Ex-Comandante Nacional desviou meios do grande incêndio de Mação

A fita do tempo veio confirmar as suspeitas que o presidente da câmara de Mação, Vasco Estrela, que falava num desvio de meios e equipas no primeiro incêndio que tomou conta do concelho.

No início de setembro, o autarca de Mação, concelho que foi fustigado por dois fogos durante o verão, tinha acusado o então comandante da Proteção Civil, Rui Esteves, de má gestão dos incêndios.

Vasco Estrela criticava o número 1 da Proteção Civil, que entretanto se demitiu depois de ter sido alvo de um inquérito à licenciatura, acusando-o de ter desviado meios e equipas de Grupos de Intervenção Permanente (GIP) da GNR para outros concelhos, deixando críticas ao teatro de operações.

O presidente da Câmara de Mação uniu-se ao deputado do PSD, Duarte Marques, e ambos garantiam avançar com uma queixa à Inspeção-Geral da Administração Interna. “Vou aguardar pelas respostas da ministra e, depois de ter as respostas na mão, vou preparar uma queixa à IGAI, para que se apure o que se passou e se apurem as responsabilidades do responsável máximo pela coordenação dos meios, o comandante nacional”.

Agora, depois de Vasco Estrela ter recebido a fita do tempo, que lhe foi encaminhada pelo Ministério da Administração Interna, comprovou-se que Rui Esteves desviou meios do grande incêndio que, em julho, devastou o concelho de Mação, contrariando o comandante distrital que alertava para a gravidade das chamas, avança a TSF.

O documento é claro ao dizer que o Grupo de Reforço para Incêndios Florestais vindo de Aveiro foi retirado do teatro de operações por ordem do então Comandante Operacional Nacional (CONAC) da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Vasco Estrela contesta a decisão e diz não fazer qualquer sentido alguém a 200 quilómetros do local do incêndio contrariar a decisão do comandante distrital que se encontrava no terreno, lembrando ainda que foi a partir dessa decisão que o fogo se tornou incontrolável, acabando por lavrar 18 mil hectares e destruir 15 casas de primeira habitação, atingindo 50 localidades e obrigando a evacuar 200 pessoas.

Será que existiram outros casos do género pelo país?“, questiona agora Vasco Estrela, que depois de receber a fita do tempo já enviou uma queixa à Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) para investigar o que se passou em Mação e o comportamento da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Quanto às razões pelas quais Rui Esteves terá procedido dessa forma, o autarca especula que, podendo não ter nada a ver com o caso, Rui Esteves já tinha sido comandante distrital em Castelo Branco, exatamente o distrito onde aconteciam os fogos e para onde foram mobilizados os meios retirados de Mação.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Quem é responsável? Quem deu a ordem. Enquanto as pessoas que estão nos cargos não forem responsabilizadas (e não o Estado) não vamos a lado nenhum. Porque numa empresa se um funcionários falhar normalmente quem paga é o funcionário á empresa, mas neste país dos BANANAS dos Portugueses nada acontece a quem comete falhas e mais falhas… Não é o contribuinte que deve pagar mas sim quem devia de trabalhar c/ competência e não o faz…

    • Sr nfcm, uma correção no seu comentário, quando existem falhas cometida por funcionários de uma determinada empresa, quem fica com o prejuízo é a empresa, nunca vi o funcionário a pagar à empresa pelos próprios erros, mas já vi várias vezes as empresas indemnizarem os funcionários após as falhas dos mesmos, para com eles próprios.

  2. Porque não se faz já uma queixa ao Ministério Publico para investigar se existe crime na actuação daquele Sócrates à moda saloia?
    Para quê fazer uma inspecção para depois se decidir que não senhora, ele decidiu como achava q tinha q decidir ????

    • O incêndio de Mação era mais importante que os outros? Ou quando os meios são escassos tem de se dividir o mal pelas aldeias? Pois eu ouvi, na televisão, o Sr Presidente da Mação dizer que o concelho dele era dos que estava melhor preparado para não ter incêndios, pois tinham investido muito na protecção da floresta, Afinal parece que foi tudo propaganda, estava como estavam os outros. E depois queria os meios todos para ele e os outros que se lixa………..

        • mv e Rui Esteves, vocês não percebem puto como funciona a gestão de um grande incêndio. Não fazem ideia como é retirar um GRIF de um incêndio para outro numa situação complicada como a de Mação. Só um incompetente faria tal coisa. São opções que um individuo sentado na sua poltrona a 300km, com ar condicionado, cafézinhos e todas as mordomias que a ANPC tem, e depois é isto que se vê. As nomeações politicas deste tipo de individuos para cargos de grande resposabilidade em que a experiencia é fundamental têm que acabar, porque vão para lá os compadres que por norma são os menos competentes para ocupa-los, e os burros somos nós srs cm e rui esteves?

RESPONDER

Banco BiG: EUA e China vão chegar a acordo, mas não será duradouro

No "Outlook" para 2020, os analistas do banco BiG defendem que será improvável que Estados Unidos e China cheguem a um consenso suficiente para reverter as taxas aduaneiras impostas. De acordo com os analistas do banco …

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …

Não se irrite. Fisco vai comunicar de forma mais clara

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai lançar um serviço de apoio e defesa ao contribuinte que usará uma linguagem mais simples e clara. A alteração é inspirada num modelo britânico. A Autoridade Tributária e Aduaneira vai …

Juiz Rui Rangel justificou ganhos com direitos de autor de programa televisivo

O juiz afirmou, perante o plenário do Conselho Superior da Magistratura, que os ganhos fora da magistratura correspondiam a direitos de autor de um programa na televisão. O juiz Rui Rangel, que foi demitido da magistratura esta …

Governo faz ultimato: empresas têm 30 dias para regularizar fundos europeus parados (ou devolver dinheiro)

O Governo vai dar 30 dias para que as empresas que têm fundos comunitários parados regularizem a situação. Findo esse período, terão de devolver o dinheiro. José Mendes, secretário de Estado do Planeamento, garantiu, em entrevista …