Álcool não é desculpa. Estudo mostra que continuamos a mesma pessoa quando bebemos

Apesar de muitas pessoas usarem a desculpa de estarem alcoolizadas para justificar coisas que disseram ou fizeram, um estudo prova que o álcool não é desculpa para o mau comportamento.

O álcool desinibe, fazendo-nos dizer e fazer coisas que, de outra forma, manteríamos em segredo. Muitas vezes as pessoas bebem para ganhar coragem numa situação exigente. Muitos de nós podem entender o apelo de tomar uma bebida antes de um encontro às cegas ou de um evento social — pode ajudar a acalmar os nervos e cultivar a confiança. Isto porque o álcool tem um efeito que nos faz sentir mais relaxados.

No entanto, os efeitos do álcool não são todos positivos. Talvez você seja o “bêbado feliz”, ou talvez tenha construído a reputação de ser o “bêbado agressivo” que vê mal em tudo depois de uma cerveja.

A relação entre o álcool e o comportamento antissocial está bem documentada. Muitas discussões e brigas vêm de alguém que bebeu demais. Os cientistas acreditam que nos comportamos assim quando bebemos porque interpretamos mal as situações sociais e perdemos empatia. Em essência, quando começamos a arrastar a falar, a nossa capacidade de entender ou compartilhar as emoções dos outros vai pelos ares.

Se alguém fez algo de errado enquanto estava alcoolizado, tendemos a ser mais lenientes, em vez de responsabilizá-los pelas suas ações — e também acabamos por alargar este princípio a nós mesmos.

No entanto, num estudo publicado no mês passado no Journal of Psychopharmacology, os cientistas tentaram traçar uma imagem mais clara de como o consumo de álcool, a empatia e o comportamento moral estão relacionados.

Acontece que, embora o consumo de álcool possa afetar a empatia, fazendo-nos reagir de maneira inadequada às emoções e reações de outras pessoas, isso não muda necessariamente os nossos padrões morais ou os princípios que usamos para distinguir entre o que é certo e o que é errado.

Os investigadores deram aos participantes shots de vodka e depois mediram a sua empatia e as suas decisões morais. Apresentaram imagens a mostrar várias pessoas a expressar emoções aos participantes. Depois de beberem uma dose maior de vodka, as pessoas começaram a reagir inadequadamente às manifestações emocionais.

Seguidamente, os participante diziam aos investigadores o que achavam que fariam em dilemas morais. Numa simulação em Realidade Virtual, testavam esses dilemas e viam se batia certo com o que tinham dito.

Embora o álcool possa ter prejudicado a empatia dos participantes, isso não afetou a forma como eles julgaram as situações morais ou como agiram nelas. Acontece que, embora possamos acreditar que o álcool muda as nossas personalidades, isso não acontece. Continuamos as mesmas pessoas depois de umas bebidas.

Então, embora o álcool possa afetar a forma como interpretamos e compreendemos as emoções de outras pessoas, não podemos culpar o álcool pelos nossos comportamentos imorais.

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Um individo que já bebe em demasia á 30 anos seguidos.. todos dias bêbado.. que comportamento terá ?! Nenhum! Tem o cérebro todo “queimado” , e nunca mais recupera..
    Façam estudos profundos , como manda a sapatilha..! ☝️

  2. É natural. Se uma pessoa já tem uma personalidade agressiva, ou se é mal educada, não é o álcool que a vai tornar mais branda, pelo contrário, o álcool vai fazer com que a pessoa se sinta mais confiante para exteriorizar as suas emoções, e sem medo algum das consequências.

  3. Concordo com o estudo. Na verdade o álcool não é responsável pelas nossas asneiras, mas sim o seu excesso. Além disso, depois deste estudo, fico mais sossegado. Quando bebia muito, pensava que era um cientista, afinal não, continuo eu próprio. Reconfortante.

RESPONDER

Os terrenos contaminados de Fukushima vão tornar-se num centro de "energia verde"

Fukushima, local que sofreu um dos maiores desastres nuclear do mundo, vai reinventar-se e tornar-se num centro de energia renovável. Depois de ser atingido por um terramoto e um tsunami de 15 metros em 2011, três …

Cientistas identificaram neurónios específicos que mapeiam memórias

Neurocientistas descobriram um aspeto curioso de como a nossa memória funciona: Quando o cérebro precisa de recuperar informação relacionada com um lugar específico, neurónios individuais podem atingir memórias específicas. De acordo com o estudo publicado na …

Grande tempestade de areia pode ter ditado o fim de um império da Mesopotâmia

O Império Acádio da Mesopotâmia entrou em colapso devido a uma enorme tempestade de areia, sugeriu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão. Em comunicado, os especialistas explicam …

Encontrado templo milenar usado em rituais pagãos de veneração da água

O local tem 3.000 anos, onde investigadores encontraram 21 sepulturas, bem como várias peças de cerâmica e anéis de cobre. O templo era usado em rituais pagãos de veneração da água. Uma equipa de arqueólogos encontrou …

Elon Musk diz que inovações da Neuralink vão conseguir curar o autismo

Musk disse que a sua empresa Neuralink iria "solucionar uma série de doenças neurológicas", entre as quais o autismo. Contudo, o autismo não é uma doença relacionada com o cérebro, mas sim uma perturbação do …

"Indivíduos desconhecidos" terão obrigado Marinha a apagar vídeo do incidente do USS Nimitz com um OVNI

Vários membros da Marinha que testemunharam o famoso Incidente do USS Nimitiz, em 2004, disseram que "indivíduos desconhecidos" apareceram depois do acontecimento e obrigaram-nos a apagar as gravações de vídeo. Em novembro de 2004, um porta-aviões …

Coreia do Norte detonou bomba atómica equivalente a 17 "Hiroshimas"

Dados de um satélite japonês revelam que a explosão de um teste nuclear na Coreia do Norte, em 2017, terá sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou que …

Invenção financiada por Bill Gates pode invisivelmente resolver a malnutrição

Uma invenção financiada por Bill e Melinda Gates pode ser a solução para resolver o problema da malnutrição a nível mundial. O próximo passo é conseguir o apoio dos Governos locais. A malnutrição é um problema …

Com a ajuda de um radar, cientistas revelaram pegadas de mamutes e humanos pré-históricos

Espalhados pelo Monumento Nacional de White Sands, nos Estados Unidos, encontram-se os "rastos fantasma" de mamutes mortos há milhares de anos. Agora, investigadores conseguiram revelar pegadas de humanos. De acordo com o Science Alert, esta descoberta, …

A desertificação está progredir na Índia. Mas a solução pode estar no conhecimento tradicional

Quase 45% da área de Maharashtra está a transformar-se em deserto, assim como uma grande parte da Índia. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o ritmo da desertificação no país é agora …