O que está a acontecer com o Pacífico? O maior oceano do mundo está em perigo (e nós também)

O Oceano Pacífico é o maior e mais profundo da Terra, cobrindo um terço do planeta. Um oceano tão vasto pode parecer invencível, mas apesar do seu tamanho, o seu delicado equilíbrio ecológico está em perigo.

À medida que expelimos dióxido de carbono na atmosfera, o Pacífico, tal como o resto dos oceanos, está a aumentar os seus níveis de acidez, e isso pode ser muito prejudicial tanto para os ecossistemas que nele habitam como para os seres humanos.

Os oceanos produzem a maior parte do oxigénio que respiramos, pois regulam o clima, fornecem-nos alimentos, são locais de diversão e recreação, mas também de bem-estar. Contudo, se não cuidarmos dele o resultado pode ser catastrófico, e o Pacífico já está a dar sinais.



O problema do plástico do oceano

Há evidências científicas do problema da presença do plástico no Oceano Pacífico desde a década de 1960. Apenas 20 rios são responsáveis ​​pelo transporte de dois terços do plástico dos oceanos do mundo e, desses 20, 10 desaguam no Pacífico Norte.

Os resíduos de plástico dos oceanos representam um perigo para a vida marinha, pois os animais podem ficar presos em detritos, como redes de pesca descartadas, causando ferimentos ou até mesmo afogamento.

Estes plásticos podem entupir a boca dos animais ou acumular-se nos seus estômagos. Quando isso acontece, os animais normalmente morrem de forma lenta e dolorosa.

Ainda assim, e em outros casos, o lixo de plástico pode acabar em diferentes locais do oceano. Uma parte afunda, outra acaba nas praias, e uma outra flutua na superfície carregada por correntes, ventos e ondas.

Cerca de 1% do lixo plástico acumula-se em cinco “ilhas de lixo” localizadas em mar aberto nas regiões subtropicais. Estes locais foram formados como consequência da circulação oceânica.

Existem duas ilhas de lixo subtropicais no Pacífico: uma no hemisfério norte e outra no hemisfério sul. O acúmulo de lixo no Pacífico Norte é dividido numa grande ilha oriental localizada entre a Califórnia e o Havaí, e uma ilha ocidental localizada a leste do Japão.

A ilha oriental foi descoberta no início do ano 2000 e é conhecida como A Grande Ilha do Lixo do Pacífico por representar a maior concentração de plásticos ambos por extensão (cerca de 1,6 milhão de quilómetros quadrados) conforme a quantidade de resíduos. A ilha de lixo do Pacífico Sul está localizada na costa de Valparaíso (Chile) e estende-se a oeste.

Com o tempo, os plásticos maiores tornam-se em microplásticos. Em altas concentrações, estes plásticos fazem com que a água adquira uma cor “turva”.

Parar melhorar esta situação, implicaria desenvolver planos de recolha e reciclagem de plásticos, ou até mesmo ceder a uma interrupção da produção.

Atividade piscatória à beira do colapso

Por ser o maior e mais profundo oceano do planeta, o Pacífico possui uma das maiores atividades piscatórias do mundo. Durante milhares de anos, a população usou esta região como zona de pesca para satisfazer as suas necessidades de alimentação e sustento.

Contudo, em todo o mundo, e não apenas no Pacífico, a pesca está a reduzir as populações de peixes a um ritmo mais acelerado do que demoram para se recuperar. Esta sobre exploração da pesca é considerada uma das maiores ameaças que os oceanos do mundo enfrentam.

Os humanos extraem cerca de 80 milhões de toneladas de vida selvagem dos oceanos a cada ano. Mas a redução das populações de peixes não é um problema apenas para os humanos, uma vez que os peixes desempenham um papel central nos ecossistemas marinhos e são um elo fundamental nas cadeias alimentares dos oceanos.

A sobre exploração da pesca ocorre quando os humanos extraem recursos acima do nível máximo, conhecido como “rendimento máximo sustentável”. A pesca acima desse nível causa o declínio afeta as cadeias alimentares, degrada os habitats e leva à escassez de alimentos para os humanos.

Existem muitas razões pelas quais ocorre a sobre exploração e pela qual esta permanece descontrolada. Os dados objetivos apontam que a pobreza dos pescadores nos países em desenvolvimento, a má gestão da pesca e comunidades piscatórias, a baixa conformidade com as restrições de pesca devido a autoridades locais fracas, são algumas das grandes razões.

Para evitar a sobre exploração, os governos devem combater o problema da pobreza e o acesso à educação nas comunidades piscatórias pobres, diz o The Conversation.

A luta contra a sobre exploração no Pacífico também deverá exigir a cooperação entre os países para controlar a atividade piscatória e garantir o cumprimento das restrições.

O colapso de áreas de pesca em todo o mundo apenas demonstra até que ponto a vida marinha é vulnerável. Milhões de pessoas dependem da produção de peixes para obter o seu sustento, mas se as coisas continuarem assim, não haverão apenas danos apenas nos aos oceanos, mas também a nós próprios.

Uma reação química

O aumento da acidez do oceano significa um diminuição do pH da água do mar e isto é causado pela absorção de dióxido de carbono da atmosfera. Este é mais um problema para os oceanos.

Os oceanos absorvem até 30% do CO₂ da atmosfera, o que desencadeia uma reação química que faz com que as concentrações de iões de carbono caiam e os iões de hidrogénio aumentem. Essa mudança faz com que a acidez das águas do oceano aumente.

Os iões de carbono são os blocos de construção das estruturas dos corais e dos organismos criadores de conchas. Perante esta situação, moluscos demonstraram ter mais dificuldades em criar e restaurar as suas conchas.

O aumento da acidez do oceano também é um problema para os peixes, uma vez que são muitos os estudos que indica que níveis elevados de dióxido de carbono podem alterar o seu olfato, visão e audição.

Dos sete oceanos do mundo, os oceanos Pacífico e Índico apresentam o maior aumento nos níveis de acidez desde 1991, o que significa a sua vida marinha é provavelmente também a mais vulnerável.

No entanto, o aumento da acidez dos oceanos não afeta todas as espécies marinhas de igual forma. Além disso, esses efeitos não são os mesmos ao longo da vida de cada organismo.

Ainda não é tão tarde

O aumento da acidez dos oceanos não é apenas uma ameaça para os corais. Devido às mudanças climáticas, a taxa de aquecimento dos oceanos duplicou desde a década de 1990. A Grande Barreira de Corais, por exemplo, viu um aumento de temperatura de 0,8 graus desde a Revolução Industrial.

Neste sentido, a redução das emissões de gases de efeito estufa deve tornar-se numa preocupação global. Se o mundo atingir as metas do Acordo de Paris e impedir que as temperaturas globais aumentem acima de um grau e meio, o Pacífico pode conseguir sofrer quedas menos drásticas no pH oceânico.

No entanto, é necessário reduzir as emissões para manter o aquecimento global abaixo de 1,5 graus.

As decisões que tomamos hoje irão afetar a vida dos oceanos amanhã.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Falta dizer quem são os principais responsáveis, onde se incluem China e Índia, que devem hospedar grande parte desses rios que contaminam os oceanos com plástico, juntamente com vários países subdesenvolvidos. Mas o ónus da culpa parece cair sempre em nós, em jeito de preparativo para quando nos cair mais uma “taxa verde”, para expugnarmos os nossos pecados.

    • Meu caro, isto é um processo cumulativo que dura há anos. Certamente a China e a India são dos maiores poluidores nos últimos 20 anos. Mas… e antes? Desde a revolução industrial até agora ? Quem foram os grandes poluidores? Faça as contas mas faça-as todas.

  2. “Bla bla bla .. a redução das emissões de gases de efeito estufa ”
    Propaganda.
    Se escrevessem era que 90% do plástico nos oceanos vem da Ásia, leia-se, China.

  3. O problema está em que o planeta já está superlotado de seres humanos, já são demais, mas os políticos assobiam para o lado e nada pensam resolver, estão mais interessados em novos armamentos e saber o que se passa em qualquer outro planeta inóspito.

  4. O plástico é o grande vilão de toda essa calamidade. A pesca predatória é outra grande culpada e nós sabemos que os japoneses, chineses, estão dizimando as baleias, tubarões , atuns e os mais variados frutos dos mares. A razão de tudo é a FOME. Somando, China , Índia, Japão, temos 50% da população do Planeta Terra. Arroz e soja não resolvem a carência que esses países precisam para alimentar os seus habitantes. Olhe lá, se em breve não teremos uma explosão migratória com a população chinesa saindo aos montões atrás de comida? Os oceanos não darão vazão aos milhões de corpos humanos a flutuar em suas águas e não terem nem baleias nem tubarões para fazer a ¨limpeza¨ e juntando-se ao lixo dos plásticos formarão enormes ilhas espalhadas pelos confins do mundo. è o que pensa [email protected]

RESPONDER

Marcelo pede ao TC fiscalização do artigo 6.º da Carta de Direitos na Era Digital

O Presidente da República pediu, esta quinta-feira, ao Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva do artigo 6.º da Carta Portuguesa de Direitos Humanos na Era Digital em vigor, tendo em conta o "importante debate público" sobre …

Portugal regista mais 10 mortes e 3009 casos de covid-19

Portugal registou, esta quinta-feira, mais 10 mortes e 3009 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 3009 novos …

Ministra da Coesão diz que Portugal vai precisar de imigrantes

A ministra da Coesão Territorial disse hoje que a perda de população é preocupante e que Portugal vai ter de trabalhar numa política de imigração muito ativa e acolhedora para fazer face aos investimentos previstos. "Estando …

Testes rápidos serão gratuitos até ao final de agosto

A comparticipação a 100% dos testes rápidos de antigénio (TRAg), que vigorava até final do mês, foi alargada até 31 de agosto, segundo uma portaria esta quinta-feira publicada em Diário da República. "Perante a atual situação …

Tiago Antunes acusa Rui Rio de usar Constituição como "moeda de troca" para agradar ao Chega

No podcast Política com Palavra do PS, o secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, Tiago Antunes, acusou Rui Rio de propor a revisão da Constituição e do sistema eleitoral como "moeda de troca" para o …

Pedro Nuno Santos quer receitas da rodovia a ajudar a financiar a ferrovia

Há dois anos, o ministro defendia a possível separação da REFER das Estradas de Portugal. Agora, volta atrás e quer que as receitas de rodovia ajudem a financiar a ferrovia. O Ministro das Infraestruturas e da …

A China está a construir 110 novos silos nucleares. Estados Unidos estão preocupados

Na segunda-feira, a Federação de Cientistas Americanos (FAS) publicou um relatório no qual denuncia a existência de um campo de instalações nucleares perto da cidade de Hami, na província chinesa de Xinjiang. Estarão a ser …

Inglaterra desconfinou totalmente. Então, porque estão os novos casos a descer?

O fim das restrições a 19 de Julho fez soar alarmes por toda a Europa sobre o possível aumento exponencial de casos. Na verdade, o número de novos casos tem vindo a descer e a …

Siza Vieira admite possibilidade de "alargar" funcionamento das atividades económicas

O ministro de Estado e da Economia disse que o Conselho de Ministros desta quinta-feira vai analisar "todas as medidas restritivas" atualmente em vigor e terá a possibilidade de "alargar" o funcionamento das atividades económicas. "Eu …

Relatório do Novo Banco. Centeno, Costa e Ramalho ficam mal na fotografia

A versão final do relatório do Novo Banco apontou mais responsabilidades a Mário Centeno e António Costa, visto estarem ambos no governo durante a venda. A tese do Banco de Portugal sobre as injecções de …