Álcool não é desculpa. Estudo mostra que continuamos a mesma pessoa quando bebemos

Apesar de muitas pessoas usarem a desculpa de estarem alcoolizadas para justificar coisas que disseram ou fizeram, um estudo prova que o álcool não é desculpa para o mau comportamento.

O álcool desinibe, fazendo-nos dizer e fazer coisas que, de outra forma, manteríamos em segredo. Muitas vezes as pessoas bebem para ganhar coragem numa situação exigente. Muitos de nós podem entender o apelo de tomar uma bebida antes de um encontro às cegas ou de um evento social — pode ajudar a acalmar os nervos e cultivar a confiança. Isto porque o álcool tem um efeito que nos faz sentir mais relaxados.

No entanto, os efeitos do álcool não são todos positivos. Talvez você seja o “bêbado feliz”, ou talvez tenha construído a reputação de ser o “bêbado agressivo” que vê mal em tudo depois de uma cerveja.

A relação entre o álcool e o comportamento antissocial está bem documentada. Muitas discussões e brigas vêm de alguém que bebeu demais. Os cientistas acreditam que nos comportamos assim quando bebemos porque interpretamos mal as situações sociais e perdemos empatia. Em essência, quando começamos a arrastar a falar, a nossa capacidade de entender ou compartilhar as emoções dos outros vai pelos ares.

Se alguém fez algo de errado enquanto estava alcoolizado, tendemos a ser mais lenientes, em vez de responsabilizá-los pelas suas ações — e também acabamos por alargar este princípio a nós mesmos.

No entanto, num estudo publicado no mês passado no Journal of Psychopharmacology, os cientistas tentaram traçar uma imagem mais clara de como o consumo de álcool, a empatia e o comportamento moral estão relacionados.

Acontece que, embora o consumo de álcool possa afetar a empatia, fazendo-nos reagir de maneira inadequada às emoções e reações de outras pessoas, isso não muda necessariamente os nossos padrões morais ou os princípios que usamos para distinguir entre o que é certo e o que é errado.

Os investigadores deram aos participantes shots de vodka e depois mediram a sua empatia e as suas decisões morais. Apresentaram imagens a mostrar várias pessoas a expressar emoções aos participantes. Depois de beberem uma dose maior de vodka, as pessoas começaram a reagir inadequadamente às manifestações emocionais.

Seguidamente, os participante diziam aos investigadores o que achavam que fariam em dilemas morais. Numa simulação em Realidade Virtual, testavam esses dilemas e viam se batia certo com o que tinham dito.

Embora o álcool possa ter prejudicado a empatia dos participantes, isso não afetou a forma como eles julgaram as situações morais ou como agiram nelas. Acontece que, embora possamos acreditar que o álcool muda as nossas personalidades, isso não acontece. Continuamos as mesmas pessoas depois de umas bebidas.

Então, embora o álcool possa afetar a forma como interpretamos e compreendemos as emoções de outras pessoas, não podemos culpar o álcool pelos nossos comportamentos imorais.

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Um individo que já bebe em demasia á 30 anos seguidos.. todos dias bêbado.. que comportamento terá ?! Nenhum! Tem o cérebro todo “queimado” , e nunca mais recupera..
    Façam estudos profundos , como manda a sapatilha..! ☝️

  2. É natural. Se uma pessoa já tem uma personalidade agressiva, ou se é mal educada, não é o álcool que a vai tornar mais branda, pelo contrário, o álcool vai fazer com que a pessoa se sinta mais confiante para exteriorizar as suas emoções, e sem medo algum das consequências.

  3. Concordo com o estudo. Na verdade o álcool não é responsável pelas nossas asneiras, mas sim o seu excesso. Além disso, depois deste estudo, fico mais sossegado. Quando bebia muito, pensava que era um cientista, afinal não, continuo eu próprio. Reconfortante.

RESPONDER

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …