Afinal, a Peste Justiniana não terá sido tão mortífera como contam os livros de História

quadro de Pieter Brughel des Älteren / Wikimedia

A Praga Justiniana, a primeira pandemia conhecida de peste na Europa, dizimou a civilização mediterrânea, basicamente romana, entre 541 e 750, segundo contam os livros de História.

No entanto, um grupo de investigadores norte-americanos pôs em causa a hipótese de os vários surtos da doença terem sido tão devastadores, uma vez que não conseguiram encontrar evidências de que os seus efeitos tenham sido tão graves.

Para chegar a essa conclusão, os especialistas estudaram as menções da epidemia em crónicas, inscrições e papiros da época, além de moedas que estavam em circulação, registos de valas comuns e até amostras de pólen, de acordo com o estudo publicado em outubro na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

“Se essa praga foi um momento chave na história da Humanidade, que matou entre um terço e metade da população do mundo mediterrâneo em alguns anos, como costuma ser reivindicado, deveríamos ter evidências, mas o nosso estudo dos dados não encontrou nenhum”, disse Lee Mordechai, do Centro Nacional de Síntese Socioambiental da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, em comunicado.

A equipa liderada por Mordechai estudou a extensão da praga e não encontrou “os efeitos concretos que poderiam ser conclusivamente atribuídos a uma pandemia”. Para os investigadores, é um mero exagero que se espalhou pelos séculos sem qualquer fundamento.

Os autores classificam de “maximalistas” as estimativas que colocam as perdas demográficas causadas pela praga entre um terço e 50% da população total do Império Bizantino, reduzindo esse índice para apenas 0,1%.

As dezenas de milhões de mortes geralmente encontradas nos livros de História são estimativas de mortalidade “completamente especulativas”. As contribuições arqueológicas revelam continuidade, e não mudanças bruscas, uma vez que “não há diferença óbvia” na proporção entre valas comuns e enterros individuais antes e depois de cada surto local.

Uma dos co-autoras da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, Merle Eisenberg, acrescenta que o estudo “reescreve a história de uma perspetiva ambiental”, uma vez que os resultados descartam “que a praga tenha sido responsável por mudar o mundo”.

Estudos anteriores concentraram-se “nas histórias escritas mais sugestivas, aplicando-as a outros lugares do mundo mediterrâneo e ignorando centenas de textos contemporâneos que não mencionam a praga”.

Segundo os investigadores, algumas regiões terão tido uma mortalidade mais alta em determinados momentos, como Constantinopla – a capital – durante o primeiro surto, mas, segundo os investigadores, essa tendência não pode ser generalizada.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Castração química proposta pelo Chega viola o 1.º artigo da Constituição

De acordo com o Conselho Superior de Magistratura (CSM), a proposta do Chega para castrar quimicamente quem é condenado por abuso sexual de menores, em casos especialmente graves, viola dois artigos da Constituição da República …

Já são 50 os militares dos EUA com lesões cerebrais após ataque iraniano

O Pentágono anunciou, esta terça-feira, que 50 militares norte-americanos foram diagnosticados com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. Na última sexta-feira, o porta-voz do Pentágono, Jonathan …

Republicanos não têm votos suficientes para travar novas testemunhas no julgamento de Trump

O líder do Partido Republicano no Senado disse, esta terça-feira, aos senadores que ainda não garantiu os votos para travar novas testemunhas no julgamento sobre a destituição de Donald Trump. O senador Mitch McConnell fez a …

Galpgate. Gestores da Galp vão a julgamento, mas políticos só vão ter de pagar multas

Os gestores da Galp ainda podem ir a julgamento pelas ofertas de bilhetes e viagens ao Euro 2016, mas os políticos que auferiram dos mesmos vão ver o processo arquivado mediante o pagamento de uma …

Partidos querem que o Parlamento controle injeções no Novo Banco

O PSD, Bloco de Esquerda (BE), PCP e PAN podem vir a aprovar uma alteração ao Orçamento do Estado deste ano para que novas injeções de capital no Novo Banco tenham de ser aprovadas pela …

Rafael Leão sobre Zlatan: "Costumava jogar com ele na Playstation, hoje fiz-lhe uma assistência"

O avançado de 20 anos fez o passe que permitiu a Zlatan Ibrahimovic fechar o resultado no triunfo (4-2) diante do Torino, num jogo a contar para os quartos-de-final da Taça de Itália. O AC Milan …

Antigo BPN ainda sai caro ao Estado (e a culpa é das "facturas" devolvidas pelo EuroBic)

A nacionalização do antigo BPN, no rescaldo da crise de 2008, continua a sair cara aos cofres do Estado. Os contribuintes portugueses ainda suportam gastos com conflitos que decorrem em Tribunal e com créditos tóxicos …

Francisco concorda com Passos. “CDS e PSD têm que erguer pontes em vez de erguer muros”

Francisco Rodrigues dos Santos, que no passado fim de semana foi eleito líder do CDS, disse que o PSD é o primeiro partido com quem quererá falar, propondo a construção de "pontes" em vez de …

"Insuficiente". Economistas dão nota negativa ao Orçamento no rigor e transparência

O Orçamento do Estado para 2020 recebeu a melhor nota desde 2010, no âmbito do Budget Watch, mas os 16 economistas que o avaliaram consideram que o documento continua a ser “insuficiente” em termos de …

Presidente da Palestina considera "absurdo" plano de paz de Trump

O Presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, considerou o plano de paz para o Médio Oriente do Presidente norte-americano Donald Trump como "absurdo" e o movimento libanês Hezbollah como uma "tentativa de eliminar os direitos do …