Álcool matou 3,3 milhões de pessoas num ano

David Blackwell / Flickr

-

Cerca de 3,3 milhões de pessoas morreram em 2012 em todo o mundo em consequência do consumo nocivo de álcool, o que equivale a 5,9% de todas as mortes, revela hoje a Organização Mundial de Saúde.

A proporção de mortes associadas ao álcool é superior à mortalidade ligada ao VIH (2,8%), à violência (0,9%) e à tuberculose (1,7%), conclui ainda a OMS no seu “Relatório global sobre o álcool e a saúde 2014”.

“Precisamos de fazer mais para proteger as populações das consequências negativas do consumo de álcool para a saúde”, disse Oleg Chestnov, diretor-geral adjunto da OMS para as doenças não transmissíveis e a saúde mental.

Citado num comunicado da organização, o responsável sublinha que “não há espaço para complacência quando se trata de reduzir o consumo nocivo de álcool”.

O consumo nocivo de álcool é definido pela OMS como o consumo que causa consequências negativas para o consumidor, as pessoas que o rodeiam e a sociedade como um todo, assim como padrões de consumo associados com o aumento do risco de problemas de saúde.

itupictures / Flickr

Oleg Chestnov, diretor-geral adjunto da OMS para as doenças não transmissíveis e a saúde mental.

Oleg Chestnov, diretor-geral adjunto da OMS para as doenças não transmissíveis e a saúde mental.

Segundo a organização sediada em Genebra, o consumo de álcool pode provocar dependência, mas também aumentar o risco de mais de 200 doenças, incluindo cirrose hepática e alguns cancros.

O consumo nocivo pode ainda provocar violência e ferimentos, assim como pode aumentar a suscetibilidade dos consumidores a doenças infeciosas como tuberculose ou pneumonia.

Segundo o relatório hoje publicado, cada habitante do mundo com mais de 15 anos consome em média 6,2 litros de álcool puro por ano, o que equivale a 13,5 gramas de álcool puro por dia.

No entanto, como apenas 38,3% das pessoas bebe realmente álcool, aqueles que bebem consomem em média 17 litros de álcool puro por ano.

O documento sublinha ainda que há uma maior percentagem de mortes relacionadas com o consumo de álcool entre os homens do que entre as mulheres – 7,6% das mortes masculinas contra 4% das mortes femininas –, embora as mulheres sejam mais vulneráveis a algumas doenças relacionadas com o álcool do que os homens.

Além disso, os autores mostram-se preocupados com o aumento constante do consumo de álcool entre as mulheres.

“Constatámos que em todo o mundo cerca de 16% dos consumidores têm episódios de consumo excessivo (…) que é o mais prejudicial para a saúde”, explicou Shekhar Saxena, diretor para a saúde mental e o abuso de drogas e outras substâncias na OMS.

A nível global, a Europa é a região com o consumo per capita mais elevado, com alguns países a registarem níveis particularmente altos.

O relatório conclui que o nível de consumo se tem mantido estável nos últimos cinco anos na Europa, na África e nas Américas, mas tem aumentado no Sudeste asiático e no Pacífico Ocidental.

A OMS estabeleceu em 2011 a necessidade de ação intensiva para reduzir o consumo de álcool, considerado um dos quatro fatores de risco – juntamente com o tabaco, a alimentação desequilibrada e a falta de exercício físico – para a epidemia de doenças não transmissíveis.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Irão anuncia reunião extraordinária para salvar acordo de Viena

Uma nova reunião extraordinária para tentar salvar o acordo sobre o programa nuclear iraniano vai realizar-se em Viena no domingo, anunciou esta terça-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão. De acordo com o comunicado do …

PS aprova listas de candidatos a deputados. Braga ainda em aberto

A Comissão Política Nacional do PS aprova nesta terça-feira as listas de candidatos a deputados às próximas eleições legislativas, num processo em termos globais pacífico internamente. Em Braga, há nomes em aberto. O processo para a …

Morreu Li Peng, o antigo primeiro-ministro chinês que pôs fim aos protestos de Tiananmen

O antigo primeiro-ministro chinês, Li Peng, morreu esta segunda-feira, avançou a agência estatal Xinhua. Aos 91 anos, o político que liderou a "ala dura" do Governo durante os protestos de Tiananmen, em 1989, faleceu de …

Kim Jong-un inspeciona novo submarino em contexto de impasse com EUA

O submarino vai ser lançado no mar do Leste, confirmou a agência de notícias norte-coreana. Não há informações sobre o sistema de armas que o submarino continha ou onde e quando a inspeção ocorreu. O líder …

Parlamento espanhol chumba investidura de Pedro Sánchez como primeiro-ministro

Pedro Sánchez precisava do voto de 176 dos 350 deputados, mas só teve o sim da própria bancada parlamentar. Agora tem até quinta-feira para fechar um acordo com o Podemos. O Congresso dos Deputados espanhol (parlamento) …

China não deu ouvidos aos EUA e recebeu milhões de barris de petróleo do Irão

Apesar de os EUA terem imposto sanções a todos os países que comprem petróleo ao Irão, há uma nação que parece não ter dado ouvidos à Casa Branca. Há petroleiros iranianos a descarregar milhões de barris …

"Não se pode brincar com a saúde". Costa em rota de colisão com Ordem dos Médicos

Está o caldo entornado entre o primeiro-ministro e a Ordem dos Médicos (OM). A organização profissional reage com "estranheza" e muitas críticas às palavras de António Costa que acusou a OM de restringir a concorrência e …

O salário médio de um português compra 645 litros de gasolina. O espanhol compra o dobro

Com um salário médio, é possível comprar 645 litros de gasolina em Portugal, bastante menos do que podem comprar os habitantes dos países vizinhos nas mesmas condições, mostra um relatório desenvolvido pelo Picodi. De acordo com …

Helis de combate a incêndios em terra por falta de inspecção. A culpa é da burocracia

Há helicópteros de combate a incêndios impedidos de voar devido à falta de inspecção. Uma situação polémica que surge numa altura em que os fogos regressaram em força a Portugal e que é culpa da …

Trump garante que ganharia a guerra com o Afeganistão numa semana. "O país desaparecia em 10 dias”

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, garantiu esta segunda-feira, na Casa Branca, que ganharia a guerra com o Afeganistão, que dura desde 2001, em apenas "uma semana". "Poderia vencer essa guerra numa semana. Só …