Os polvos estão a ficar cegos por causa das alterações climáticas

Níveis baixos de oxigénio nos oceanos do mundo podem fazer com que alguns invertebrados marinhos, incluindo caranguejos e polvos, percam a visão – pelo menos temporariamente.

Sabemos há algum tempo que os animais terrestres são afetados pelos níveis de oxigénio. Por exemplo, os humanos podem perder a função visual em ambientes de baixo oxigénio. Por exemplo, se os pilotos de caças a jato não receberem oxigénio suplementar em altitudes elevadas, terão problemas de visão, pressão alta e derrames.

Agora, investigadores do Scripps Institute of Oceanography demonstraram que os animais marinhos também são altamente sensíveis à quantidade de oxigénio disponível na água. “Com todo o conhecimento sobre o oxigénio afetar a visão em animais terrestres, fiquei a pensar se animais marinhos reagiriam de maneira semelhante”, disse a principal autora, Lillian McCormick, um comunicado.

De acordo com o artigo publicado a 13 de maio na revista Journal of Experimental Biology, McCormick descobriu que quatro invertebrados marinhos da Califórnia – lula myopsid, polvo-da-Califórnia, caranguejo de atum e brachyuran – tiveram uma redução de visão entre 60 e 100% sob condições de baixo oxigénio.

“Fiquei surpreendida ao ver que, mesmo após alguns minutos de exposição ao oxigénio baixo, algumas destas espécies tornaram-se praticamente cegas“, disse McCormick.

Para testar as respostas desses animais ao oxigénio reduzido a curto prazo, McCormick colocou amostras de larvas num microscópio com água do mar a qual foi gradualmente reduzida nos níveis de oxigénio. A investigadora expôs os animais às condições de luz e registou as suas respostas visuais usando uma “máquina de eletrocardiograma para o olho” na qual os elétrodos estavam conectados às suas retinas.

Em todos os casos, McCormick observou respostas imediatas quando a disponibilidade de oxigénio diminuía. O caranguejo e a lula perderam quase toda a sua visão quando o nível de oxigénio diminuiu para apenas 20% dos níveis da superfície. Os polvos foram mais capazes de tolerar a falta de oxigénio e os caranguejos foram os mais resilientes (embora ainda afetados).

Lilly McCormick

Larva de polvo da espécie Octopus bimaculoides, o polvo-da-Califórnia

Quando o oxigénio foi restaurado, a maioria dos espécimes recuperou pelo menos parte da função visual. Isto terá a ver com um conceito chamado fototransdução, um sistema visual altamente complexo que traduz a energia da luz em sinais neurais que dão aos animais a sua visão.

É um dos processos mais “energeticamente caros” e, sem isso, muitas espécies podem enfrentar condições de risco de vida. Por exemplo, muitas espécies de larvas migram verticalmente dependendo da hora do dia, indo para as profundidades durante as horas mais leves e subindo para a superfície à noite. Sem visão, podem perder-se, confundir-se e romper os ciclos naturais.

Os níveis de oxigénio nos oceanos do mundo mudam devido a processos naturais, mas estes estão a ser acelerados por mudanças climáticas e poluição influenciadas pelo homem. O aquecimento atmosférico causado pelas emissões de gases de efeito estufa diminui um processo chamado de ressurgência, em que a água superficial bem oxigenada é misturada com água pobre em nutrientes das profundezas.

Além disso, a poluição tem sido associada à eutrofização em ambientes próximos à costa que fazem com que espécies de plâncton floresçam e esgotem os níveis de oxigénio.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …