Cientistas do MIT criam adesivo inspirado em origami para feridas internas

Uma equipa de cientistas do Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos, desenvolveu um adesivo inspirado em origami para tratar feridas internas.

Atualmente, muitos procedimentos cirúrgicos podem ser realizados através de laparoscopia, uma técnica cirúrgica menos invasiva. No entanto, continua a ser muito difícil tratar lesões internas através de uma pequena incisão na pele. O Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveu uma solução, inspirada em origami.

De acordo com o New Atlas, o novo adesivo médico evita vários problemas dos adesivos cirúrgicos atuais e será um material fundamental para cirurgias remotas e robóticas.

A criação do MIT pode ser dobrada em torno de ferramentas cirúrgicas e inserido no corpo para selar feridas. O adesivo é como um pedaço de papel dobrado, muito semelhante a origami, a técnica japonesa de dobra de papel que não usa tesouras ou cola para criar esculturas.

O adesivo pode ser introduzido pelas vias aéreas, intestinos ou outras passagens estreitas e, ao entrar em contacto com órgãos ou tecidos húmidos, transforma-se num gel semelhante a uma lente de contacto, que adere firmemente ao tecido, selando a lesão.

Este comportamento permite que o material seja moldado nos contornos do tecido biológico e uma das grandes vantagens é que consegue resistir à contaminação por bactérias e fluidos corporais. Além disso, depois de um determinado período de tempo, o material biodegrada-se.

O seu design tem três camadas: o adesivo principal está na camada intermediária, que, quando entra em contacto com a humidade, cria uma vedação hermética. A camada inferior é um lubrificante temporário de óleo de silicone que evita que o adesivo se agarre a outra superfície e a camada superior é uma barreira contra bactérias.

Nos testes, a equipa diz que o adesivo se mostrou muito eficaz e que aderiu fortemente às amostras de tecido, mesmo depois de ser imerso em várias soluções, inclusivamente sangue.

A eficiência do modelo também foi testada, com o adesivo a ser dobrado com sucesso em torno de um cateter balão e de um agrafador cirúrgico, instrumentos usados em cirurgias minimamente invasivas. O material foi também introduzido em modelos animais e tudo correu como os cientistas esperavam.

O artigo científico com os resultados foi publicado no dia 1 de fevereiro na Advanced Materials.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rio Ave 0 - 2 Sporting | Leão invicto com uma garra no “caneco”

O Sporting registou o 31º jogo consecutivo sem perder na Liga NOS. Na visita ao Rio Ave, os “leões” venceram o Rio Ave por 2-0 e estão muito perto de conquistar o ceptro de campeões …

Taylor's lança vinho do Porto produzido na vindima de 1896 (e custa uma pequena fortuna)

A Taylor's vai lançar um "raro" vinho do Porto produzido na vindima de 1896, na Região Demarcada do Douro, e que tem uma edição limitada de 1.700 decantadores de cristal, embalados numa luxuosa caixa de …

"Este calendário pode ser muito mais perigoso do que finalizar o campeonato"

Dois treinadores de equipas femininas de andebol analisaram a sucessão de jornadas duplas em fins-de-semana consecutivos. Diogo Guerra avisa: "Este calendário é uma irresponsabilidade enorme. Só espero que ninguém se aleije". A primeira divisão nacional feminina …

Mulher dá à luz nove bebés, mais dois do que mostraram as ecografias

Uma mulher de 25 anos deu à luz nove bebés, mais dois do que mostraram as várias ecografias realizadas ao longo da gravidez. O caso aconteceu no Mali. Este está a ser considerado um recorde mundial …

Andrea Bocelli dá dois concertos em Coimbra em 25 e 26 de junho

O tenor italiano Andrea Bocelli vai atuar no Estádio Cidade de Coimbra em 25 e 26 de junho, em dois concertos que contam com a participação da fadista Mariza. "Em cumprimento das normas de segurança e …

Califórnia vai ter o maior sistema de armazenamento de energia não hidrelétrica do mundo

A empresa canadiana Hydrostor, que fornece soluções de armazenamento de energia de longa duração, revelou esta semana que irá desenvolver 1.000 MW de CAES na Califórnia, de acordo com um comunicado. O CAES é um tipo …

Seis anos e mil milhões de links depois, cientistas concluem que a Internet está a crescer (e a encolher)

Uma equipa de investigadores analisou mil milhões de links ao longo de seis anos e concluiu que a Internet está tanto a crescer como a encolher. O mundo online está em constante expansão — sempre agregando …

Há estranhas rádios-fantasma na Rússia (e exploradores entraram numa delas)

Aos 14 anos, um jovem comprou um rádio de ondas curtas e estava a testá-lo quando encontrou a transmissão errada - uma rádio fantasma. Imagine que é um entusiasta da rádio, sozinho à noite, a trabalhar …

Dinheiro e refeições grátis. A Sérvia vai recompensar os cidadãos que forem vacinados

O Presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, anunciou esta quarta-feira que serão pagos 25 euros aos cidadãos já vacinados contra a covid-19 e aos que se vão vacinar até final de maio, uma iniciativa original no …

Ivã, o (não tão) Terrível. Aliado de Putin reescreve história para reabilitar reputação do primeiro czar da Rússia

Segundo um alto funcionário russo, Ivã, o Terrível, não era terrível e a sua reputação de tirano cruel é o resultado de uma campanha de difamação realizada pelo Ocidente no século XVI. Nikolai Patrushev, o poderoso …