A maior onda de choque no Universo pode ser 60 vezes maior do que a Via Láctea

Susan Stolovy / NASA

Centro galáctico

A onda tem vindo a rebentar pelo espaço a uma velocidade próxima de luz há 200 milhões de anos.

O que acontece quando dois dos maiores objetos do universo colidem? Esta é uma pergunta a que os autores de um novo estudo científico tentaram responder, focando a sua análise na Abell 3667, uma galáxia localizada a 730 milhões de anos luz da Terra, que na realidade é composta por dois grupos de galáxias que colidem entre si. Na realidade, a Abell 3667 contém mais de 550 galáxias individuais que se mexem lentamente num grande gumbo cósmico.

Este fenómeno não é facilmente visível na maioria dos telescópios, mas a colisão cósmica criou uma enorme perturbação na região – uma onda de choque gigantesca que se ergue de ambos os lados do aglomerado em fusão, e visível apenas em comprimentos de onde de rádio.

Num novo estudo publicado no início de fevereiro, na revista Astronomy & Astrophysics, os autores oferecem uma imagem mais detalhada alguma vez captada desta onda. A sua observação foi possível através do conjunto de radiotelescópios MeerKAT na África do Sul, nos quais os investigadores imitaram  as metades de componentes da onda de rádio de choque, tendo descoberto que as estruturas são muito mais complexas do que as observações anteriores indicadas.

“As ondas de choque atuam como aceleradores de partículas gigantes e aceleram os eletrões quase à velocidade da luz” explicou Francesco de Gasperin, o autor principal do estudo e investigador do Observatório de Hamburgo ao site Live Science. “As ondas são enfiadas por um intrincado padrão de filamentos brilhantes que traçam a localização das linhas gigantes do campo magnético e as regiões onde os eletrões são aceleradas.”

Segundo os investigadores, a onda de choque começou há cerca de um bilião de anos, quando os dois aglomerados de galáxias que compõem Abell 3667 colidiram pela primeira vez. Os conjunto de galáxias são as estruturas gravitacionais com maiores dimensões do universo: quando os dois se fundem, libertam a maior quantidade de anergia num único evento desde o Big Bang.

À medida que as ondas disparava eletrões para o espaço a uma velocidade próxima da luz, as partículas rasgavam através de campos magnéticos na região. Os investigadores também descobriram que essas ondas de rádio se movem cada um a mais de 3,3 milhões de milhas por segundo e estão a cerca de 13 milhões de anos luz uma da outra. Cada uma mede 60 vezes maior do que toda a galáxia da Via Láctea, que se estende por cerca de 100 mil anos-luz de diâmetro.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.