Avós que cuidam dos netos vivem até 10 anos mais

Ajudar os outros compensa. É a conclusão de um estudo levado a cabo por uma equipa de investigação internacional que constatou que as pessoas mais velhas que apoiam e cuidam dos outros vivem mais tempo.

Este estudo apurou que “os avós que cuidam dos seus netos vivem, em média, mais tempo do que os avós que não cuidam deles”, salienta num comunicado a Universidade de Basel (UNIBAS), na Suíça, uma das entidades internacionais envolvidas na pesquisa.

Publicada no jornal Evolution and Human Behavior, esta análise envolveu mais de 500 pessoas, com idades entre os 70 e os 103 anos, e informações do Estudo de Envelhecimento em Berlim, recolhidos entre 1990 e 2009.

Os investigadores compararam dados sobre os avós que cuidam “ocasionalmente” dos netos e sobre idosos que, embora não tendo filhos ou netos, cuidam de outras pessoas da sua rede de relações.

Os resultados evidenciaram que “este tipo de cuidado pode ter um efeito positivo na mortalidade dos cuidadores”, sustenta a UNIBAS.

“Metade dos avós que cuidavam dos seus netos ainda estavam vivos cerca de dez anos depois da primeira entrevista em 1990″, refere a instituição, notando que o mesmo efeito se aplica “a participantes que não tinham netos, mas que apoiavam os seus filhos – por exemplo, ajudando nas tarefas domésticas”.

“Em contraste, cerca de metade dos que não cuidavam de outros morreram em cerca de cinco anos”, realça a UNIBAS.

Este efeito positivo não está apenas relacionado com a prestação de cuidados no seio da família, mas também se verifica em idosos sem filhos que disponibilizaram algum tipo de “apoio emocional” a outras pessoas.

“Metade destes cuidadores viveram por mais sete anos, enquanto os não cuidadores viveram, em média, por apenas mais quatro anos”, reporta a Universidade.

Um dos investigadores envolvidos no estudo, Ralph Hertwig, do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano, na Alemanha, avisa contudo que “ajudar não deve ser mal interpretado como uma panaceia para uma vida mais longa”.

“O envolvimento de um cuidar de nível moderado parece ter efeitos positivos na saúde. Mas estudos anteriores mostraram que um envolvimento mais intenso causa stress, o que tem efeitos negativos na saúde física e mental”, destaca o investigador, citado pela UNIBAS.

A investigadora que liderou o estudo, Sonja Hilbrand, estudante de doutoramento no Departamento de Psicologia da UNIBAS, salienta, por seu turno, a ideia de que o “comportamento pró-social” tem origem na família.

“Parece plausível que o desenvolvimento dos comportamentos pró-sociais dos pais e avós, relativamente aos seus parentes, deixam a sua impressão no corpo humano em termos do sistema neural e hormonal que, subsequentemente, lança a fundação para a evolução da cooperação e do comportamento altruístico em relação aos não-parentes”, destaca Hilbrand no site da UNIBAS.

Além da Universidade de Basel e do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano, participaram também nesta investigação as Universidades australianas Edith Cowan e Austrália Ocidental e a Universidade Humboldt de Berlim, na Alemanha.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Atraso na partilha de informação. Responsáveis da OMS recusam responder a perguntas sobre China

Os mais altos responsáveis da Organização Mundial de Saúde (OMS) recusaram-se esta quarta-feira a responder diretamente a perguntas sobre um atraso da China na partilha do mapa genético do novo coronavírus com a agência. Três perguntas …

Espanha reabre fronteiras a 22 de junho. Portugal diz que ainda não há uma decisão tomada

Espanha vai reabrir as fronteiras com Portugal e França a 22 de junho. O país tinha planeado abrir as fronteiras ao turismo estrangeiro a 1 de julho, mas decidiu adiantar a data. Porém, Portugal diz …

Conceição critica arbitragem, mas em Espanha fala-se de penálti de Pepe "que roça o escândalo"

Os 'dragões' perderam no primeiro jogo após a retoma do campeonato. Sérgio Conceição deixou críticas à arbitragem, mas em Espanha fala-se de um penálti escandaloso... de Pepe. O FC Porto ficou com a liderança da I …

Redução do IVA, abono para crianças e incentivos para comprar elétricos. O plano de 130 mil milhões de Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou esta quinta-feira um pacote de estímulo de 130 mil milhões de euros para este ano e 2021, para impulsionar a economia do país, duramente atingida pela pandemia de covid-19. Entre …

De Jorge Jesus a Bruno de Carvalho. Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades

O português Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades, acusa o Tribunal da Relação de Lisboa. A defesa do denunciante criticou a manutenção da prisão preventiva. De acordo com o acórdão do Tribunal da Relação …

Empresas podem manter lay-off até ao fim de setembro. Trabalhadores podem receber 85% do salário

Os traços gerais do plano do Governo para a retoma da economia e para tentar travar a escalada do desemprego foram apresentados aos parceiros sociais, esta terça-feira, por Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade …

O próximo Wolves? Charlton pode tornar-se "português"

O consórcio português Corporate Football Organisation Portugal (CFO), liderado por Fernando Côrte-Real, está a estudar a compra do Charlton, clube que milita no Championship, o segundo escalão inglês. "A CFO Portugal já existe há pelo menos …

PJ prossegue investigação e confirma envolvimento de alemão no desaparecimento de Maddie

A Polícia Judiciária adiantou esta quarta-feira que prosseguem em Portugal diligências no âmbito da investigação ao desaparecimento da criança inglesa Madeleine McCann, no Algarve, em 2007, confirmando as suspeitas de envolvimento de um cidadão alemão …

Benfica critica presença de Rui Moreira na lista de Pinto da Costa

O diretor de comunicação do SL Benfica, Luís Bernardo, criticou, esta quarta-feira, a presença de Rui Moreira na lista de Pinto da Costa às eleições para a presidência do FC Porto. "Já não bastava o nível …

Costa e Silva prevê recuperação económica lenta e defende "pacto entre Estado e empresas"

Em entrevista à agência Lusa, António Costa Silva, responsável no plano de relançamento da economia, prevê uma recuperação lenta e sugere um pacto entre Estado e empresas. António Costa Silva, gestor nomeado pelo primeiro-ministro para coordenar …