Afinal, Mordor existe mesmo (e os cientistas já o descobriram)

Reynolds et al., Geochem. Geophys. Geosyst., 2018

Os cientistas descobriram os restos de uma vasta extensão de fluxos de lava subaquática perto da costa australiana, uma paisagem subaquática em nada diferente do reino carbonizado de Mordor, descrito no Senhor dos Anéis – mas sem sinais do Sauron.

Com a utilização de tecnologia avançada, a equipa de cientistas descobriu os restos de 26 antigos fluxos de lava, que mediam até 34 quilómetros em comprimento e 15 quilómetros em largura. O estudo foi publicado na American Geophysical Union Journal, em novembro.

Com um máximo de 625 metros de altura, os picos do terreno não iriam facilitar a vida de Frodo Baggins, se não estivessem submersos, mas é a forma como os investigadores olharam para baixo do sedimento do fundo do oceano que torna esta descoberta tão notável.

“Ao utilizar dados recolhidos através da exploração de óleos, fomos capazes de mapear os antigos fluxos com um detalhe sem precedentes, revelando uma espetacular paisagem vulcânica que traz à mente ilustrações do Senhor dos Anéis”, disse um dos membros da equipa Nick Schofield da Universidade de Aberdeen, no Reino Unido.

“Os fluxos de lava submarinos são inerentemente mais difíceis de estudar do que os seus homólogos em superfície terrestre devido à inacessibilidade, e a tecnologia usada é semelhante em muitas formas à usada para produzir ecografias de bebés, mas para a Terra”, explica.

Chama-se dados de reflexão sísmica em 3D e é obtido através da digitalização de superfícies com ondas sísmicas.

Ao medir a forma como estas ondas se recuperam, os investigadores conseguem determinar a composição das características subterrâneas, que de outra forma, estariam escondidas de vista – neste caso, até 250 metros de sedimento.

À parte de ter uma grande ligação com o Senhor dos Anéis, a descoberta poderia, de facto, ensinar-nos mais sobre como os fluxos de lava entram em erupção e se espalham. As primeiras erupções, acredita-se, aconteceram há 35 milhões de anos.

Parte do que o que os cientistas descobriram na Bacia Bight, perto da costa sul da Austrália são uma série de kīpukas subaquáticas, ou ilhas criadas por fluxos de lava formados à volta dos limites.

Alguns destes fluxos de lava nunca foram estudados debaixo de água antes. Com mais de dois terços da atividade vulcânica na Terra a acontecer debaixo de água, quanto mais pudermos aprender sobre estes fluxos, melhor.

Todos os fatores têm de ser tidos em consideração para formar modelos precisos, incluindo o tamanho da erupção, mas este Mordor de profundidade dá aos especialistas uma paisagem do mundo real para analisar.

O que torna este sítio em particular apto para estudos é o facto de os fluxos de lava estarem relativamente próximos da superfície e não estarem cobertos por basalto, o que tornaria a digitalização sísmica mais difícil.

“Ao usar esta técnica, temos uma visão única de uma paisagem que permaneceu escondida por milhões de anos, sublinhando a importância crescente de dados sísmicos no estudo do vulcanismo submarino”, disse Schofield.

PARTILHAR

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …