Alunos mais pobres entram em politécnicos e cursos com notas mais baixas

A entrada no Ensino Superior revela desigualdades sociais em Portugal. De acordo com um novo estudo da Fundação Belmiro de Azevedo Edulog, os alunos mais pobres tendem a ingressar em politécnicos e cursos com notas mais baixas, enquanto que os mais ricos acabam por entrar em cursos de maior prestígio.

A conclusão é do estudo “A Equidade no Acesso ao Ensino Superior” do think thank da Fundação Belmiro de Azevedo, divulgado esta quarta-feira pelo Jornal de Notícias e pelo Público. Segundo a investigação, a expansão do ensino universitário não conseguiu diminuir as diferenças de acesso entre estudantes com níveis socioeconómicos distintos.

O estudo do Edulog evidencia que os alunos das classes mais favorecidas frequentam cursos como Medicina, Direito e Engenharia – que, por norma, exigem notas mais elevadas –, enquanto os mais pobres inscrevem-se sobretudo nos institutos politécnicos.

Os cursos de maior prestígio costumam ter notas de ingresso mais elevadas, que constituem uma “barreira no acesso”, explica o coordenador do conselho científico do Edulog, Alberto Amaral, que faz também parte do organismo público que que regula os cursos superiores, a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES).

“Quem não tem possibilidade de ir para um colégio privado ou ter explicações, não consegue bater essa dificuldade [e atingir a médias exigidas]. É a isso que estamos a assistir neste momento”, considerou, recordando que os fenómenos como o da inflação de notas internas no ensino secundário que acontecem particularmente em escolas privadas.

Esta escolha está também, segundo o mesmo documento, relacionada com as habilitações literárias dos pais dos estudantes. Por exemplo, mais de 70% dos estudantes de Medicina são filhos de pais que concluíram o Ensino Superior. Em sentido oposto, no curso de Enfermagem, a maioria dos pais desses alunos tem o secundário ou menos.

A análise revelou ainda que nas universidades há 28,1% de bolseiros enquanto nos politécnicos existem 37,4%. “Dito de um modo um pouco brutal, as classes mais baixas só podem tirar vantagem da expansão [do sistema de ensino] quando as necessidades das classes mais altas estiverem satisfeitas”, afirma Alberto Amaral, coordenador científico do Edulog, em declarações ao jornal Público.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Fisco proibido de usar inspeções para incriminar contribuintes. Centenas de processos podem cair por terra

O Tribunal Constitucional (TC) considerou inconstitucionais as normas que permitem às autoridades avançar ou concluir processos-crime com declarações fiscais obtidas voluntariamente pelo contribuinte ou arguido, conforme o caso. Esta prática, de acordo com o TC, viola …

Os Australopitecos eram amamentados até aos 12 meses

As crias dos australopitecos, uma espécie humana extinta que viveu em África, foram amamentadas até ao primeiro ano de vida, segundo um estudo publicado esta segunda-feira na revista científica Nature. Na investigação da faculdade de medicina …

Tempestade no norte da Índia fez pelo menos 33 mortos

Pelo menos 33 pessoas e outras 13 ficaram feridas na sequência de uma tempestade que atingiu no domingo o estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, informaram esta segunda-feira as autoridades. De acordo com Sandhya, …

"Neve artificial" poderia salvar lençol de gelo da Antártida

O lençol de gelo da Antártida pode deslizar para o oceano e inundar as cidades costeiras. No entanto, esta catástrofe pode ser evitada se os Governos investirem num projeto de engenharia para cobrir a superfície …

Constante de Hubble recalculada. E o mistério da expansão do Universo adensa-se

Uma equipa de cientistas da Universidade de Chicago, nos EUA, voltou a medir a constante de Hubble, usada para medir a taxa de expansão do Universo. O novo estudo, liderado pela especialista Wendy Freedman e …

Micro-bristle-bot. O robô mais pequeno do mundo que pode vir a salvar vidas

Do tamanho de uma formiga e mais leve que uma pitada de sal, o "micro-bristle-bot" é o robô mais pequeno do mundo pode um dia vir a salvar vidas. Desenvolvido na Universidade da Georgia, nos Estados …

Os gorilas têm amigos para toda a vida (e fazem grandes festas anuais)

Cientistas concluíram que os gorilas têm amizades que duram para toda a vida, inclusive entre animais que não são parentes, e celebram grandes reuniões anuais. De acordo com o ABC, uma equipa de cientistas concluiu que …

Bengala que guiou bote salva-vidas após o naufrágio do Titanic leiloada por 44 mil euros

Quando o Titanic afundou em águas geladas perto de Newfoundland em 1912, um bote salva-vidas de sobreviventes usou a luz operada por bateria na bengala de uma mulher para iluminar o caminho para a segurança. Essa …

Amostras de sangue de animais de zoológicos ajudam a prever doenças em humanos

Os cientistas querem usar padrões genéticos similares, que estão presentes no sangue de humanos e animais há milhares de anos, para melhorar o prognóstico da doença assistida por computador. Os jardins zoológicos de Saarbrücken e Neunkirchen, …

Encontrado no topo dos Alpes um lago que não devia existir

Um montanhista capturou a formação de um lago "alarmante" no alto dos Alpes franceses depois de a neve glacial ter derretido durante a intensa onda de calor que atingiu a Europa central no final de …