Novo vício na internet: vigiar os voos de políticos, celebridades e até contratações de futebol

Os eventos políticos são os que mais internautas atraem, como foi o caso da visita de Nancy Pelosi a Taiwan esta semana, mas também as deslocações dos jogadores de futebol durante o mercado de transferências estão a ser monitorizadas.

Se, com a chegada do verão, tem familiares a viajar e pretende saber a localização do voo para garantir que tudo segue de acordo com os conformes, fique a saber que há já uma ferramenta na internet que o permite. O Flight Radar é, na realidade, já utilizado por muitos para assistir ao vivo a voos secretos de altos dignatários ou acompanhar os movimentos de um responsável por um quartel da droga em tempo real. Todos estão a ser transmitidos em direto no e alimentam os rastreadores de voos, uma autêntica legião de fãs online

Na terça-feira, um novo recorde foi batido, depois de milhares em todo o mundo se terem ligado ao site para assistirem ao voo de sete horas de Nancy Pelosi desde Kuala Lumpur até ao Taipé. A viagem, envolta em segredo até aos seus momentos finais, atraiu a atenção internacional depois de a China ter feito ameaças militares nas semanas que antecederam a visita, tendo depois iniciado exercícios militares.

Muitos taiwaneses ficaram colados aos ecrãs, comparando o momento à “contagem decrescente do ano novo“, o pai tinha comentado secamente, relata o The Guardian.

Ian Petchenik, o chefe de comunicações da Flightradar24, confirmou que o site tinha visto “um interesse sustentado sem precedentes” em relação ao voo de Pelosi, e no momento alto, um recorde de 708.000 pessoas estavam simultaneamente a ver o pequeno ícone vermelho que representava o Boeing C-40C – enquanto circulavam as Filipinas para contornar as bases chinesas no Mar do Sul da China, sempre sob a cobertura vigiada de um trio de porta-aviões norte-americanos

A quantidade de tráfego tornou o Flightradar24 “instável para alguns utilizadores” e o site foi forçado a limitar o acesso em certos momentos. No total, 2,92 milhões de pessoas acederam para monitorizar alguma parte do seu voo, cerca de três vezes mais pessoas do que as que o seguiram na CNN em horário nobre, por exemplo.

O Flightradar24 já teve outros grandes momentos de procura no passado, a maioria ligada a momentos políticos importantes, afirma o The Guardian. Cerca de 550.000 internautas acompanharam o voo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, ao regressar a Moscovo em 2021 para enfrentar a prisão. Milhares de pessoas seguiram o rasto de um Global Hawk da força aérea norte-americana que viajou pela Ucrânia durante a invasão russa, antes de sobrevoar o Mar Negro. Os espectadores também utilizaram o site em massa para acompanhar a caótica retirada dos EUA do Afeganistão.

A atração do site é simples, disse Petchenik: “Participa-se na história em tempo real. Se as notícias são o primeiro rascunho da história, então este é o pré-escrito“. Os dados do Flight Tracker não têm praticamente nenhum atraso, proporcionando uma sensação crua de imediatismo. Outra interpretação, aponta Petchenik, é a experiência de assistir a voos com outros e discuti-los nas redes sociais.

Não são apenas os eventos noticiosos globais que despertam a atenção do tráfego do site. À medida que se aproxima o fim do mercado de transferências, torna-se também uma ferramenta essencial para os fãs do desporto. “Vemos o maior interesse durante a janela de mercado do futebol europeu“, disse Petchenik. “As equipas têm claques de fãs muito dedicadas”. Vão descobrir em que voo está o seu jogador favorito e vão seguir esse voo”.

Os controladores de voo dependem de uma nova tecnologia de vigilância de padrão aberto, chamada ADS-B (automatic dependent surveillance-broadcast), que permite aos aviões transmitir a sua localização e outras informações a qualquer pessoa com recetor. Os dados da ADS-B Exchange fizeram manchetes já este verão, quando um ambientalista os utilizou para calcular as emissões de carbono produzidas por celebridades, incluindo Drake, Kylie Jenner, Travis Scott e Taylor Swift – que respondeu que o seu jato é “emprestado frequentemente a outros indivíduos”.

Ainda assim, Steufert ressalva que por vezes os aviões de alto perfil transmitem deliberadamente os seus dados ADS-B. “Quando a guerra da Ucrânia começou, era possível ver os EUA a ligar estrategicamente os seus transponders de aviões na área para enviar uma espécie de mensagem. Numa zona quente como esta, sabe-se que eles não a deixam acidentalmente ligada“.

Steufert diz que as agências oficiais utilizam frequentemente os dados da ADS-B Exchange, cuja rede de base pode captar movimentos que os sistemas oficiais não captam. “Temos muitos tipos de estações terrestres baratas onde as agências governamentais provavelmente têm muito menos, mas muito mais sofisticadas, estações terrestres. Há prós e contras para cada forma de controlar o tráfego. Mas também há menos burocracia para ter acesso ao nosso sistema”.

A ADS-B Exchange partilha frequentemente os seus dados com os investigadores de acidentes aéreos, e também tem contratos com o departamento de Defesa dos EUA, disse Steufert. “Eles não nos dizem realmente para que o utilizam, mas ajuda a cobrir alguns dos custos”.

Steufert diz que este tipo de sites como o seu não estão a fazer nada de errado. “Não interpretamos os dados – deixamos isso aos jornalistas, meios de comunicação social, investigadores, seja quem for, para interpretar o que isso possa significar. Mas podemos partilhar a quantidade de dados que quisermos”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.