As alterações climáticas estão a levar os albatrozes ao “divórcio”

O aumento da temperatura da água do mar, causado pelas alterações climáticas, está a levar a um aumento nas taxas de “divórcio” dos albatrozes.

Nem todos os relacionamentos terminam em “felizes para sempre”, e os pássaros não são exceção. Embora mais de 90% das espécies de pássaros formem casais monogâmicos, muitos deles acabam em divórcio.

As razões para a separação são tão variadas em pássaros quanto em humanos, e frequentemente têm a ver com coisas como falta de compatibilidade ou negligência de um dos parceiros. No entanto, um novo estudo descobriu uma causa surpreendente para o divórcio: as alterações climáticas.

Como muitas aves marinhas, os albatrozes-de-sobrancelha (Thalassarche melanophris) formam pares monogâmicos que podem durar a sua vida de 70 anos inteira.

No entanto, pouco menos de 4% desses casais separa-se a cada ano. Usando dados de 18 anos de extensas observações, uma equipa nas Ilhas Malvinas investigou as razões do divórcio em pássaros desta espécie.

As condições ambientais afetam profundamente a sobrevivência dos animais e a capacidade de procriar com sucesso. Como o divórcio geralmente ocorre após a falha de um casal de pássaros em criar filhotes, os investigadores imaginaram que em ambientes mais hostis — o que poderia levar a um menor sucesso reprodutivo — o divórcio pode ser mais comum.

A equipa de investigadores conta com três investigadores de universidades portuguesas: Paulo Catry, do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente do Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida; e Francesco Ventura e José Pedro Granadeiro, do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

A equipa concentrou-se em duas medições ambientais. Primeiro, analisaram as anomalias da temperatura da superfície do mar.

Mais anomalias indicam temperaturas de superfície mais altas do que o normal. Esses aumentos de temperatura dificultam o crescimento de organismos na parte inferior da cadeia alimentar, como o fitoplâncton, o que significa que há menos comida disponível para os animais mais acima na cadeia alimentar, como as aves marinhas.

Em segundo lugar, a equipa examinou a velocidade do vento. Com a sua envergadura extraordinariamente longa que pode chegar até 2,5 metros, os albatrozes precisam de ventos fortes para levantar voo e fazer as suas migrações recordes sobre o oceano. Como resultado, correntes de vento mais fortes beneficiam os albatrozes, permitindo-lhes voar longas distâncias com relativa facilidade.

Embora os investigadores não tenham encontrado nenhum efeito causado pelo vento nos casais, descobriram que, à medida que as anomalias de temperatura aumentam, também aumenta a taxa de divórcio. Por outras palavras, quanto mais quente o oceano, menos provável que os albatrozes fiquem com o seu companheiro.

As razões do divórcio

Muitos animais que falham em reproduzir-se ao longo do ano, divorciam-se dos seus parceiros no próximo. A lógica deles é estratégica: “Vou ficar contigo se tivermos sucesso em ter filhos, senão, vou tentar outra pessoa”.

Os albatrozes parecem usar esta abordagem ao decidir se devem separar-se. As fêmeas cujos ovos não eclodiram eram cinco vezes mais propensas a divorciar-se do seu parceiro do que aquelas que criaram um filhote até ao nascimento aos quatro meses de idade, ou cujas crias morreram mais tarde.

Isto faz sentido. Ovos que não eclodem provavelmente indicam infertilidade ou incompatibilidade entre os parceiros.

No entanto, este estudo —publicado recentemente na revista Proceedings of The Royal Society — descobriu que aumentos nas anomalias de temperatura levaram a taxas de divórcio mais altas.

Isto significa que uma fêmea num relacionamento anteriormente bem-sucedido, de quem, portanto, se esperava que ficasse com o seu parceiro, tinha muito mais probabilidade de se divorciar dele quando as temperaturas da superfície do mar estavam mais altas do que o normal.

Existem muitos motivos pelos quais as condições ambientais podem levar ao divórcio. Fora da época de reprodução, os animais normalmente migram para regiões onde há mais comida disponível. Lá, podem descansar e alimentar-se em preparação para a reprodução.

Quando as condições ambientais são más, os animais podem demorar mais para encontrar comida e acabam por regressar tarde para a colónia. Isto pode fazer com que os parceiros voltem para casa em momentos diferentes, o que pode levar ao divórcio.

Por exemplo, se a parceira de um macho chega à colónia muito antes dele, ela pode acabar por ser levada por outro macho.

Além disso, as condições do oceano quente podem fazer com que o processo de tomada de decisão do divórcio funcione mal.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Em anos com oceanos quentes, os albatrozes têm de trabalhar mais para encontrar comida e podem acabar feridos ou com problemas de saúde. Os pássaros podem erroneamente culpar o seu parceiro pelas suas próprias dificuldades — presumindo que estão a sofrer porque o seu parceiro não se está a esforçar para cuidar do seu filhote.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.