer nessas regiões é muito pouco estudado.

Um novo estudo apresenta um dos conjuntos de dados mais abrangentes sobre insetos de água doce subtropicais, abrangendo 20 anos. O que os investigadores descobriram foram declínios generalizados no número de insetos em todos os grupos aquáticos examinados, incluindo mosquitos, efeméridas e libelinhas.

Os resultados do estudo foram publicados este mês na revista científica Biology Letters.

Declínios ocorreram em canais, lagos, rios e remansos num dos maiores sistemas de água doce da América do Sul, a planície de inundação do rio Paraná. Paralelamente, descobriu-se que o número de peixes invasores aumentou e a química da água tornou-se mais desequilibrada — alterações ambientais todas associadas à construção de barragens.

Há mais de 130 barragens ao longo do Paraná e seus afluentes. A mais significativa é Itaipu, a segunda maior hidroelétrica do mundo. Situado no Brasil e no Paraguai, o seu reservatório é tão grande que submergiu uma das maiores cascatas da Terra, as Cataratas do Guaíra, ao encher.

A remoção desta barreira geográfica natural entre o Baixo e o Alto Rio Paraná tem levado a invasões em massa de peixes: muitos deles predadores de insetos.

Ao mesmo tempo, as barragens bloqueiam o fluxo de sedimentos e nutrientes, desregulando a química da água e tornando-a mais transparente. A maioria dos insetos aquáticos é escura para se camuflar em águas turvas. O aumento da transparência da água enfraqueceu a sua capacidade de se esconder, tornando-os ainda mais vulneráveis a serem comidos pelos peixes invasores.

Cerca de 70% da eletricidade do Brasil vem de energia hidroelétrica, e barragens hidroelétricas serão essenciais para travar o recurso a combustíveis fósseis. No entanto, podem ter graves impactos ambientais e sociais.

O novo estudo mostra que as consequências negativas das barragens podem ocorrer muito depois de as florestas serem inundadas e as comunidades locais deslocadas.

PARTILHAR

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …