//

Artistas capturaram o ar da Índia e fizeram uma “sobremesa tóxica”. Sabe a poluição

“Arenoso, com notas de carvão queimado, misturado com o cheiro metálico de gasolina e uma pitada de produtos químicos – um sabor tão tóxico que sufoca a garganta e dá vontade de lavar a boca várias vezes.” Assim se descreve o sabor da poluição do ar na capital da Índia, Nova Deli – se se pudesse provar.

No início deste mês, o Índice de Qualidade do Ar (AQI) da cidade de Nova Deli, na Índia, subiu drasticamente para limites perigosos de mais de 900, tornando-a a capital mais poluída do mundo pelo terceiro ano consecutivo.

O AQI em muitas cidades na Índia, China, Paquistão e outros países oscila na faixa de mau a grave ao longo do ano. No entanto, é apenas quando a poluição se torna mais densa a níveis perigosos e podemos vê-la visivelmente, cheirá-la e começar a ser sufocados por ela, que as pessoas começam a falar sobre ela.

A intangibilidade da poluição do ar tem muito a ver com esse discurso – ou a falta dele. É isso que o centro de estudos liderado por artistas de Portland, Center for Genomic Gastronomy, quer retificar com a sua investigação criativa em andamento chamada Smog Tasting.

“Ao transformar o processo amplamente inconsciente de respirar no ato consciente de comer, o projeto cria uma interação visceral e instigante com o ar ao nosso redor”, disse o co-fundador Zack Denfeld, em declarações ao Vice.

O objetivo é dar às papilas gustativas uma amostra do que os pulmões experimentam.

Em 2011, Denfeld e Cathrine Kramer tiveram a ideia de criar suspiros de poluição durante um workshop na cidade de Bengaluru, no sul da Índia. Durante a leitura do guia de química culinária de Harold McGee, On Food and Cooking, encontraram uma frase que dizia: “Graças às claras de ovo, podemos colher o ar e torná-lo parte integrante dos suspiros”.

A frase poética “colher o ar” inspirou a dupla a pensar sobre como poderiam colher e saborear a poluição do Bengaluru que os envolvia todos os dias.

Juntamente com os participantes do workshop, saíram pelas ruas da cidade com tigelas, batedeiras e claras de ovo, batendo suspiros em vários locais e voltando à cozinha da oficina para assá-los.

“Voluntários experimentaram estes suspiros conseguiram identificar um elemento picante ou apimentado. Muitos notaram que o sabor dos suspiros de poluição de Yelahanka (um subúrbio arborizado) era comparativamente melhor do que os do Mekhri Circle (entroncamento urbano movimentado)”, contou Denfeld.

Com esta colisão de culinária e poluição, nasceu o projeto Smog Tasting com a intenção de utilizar espumas de ovo para colher, provar e comparar a poluição do ar de diferentes locais em todo o mundo.

Desde então, o projeto cresceu para incluir uma variedade de métodos para sentir, analisar e avaliar o sabor único da atmosfera de um lugar. Isso inclui experiências de degustação e olfato guiadas, meditações sobre a poluição e um novo sintetizador de poluição que funciona como um carrinho de comida experimental para gerar o cheiro e o sabor da poluição do ar de vários lugares e épocas.

Nos anos desde a sua conceção, Smog Tasting viajou ao redor do mundo e serviu suspiros de poluição até a ministros da saúde na Organização Mundial da Saúde (OMS) em Genebra, bem como durante a conferência COP-21 em Paris em 2015.

Em 2017, foi criada uma rede internacional de colhedores de poluição humana como parte da primeira sessão de Smog Tasting: Take Out no Fuller Symposium em Washington D.C. organizado pelo World Wide Fund for Nature (WWF).

Os participantes foram convidados a preparar suspiros em Londres, Perth, Pequim, Barcelona, Washington DC, Porto e Mumbai. As amostras foram enviadas por correio para o Simpósio, onde foram degustadas e comparadas.

“Eu experimentar os suspiros de todos os cidades que nos enviaram as suas amostras. Todos tinham sabores diferentes, mas o de Mumbai tinha o gosto mais poluído – metálico com uma nitidez em torno dos dentes”, disse Martha Stevenson, diretora sénior de estratégia e pesquisa da equipa florestal do WWF-US, que ajudou a facilitar a instalação e também foi uma das colhedoras de poluição em Washington DC.

Segundo Stevenson, este projeto “ajuda a compreender a degradação ambiental em lugares tão distantes e a entender como isso nos afeta”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.