Boeing deixa antigo líder executivo despedido sem indemnização

Deni Komarudin / Flickr

Dennis Muilenburg, diretor executivo da Boeing

A Boeing anunciou que o seu antigo presidente executivo Dennis Muilenburg, despedido a 23 de dezembro, não vai receber indemnização.

O antigo presidente executivo da Boeing, despedido em 23 de dezembro por uma gestão considerada catastrófica da crise do avião 737 MAX, não vai receber uma indemnização pela sua saída.

Dennis Muilenburg, que assumiu as suas funções em julho de 2015, também não receberá o bónus de desempenho correspondente ao ano de 2019, precisou o construtor aeronáutico num documento enviado à SEC, o supervisor norte-americano da Bolsa.

Ainda assim, irá manter prémios e ações que já haviam sido adquiridos, juntamente com a sua pensão e pagamento diferido – totalizando 80,7 milhões de dólares (72,6 milhões de euros), segundo cálculos da Bloomberg, citados pelo Fortune. Ainda assim, a perda de alguns prémios e da indemnização é um forte sinal de que o conselho de administração perdeu a confiança em Muilenburg.

Muilenburg foi substituído por David Calhoun, mas o modelo MAX permanece em terra desde meados de março de 2019, após dois acidentes que provocaram 346 mortos. Em simultâneo, a Administração Federal de Aviação (FAA), anunciou que vai multar a Boeing em 5,4 milhões de dólares (4,8 milhões de euros) por instalarem componentes inadequados nas asas de alguns dos seus 737 MAX.

Esta penalização segue-se ao anúncio da FAA em dezembro de que iria multar a Boeing em mais de 3,9 milhões de dólares (3,5 milhões de euros) por instalar as mesmas componentes em outras versões do 737.

Antes do anúncio destas decisões, a Boeing disponibilizou ao Congresso dos Estados Unidos mensagens de texto em que os seus funcionários descredibilizam o processo de certificação do modelo 737 MAX e denigrem o regulador de aviação norte-americano.

Nas mensagens, consultadas pela agência noticiosa AFP, os pilotos dão conta de falhas nos simuladores do aparelho, na origem de dois acidentes em 2018 e 2019. “Este avião é desenhado por palhaços, que por sua vez são supervisionados por macacos”, lê-se numa mensagem datada de 2017, numa aparente referência à FAA.

Noutra mensagem, um funcionário admite a um colega que não deixaria a família voar numa aeronave 737 Max. “Ainda não fui perdoado por Deus pelo que escondi no ano passado”, escreveu ainda outro funcionário, numa mensagem datada de 2018.

Estas mensagens, consultadas pela AFP, foram disponibilizadas por congressistas norte-americanos que estão a investigar o processo de certificação do 737 MAX, na origem de dois trágicos acidentes, na Indonésia (2018) e na Etiópia (2019), em menos de cinco meses, que provocaram 346 mortos e mergulharam a Boeing na mais grave crise da sua história.

“Algumas destas comunicações dizem respeito ao desenvolvimento e qualificação dos simuladores Boeing 737 MAX, em 2017 e 2018”, esclareceu a Boeing, acrescentando que disponibilizou as mensagens em nome da “transparência”.

A Boeing corre agora o risco de ver pioradas as já tensas relações com a FAA. “Estas comunicações não refletem a empresa que somos e que precisamos de ser, e são completamente inaceitáveis”, disse a Boeing em comunicado.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Campanha internacional quer salvar leões subnutridos em parque no Sudão

Várias fotografias de leões subnutridos no zoo de Al-Qureshi, no Sudão, atraíram a atenção de milhares de pessoas, que tentam agora salvar os animais. O fotógrafo Ashraf Shazly encontrou cinco leões malnutridos, enjaulados e sem …

Joacine Katar Moreira defende mais direitos para deputados não inscritos em partidos

A deputada única do Livre, Joacine Katar Moreira, defendeu nesta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos, durante uma reunião do grupo de trabalho para racionalizar os votos objecto de …

Nova universidade internacional de Soros pretende combater populismo e alterações climáticas

O filantropo multimilionário George Soros vai investir mil milhões de dólares (cerca de 904 milhões de euros) numa universidade internacional que terá como foco a oposição a governos autoritários e às alterações climáticas. Segundo avançou o …

"O índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual a nós", diz Bolsonaro

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse, durante um vídeo em direto em que comentava a criação do Conselho da Amazónia, que "o índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual …

Jorge Brito Pereira deixa de ser advogado de Isabel dos Santos

O advogado anunciou, esta sexta-feira, que saiu da sociedade de advogados Uría Menéndez Proença de Carvalho, suspendeu a atividade profissional e, como consequência, vai cessar "o patrocínio jurídico" à empresária angolana. "Face às informações publicadas nos …

621 milhões de euros. Ministra reconhece que redução do défice no SNS ficou aquém

A ministra da Saúde reconheceu, esta sexta-feira, que a redução do défice do SNS em 2019 para 621 milhões ficou aquém do que estava previsto, sublinhando o aumento dos custos com pessoal. A ministra da Saúde, …

Governo prevê descontos nas portagens no interior

A ministra da Coesão Territorial disse esta sexta-feira que o novo modelo de desconto das portagens para o interior do país prevê descontos para quem vive, para quem trabalha e para quem visita no …

Excesso de higiene está a tornar a nossa saúde mais frágil, aponta estudo

Um grupo de investigação do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) divulgou recentemente um estudo sobre a perda de diversidade da flora intestinal - também denominada como microbiota - e as consequências desta diminuição na nossa …

Tiroteio na Alemanha faz pelo menos seis mortos e vários feridos

Pelo menos seis pessoas morreram e várias ficaram feridas num tiroteio, esta sexta-feira, na cidade alemã de Rot am See. Um tiroteio, cujo presumível autor foi detido, fez hoje seis mortos e dois feridos graves em …

IKEA aumenta salário de entrada dos trabalhadores para 700 euros

A IKEA aumentou o salário de entrada para trabalhadores a tempo inteiro de 650 euros para 700 euros brutos mensais, acima do salário mínimo nacional (635 euros), anunciou hoje a cadeia de venda de mobiliário. Em …