ADSE recua e volta a comparticipar atos prescritos pelo SNS

A Associação Nacional de Beneficiários (Associação 30 de Julho) revelou que a ADSE recuou, perante uma reclamação da entidade, e vai voltar a comparticipar atos prescritos pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Na sequência da reclamação e das propostas apresentadas pela Associação 30 de Julho, o Conselho Diretivo da ADSE decidiu suspender a aplicação da Regra n.º 9, b), das novas tabelas da ADSE, com a consequente aceitação do financiamento dos atos prescritos pelo SNS ou SRS [Madeira]”, adiantou a entidade, em comunicado.

“Este é um importante resultado da iniciativa tomada pela Associação 30 de Julho, associação nacional de beneficiários da ADSE, que continua a exigir uma clara informação dos beneficiários e a defender a revogação desta regra”, lê-se na mesma nota.

Na sexta-feira, a associação tinha lamentado a ausência de comparticipação de atos prescritos pelo SNS na nova tabela de preços e regras.

Nessa altura, num comunicado, a organização indicou que os beneficiários da ADSE, tomaram conhecimento da nova “Tabela de Preços e Regras do Regime Convencionado e IPSS” no passado dia 1 de setembro, data em que entraram também vigor.

“A Associação 30 de Julho estranha e lamenta que a ADSE não tenha promovido a auscultação dos beneficiários a que, no seu entender, está obrigada por força dos princípios da participação e da transparência previstos, respetivamente, no Código do Procedimento Administrativo e no Estatuto do Pessoal Dirigente da Administração Pública, e espera que, de futuro, a ADSE atue em conformidade com estes dois princípios”, referiu.

A associação referiu também que a tabela é um documento “extenso e complexo cuja análise seria facilitada se a ADSE facultasse um quadro comparativo das duas tabelas que permitisse verificar quantos e quais os atos que sofreram alteração, em que montante e qual a sua repercussão nos copagamentos a cargo dos beneficiários”.

A Associação solicitou, assim, ao Conselho Diretivo da ADSE “a reapreciação da alínea b) da Regra n.º 9 (Regras Gerais) que dispõe: “9 – A ADSE não financia b) Atos prescritos por entidades do SNS e do SRS, os quais são da responsabilidade financeira respetiva”.

No documento, a direção da associação demonstrou-se “muito preocupada com as potenciais consequências negativas desta regra“, cuja aplicação impede os beneficiários de serem comparticipados pela ADSE quando os atos (análises, exames, etc.) tiverem sido prescritos por entidades do SNS.

Trata-se de uma alteração significativa face à tabela antiga, que estabelecia que, quando o beneficiário da ADSE utilizava uma prescrição médica emitida pelo SNS, “o prestador convencionado com a ADSE, se tiver convenção ou qualquer outra relação contratual com o Ministério da Saúde, deve informar o beneficiário dos seus direitos enquanto utente do SNS, designadamente sobre as taxas moderadoras a aplicar”.

“Os encargos com essa prestação só poderão ser assumidos pela ADSE desde que o beneficiário não opte pela taxa moderadora ou pelo seu regime de isenção”, estipulava.

Segundo noticia o Público, a introdução desta regra na nova tabela de preços resultou de uma recomendação do Tribunal de Contas, mas perante as críticas a ADSE acabou por suspender a medida, reconhecendo que em algumas regiões do país o SNS e o SRS têm dificuldades em dar resposta em algumas valências.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O quadro "Native American Treaty", de Roman Fekonja, mostra um tratado entre índios e colonizadores.

Com dedo português, estudo revela que índios norte-americanos têm uma origem inesperada

Um novo estudo, que contou com a ajuda de um programa desenvolvido por um português, sugere que os índios norte-americanos podem ter origem na Sibéria. Dá-se o nome de povos nativos dos Estados Unidos aos povos …

Enfermeiros marcam greve para 3 e 4 de novembro

Os enfermeiros que trabalham no Serviço Nacional de Saúde (SNS) vão fazer greve a 3 e 4 de novembro, uma paralisação decidida, esta sexta-feira, numa reunião que juntou sete sindicatos desta classe profissional. Na base da …

Sem surpresas, CDS, IL e Chega saíram de Belém a reafirmar o seu voto contra

No final das audiências com o Presidente da República, sem surpresas, os partidos de direita deixaram críticas à proposta do Orçamento do Estado e mantiveram a sua intenção de votar contra. "Este primeiro-ministro sempre sustentou a …

"Viagra dos Himalaias", o fungo mais caro do que ouro, mostra potencial contra cancro

Uma molécula produzida pelo chamado "fungo de lagarta", também conhecido por "Viagra dos Himalaias", pode fornecer uma base para tratamentos de cancro mais eficazes. Em ensaios clínicos recentes, o composto chamado cordicepina mostrou ser bem-sucedido a …

Bloco quer acordo escrito e Costa não diz que não. PCP diz que não houve avanços

O primeiro-ministro defendeu, esta sexta-feira, que a aprovação do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) não se prende em questões formais, mas sem excluir um "acordo escrito", tal como pediram os bloquistas. "Se quiserem um acordo …

Mulher de Rendeiro tem cinco dias para entregar obras de arte em falta

A mulher do ex-banqueiro será interrogada pelo tribunal na próxima sexta-feira e tem até quarta-feira para entregar à Polícia Judiciária (PJ) 15 obras de arte apreendidas em 2010 e que em recente diligência não foram …

Vacinação simultânea contra gripe e covid-19 arranca na segunda-feira

A vacinação em simultâneo contra a covid-19 e a gripe inicia-se na segunda-feira, abrangendo cerca de dois milhões de pessoas com 65 ou mais anos, adiantou à agência Lusa a diretora-geral da Saúde. "A norma vai …

Dois caranguejos à beira-mar

Os caranguejos são "hipnotizados" pelos campos eletromagnéticos dos cabos submarinos

Um novo estudo mostrou que os cabos submarinos podem estar a ter um "efeito hipnotizante" nos caranguejos castanhos. Mais preocupante: o campo eletromagnético produzido pelos cabos pode causar alterações celulares nos caranguejos comestíveis, tornando-os mais …

Método usa "capa de invisibilidade sonora" para fazer desaparecer objetos

Uma equipa de investigadores do Instituto de Geofísica de Zurique, na Suíça, desenvolveu um método que usa a acústica para ocultar objetos.  Quando ouvimos música, não ouvimos apenas as notas produzidas pelos instrumentos: estamos também imersos …

O planeta Vénus

Vénus já teve oceanos? De maneira nenhuma, dizem astrofísicos

Vénus já teve oceanos? Não, segundo o novo estudo de uma equipa de astrofísicos da Universidade de Genebra e da NCCR PlanetS, na Suíça. Nos últimos anos, vários estudos têm sugerido que Vénus pode já ter …