Antigo inspetor-geral do trabalho acusado pelo Ministério Público de abuso de poder

Pedro Pimenta Braz, demitido em janeiro pelo Governo, é acusado pelo Ministério Público dos crimes de abuso de poder e violação do dever de sigilo.

O antigo responsável da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) é acusado pelo Ministério Público dos crimes de abuso de poder e violação do dever de sigilo, depois de ter divulgado dados pessoais, de saúde e familiares de uma inspetora e de ter sido afastado do cargo pelo Governo.

Segundo a TSF, na acusação, que resulta da queixa da trabalhadora da ACT, o Ministério Público arquiva a denúncia do crime de devassa da vida privada, mas aponta ao ex-líder da ACT os crimes de abuso de poder, que tem uma pena de prisão que pode ir até três anos, e de violação do dever de sigilo, cuja pena pode chegar também a três anos.

Em causa está o facto de Pedro Pimenta Braz ter encaminhado para todo os inspetores da ACT todo o processo que acabou com a transferência da funcionária para outra região do país.

O documento detalhava ao pormenor as razões das faltas dadas, dados sobre o seu estado de saúde, a forma como esta acompanhava o filho e os custos e quilómetros percorridos pela inspetora para ir trabalhar diariamente.

O objetivo do inspetor-geral era mostrar aos colegas que não tinha sido ele a aprovar a mudança e que esta só acabou por ser autorizada após uma reavaliação do secretário de Estado que tutela a ACT.

No entanto, o Ministério Público considerou que a decisão, encaminhada por email para os dirigentes e outros inspetores, tinha uma conjunto de factos “da vida pessoal, em particular dos problemas de saúde e situação familiar”, que levou a inspetora a sentir-se “humilhada e devassada perante os colegas, o que lhe causou grande tristeza e angústia”.

Pedro Pimenta Braz sabia que estava sujeito a sigilo profissional, diz o Ministério Público, e que “a sua conduta era proibida e punida por lei“, atuando “de forma livre, deliberada e consciente, apesar de bem saber que dava a conhecer”, sem o conhecimento da vítima, uma série de dados e da sua vida privada.

O caso remonta ao verão de 2017, quando a inspetora da ACT apresentou um pedido de mobilidade, alegando motivos de saúde e familiares. Pedro Pimenta Braz recusou o pedido e a trabalhadora interpôs um recurso hierárquico ao secretário de Estado do Emprego a pedir a revogação da decisão.

Por sua vez, o secretário de Estado revogou a decisão e deu luz verde à transferência. Ao tomar conhecimento do despacho do secretário de Estado, Pimenta Braz mandou-o divulgar, juntamente com o processo de recurso hierárquico, que continha factos detalhados ao pormenor.

Pimenta Braz divulgou com a indicação de que deveriam “dar conhecimento de todo este processo a todos os colegas das suas respetivas unidades orgânicas”. Este procedimento levou à abertura de um processo disciplinar ao responsável máximo da ACT. Na sequência deste processo, o Governo demitiu-o.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a atirar rochas vulcânicas para telhados (para provar que são perigosas)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Canterbury está a lançar rochas vulcânicas para telhados na Nova Zelândia na esperança de ajudar os habitantes de Auckland a entender os perigos vulcânicos. "Auckland localiza-se num campo vulcânico …

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve nos mapas durante um século

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve durante 100 anos em muito dos principais mapas do continente africano. Acabaria por ser um militar francês, que explorou o rio Níger, a acabar com este "fantasma da …

"Continua a pairar perigosamente". Relógio do Juízo final mantém-se a 100 segundos do Apocalipse

A Humanidade nunca esteve tão perto do Apocalipse, alertam os cientistas responsáveis pelo "Relógio do Juízo Final", que decidiram mantê-lo na mesma posição do ano passado, a 100 segundos da meia-noite. O relógio, que é uma …

A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu …

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …