Este ancestral evoluiu para lidar com uma alteração climática (mas não resistiu)

(dr) Jesse Martin e David Strait

O crânio do Paranthropus robustus identificado como DNH 155

A descoberta de um crânio com dois milhões de anos numa caverna sul-africana está a mudar o que os cientistas pensavam saber sobre um dos ancestrais primitivos da Humanidade.

O Paranthropus robustus, assim batizado por causa da sua aparência robusta, surgiu há cerca de dois milhões de anos, na África do Sul. Mas, pelos vistos, nem todos os indivíduos deste nosso ancestral eram igualmente robustos.

De acordo com o site Science Alert, uma equipa de cientistas chegou a esta conclusão depois de ter analisado o espécime DNH 155, descoberto, em 2018, no sistema de cavernas Drimolen, a noroeste de Joanesburgo.

Este espécime, macho, é significativamente mais pequeno do que outros P. robustus do mesmo género, que foram recuperados de um local próximo chamado Swartkrans. Na verdade, a estatura do DNH 155 assemelha-se mais à de um espécime feminino, conhecido como DNH 7, também encontrado em Drimolen.

“Drimolen antecede Swartkrans em cerca de 200 mil anos, portanto, acreditamos que o P. robustus evoluiu ao longo do tempo, com o primeiro local a representar uma população inicial e o segundo uma posterior, uma população mais derivada anatomicamente”, explica Jesse Martin, candidato ao doutoramento em Paleociência da Universidade La Trobe, na Austrália, e co-autor deste estudo.

No artigo publicado, a 9 de novembro, na revista científica Nature Ecology & Evolution, Martin e a restante equipa afirmam que o DNH 155 e o DNH 7 fornecem um vislumbre de um estado primitivo deste ancestral antes das mudanças microevolucionárias, ao longo dos 200 milénios seguintes, que encorajaram as adaptações vistas nos espécimes de Swartkrans.

Segundo os investigadores, um dos principais fatores que poderia ter ocasionado tal evento foi uma alteração climática que afetou a paisagem sul-africana, há cerca de dois milhões de anos, na qual o ambiente se tornou mais aberto, seco e frio.

Essas mudanças teriam deixado a sua marca em muitas coisas, nomeadamente nos tipos de alimentos disponíveis, que obrigavam a uma mordida e a uma mastigação mais resistente – e que não teriam sido tão fáceis para o DNH 155 e o DNH 7.

No entanto, apesar das adaptações que mudaram lentamente o corpo do P. robustus, isso não foi suficiente. A espécie acabou por ser extinta e, mais ou menos na mesma altura, surgia o nosso ancestral direto, o Homo erectus.

“O P. robustus tinha dentes grandes e um cérebro pequeno, enquanto o H. erectus tinha um cérebro grande e dentes pequenos”, afirma Angeline Leece, arqueóloga da mesma universidade australiana e a outra co-autora do estudo.

Segundo a BBC, os cientistas consideram que o ambiente mais húmido causado pela mudança climática também pode ter reduzido a quantidade de alimento disponível. Por isso, o Homo erectus, com os seus dentes mais pequenos, tinha mais facilidade em comer tanto plantas como carne.

“Embora sejamos a linhagem que venceu no final, há dois milhões de anos, o registo fóssil sugere que o Paranthropus robustus era muito mais comum do que o Homo erectus”, conclui Leece.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Mudanças na lei laboral podem prejudicar a retoma, avisa Centeno

É crucial para a retoma que haja "estabilidade e previsibilidade na legislação laboral", de forma a estimular o investimento empresarial e o crescimento económico, afirmou esta quarta-feira o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário …

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Von der Leyen dá luz verde ao Plano de Recuperação e Resiliência português. E "não é por acaso"

O primeiro-ministro, António Costa, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciaram esta quarta-feira que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) foi aprovado por Bruxelas.  A presidente da Comissão Europeia, Ursula von …

Kim Jong-un reconhece que país enfrenta "situação de tensão alimentar"

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, reconheceu que o país está a enfrentar uma "situação de tensão alimentar", informaram hoje os meios de comunicação oficiais. O país, cuja economia é alvo de múltiplas sanções internacionais impostas em …

Iniciativa Liberal apoia recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto

A Iniciativa Liberal vai apoiar a recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto nas próximas eleições autárquicas, considerando “inquestionável a mudança e o desenvolvimento” da cidade desde que o independente assumiu a presidência do …

Comissária europeia diz que variante Delta “diminui” proteção da vacina

A comissária europeia para a Saúde disse esta terça-feira que estão a surgir provas que demonstram que a variante Delta do coronavírus SARS-CoV-2 “diminui a força do escudo protetor” criado pelas vacinas, instando à aceleração …

DGS diz que demora de conclusões sobre eventos-piloto não é por erro técnico

A Direção-Geral da Saúde (DGS) rejeitou, esta terça-feira, que tenha havido erro técnico no tratamento de dados dos eventos-piloto da Cultura, ocorridos em abril e maio, mas admitiu que o processo está demorado. Numa declaração enviada …

Governo quer fazer alterações na duração de cargos de dirigentes

As mudanças que estão a ser preparadas passam por reduzir a duração dos cargos em substituição e, por outro lado, pelo ajustamento do período das comissões do serviço em função da avaliação. Segundo o Jornal de …

Responsável pelas manifestações em Lisboa é coordenador no Gabinete de Apoio à Presidência da CML

O responsável pelas manifestações na cidade de Lisboa é coordenador técnico no Gabinete de Apoio à Presidência da Câmara liderada por Fernando Medina. De acordo com o semanário Expresso, António Santos tem sido, nos últimos …

Sporting e Braga jogam Supertaça em Aveiro no dia 31 de julho

A Supertaça Cândido Oliveira, que vai ser disputada entre Sporting e Sporting de Braga, vai ser disputada em Aveiro, a 31 de julho, anunciou a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). "A decisão da Supertaça Cândido de …

Um quarto da população portuguesa já tem a vacinação completa

Em Portugal, 42% das pessoas já receberam a primeira dose de uma vacina contra a Covid-19 e 25% — cerca de um quarto da população — estão completamente vacinados. De acordo com o mais recente relatório …