Ajudas públicas à banca portuguesa já vão em 14 mil milhões

Mário Cruz / Lusa

-

Desde o início da crise, em 2008, o Estado português já gastou mais de 14 mil milhões de euros em ajudas à banca – número que pode aumentar ainda devido à incerteza quanto à venda do Novo Banco e ao futuro da Caixa Geral de Depósitos.

Segundo a agência EFE, este valor, que se retira de dados do Tribunal de Contas e do Instituto Nacional de Estatística, representa quase 8% do PIB português – e não inclui as ajudas devolvidas por algumas das entidades apoiadas, nem os lucros obtidos com a cobrança de juros.

A agência Moody’s alertou recentemente para a fragilidade da banca portuguesa, uma das mais frágeis da Europa devido aos seus níveis de capital.

Mas esta fraqueza vem de trás: nos últimos 8 anos, três entidades bancárias foram resgatadas, e mais três receberam apoios públicos, realça a EFE.

O primeiro “buraco” aconteceu em 2008, quando o BPN – Banco Português de Negócios se tornou no primeiro banco a ser nacionalizado na democracia portuguesa, para evitar que as suas perdas contagiassem o sector.

Esta nacionalização representou em 2014 perdas para o Estado na ordem dos 2.7 mil milhões de euros. O banco foi depois vendido ao angolano BIC por 40 milhões.

Um ano depois, o BPP – Banco Privado Português entrou em falência e acabou por ser extinto, depois de o governo se ter recusado a injectar dinheiro na entidade – devido principalmente à sua ligação a suspeitas de falsificação de contas e branqueamento de capitais.

Mas uma garantia do Estado concedida antes da falência acabou por provocar perdas de mais de 650 milhões de euros.

O maior “buraco”, contudo, foi o do BES – Banco Espírito Santo, em 2014, depois da descoberta de que a maior entidade privada portuguesa tinha falsificado as contas e escondia perdas de mais de 3.5 mil milhões de euros.

A intervenção no BES implicou a criação do Novo Banco, o chamado “banco bom” com os activos não tóxicos do grupo, e a recapitalização com um crédito público de 3.9 mil milhões – a que se juntaram mil milhões do próprio sistema financeiro.

Um último contratempo no sistema bancário português aconteceria já em dezembro de 2015, quando se anunciou a intervenção do Banif, a menor das principais entidades financeiras portuguesas.

Para já, esta intervenção teve um impacto no défice nacional de quase 2.5 mil milhões – mas este valor ainda pode vir a aumentar.

O Banif foi liquidado e o seu negócio saudável vendido por 150 milhões ao espanhol Banco Santander, que, recorda a EFE, ainda recebeu 2 mil milhões em garantias.

Estas intervenções representam uma factura global de 14 mil milhões de euros que a banca privada passou ao estado.

Acresce ainda que algumas entidades, como o BCP, ainda não devolveram os empréstimos contraídos ao estado nos anos de resgate.

Se os empréstimos forem devolvidos, como aconteceu com o BPI, o estado não só recupera o investimento, como lucra com os juros cobrados.

Mas qualquer nova turbulência no sistema financeiro português parece fazer abanar as suas frágeis entidades bancárias – não só colocando em risco a devolução dos empréstimos como ameaçando a necessidade de novas intervenções.

E esse é o principal problema dos 14 mil milhões com que o estado já ajudou a banca: pode não ter ficado por aqui.

AJB, ZAP / EFE

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Cemitérios verdes. Especialista britânico sugere enterrar mortos à beira da estrada

O especialista britânico sugere que se use os espaços ao lado das estradas, ferrovias e passeios como "corredores funerários" amigos do ambiente. Uma vez que a ciência ainda não encontrou forma de nos tornar imortais, encontrar …

Consumo de proteínas e laticínios pode ajudar a reduzir risco de diabetes

Cientistas associaram um maior consumo de proteínas e laticínios a um menor risco de diabetes. Em contrapartida, alimentos ricos em calorias foram ligados a um maior risco de diabetes. A diabetes é um problema de saúde …

Médicos alertam: técnica de tapar a boca com fita-cola para dormir melhor é perigosa

Chama-se "buteyko" e consiste em encontrar formas de respirar melhor pelo nariz, entre as quais fechar a boca enquanto dormimos. A tendência está a gerar um debate entre os médicos, que consideram esta técnica perigosa. Foi …

Incentivos financeiros ajudam pessoas a deixar de fumar

Fumar mata um em cada dois fumadores ávidos, mas desistir leva a grandes melhorias na saúde, aumento da esperança de vida e poupança de custos com cuidados de saúde. Pagar às pessoas para pararem de …

Há uma coisa simples que podemos fazer para combater as alterações climáticas: falar sobre o problema

A preocupação com as alterações climáticas pode ser muitas vezes um fardo solitário, mas a verdade é que não precisa de ser assim. De acordo com um novo estudo, simplesmente falar sobre o assunto com …

Em busca das duas princesas alemãs. Vaticano analisa ossários após encontrar túmulos vazios

Os trabalhos começaram esta manhã no cemitério que fica dentro das muralhas do Vaticano e foram analisados os restos dos dois ossários, explicou o porta-voz interino da Santa Sé, Alessando Gisotti. Os ossários estavam perto dos …

Miguel Pinto Lisboa é o novo presidente do Vitória de Guimarães

Miguel Pinto Lisboa foi eleito, este sábado, o novo presidente do Vitória de Guimarães, avança a imprensa portuguesa. Os números ainda não são oficiais, mas as primeiras projeções indicam que o candidato de 47 anos da …

Incêndios em Castelo Branco e Santarém. Há quatro bombeiros feridos, um em estado grave

Dois incêndios em Castelo Branco estão a mobilizar mais de 500 operacionais e 15 meios aéreos. Há estradas cortadas e aldeias evacuadas. Dois incêndios em povoamento florestal, todos no distrito de Castelo Branco, um no município …

"É contra a vontade de Deus". Família que se recusou a pagar impostos é condenada na Austrália

Uma família cristã australiana recusou-se a pagar impostos, alegando que é "contra a vontade de Deus". Em tribunal, o juiz obrigou a pagar 1,3 milhões de euros. Em 2017, na Tasmânia, uma família cristã não pagou …

David guardou uma pedra durante anos pensando que era ouro. Afinal, era bem mais raro que isso

Em 2015, David Hole estava a explorar Maryborough Regional Park, perto de Melbourne, na Austrália. Com um detetor de metais, descobriu algo fora do comum: uma rocha avermelhada muito pesada que repousava em argila amarela. Maryborough …