A Grande Demissão abalou o mercado de trabalho, mas só a geração Z saiu a ganhar

Múltiplos estudos apontam que os jovens com idades compreendidas entre os 20 e os 24 anos têm abordagens distintas ao trabalho, não sendo para eles um problema trocar de entidade patronal quando consideram que as suas necessidades não estão a ser preenchidas.

É inquestionável que a pandemia veio introduzir mudanças significativas no mercado, desde o teletrabalho a uma onda de demissões que varreu os Estados Unidos da América e impactou os números do desemprego durante meses a fio.

No entanto, segundo o Business Insider, com a passagem do tempo é possível perceber que a geração Z parece ser a grande vencedora desta dinâmica.

Na realidade, parecem ser a geração mais suscetível de mudar de emprego e estão a obter os maiores aumentos salariais quando o fazem, segundo um relatório do Bank of America Institute e dados do LinkedIn fornecidos ao site Insider.

Paralelamente, são também os mais jovens que estão a pensar em entregar as suas cartas de demissão nos próximos dois anos, com base numa pesquisa global efetuada pela consultora Deloitte – apesar de se denotar uma diminuição face ao ano anterior, num sinal que a Grande Demissão pode estar a abrandar.

Por agora, a geração Z está a aproveitar a falta de mão-de-obra e a sua posição flexível na vida para encontrar o emprego certo para o dinheiro certo.

Segundo dados recentes do LinkedIn, onde o grupo etário entre os 20 e os 24 anos é tido como a geração Z, mostram que as transições de empregos do dos jovens em abril de 2022 foram 29,5% mais elevadas do que um ano antes.

Isto é cerca de 20 pontos percentuais mais elevado do que os 9,6% de aumento registado entre millennials, de acordo com os dados do LinkedIn.

As transições de postos de trabalho entre indivíduos pertencentes à Geração X (nascidos entre 1965 e 1981) foram  em abril de 2022 do que em abril de 2021.

Os dados do Bank of America mostram uma versão semelhante, onde cerca de um quarto da geração Z esteve empregada nos últimos seis meses, a percentagem mais elevada entre as gerações durante este período.

Karin Kimbrough, a economista chefe do LinkedIn, disse numa declaração que “é normal que os iniciantes de carreira estejam numa fase experimental em que ainda estão a descobrir o que querem de um emprego, não estando sempreprontos e dispostos a estabelecer-se”.

Por sua vez, Jason Dorsey, que investiga o Geração Z, disse ao Yahoo Finance que esta “é realmente uma altura perfeita para os joevns darem esse salto”. “Têm a menor responsabilidade em termos de família, criança, casas, carros, e assim por diante”.

O relatório do Bank of America Institute concluiu que “o aumento médio dos salários associado às mudanças de emprego”, com base nos dados salariais anuais de maio de 2021 a abril de 2022, se fixou nos 17,6%. “Por outras palavras, e talvez sem surpresa, compensou a mudança de emprego”, diz o relatório.

Para a Geração Z, este aumento salarial é de 29,7%, a maior percentagem entre gerações, de acordo com dados do Bank of America.

Ainda assim, não são apenas os jovens trabalhadores que mudam de emprego que estão a ver mais dinheiro nas suas contas bancárias.

Dados de crescimento salarial anual de maio de 2021 a Abril de 2022 mostram que, em geral, os jovens estão a registar aumentos salariais mais elevados em comparação com outras gerações.

David Tinsley, diretor do Instituto Bank of America, explicou que o nível de educação dos jovens poderia ser a justificação mais credível. “Algumas das subidas dos salários dos jovens refletem o facto de estarem a embarcar nas viagens de carreira partindo da educação, o que inevitavelmente pressupõe mudanças salariais significativas“.

Os millennials estão também a ver um crescimento salarial acima da média de 9,2%. Tinsley disse que os estes podem ter as competências específicas que as empresas pretendem e que isso também pode ser um resultado da “grande rotação das despesas de bens para as despesas de serviços”.

O funcionário do Bank of America considera que as indústrias de serviços como as viagens, o entretenimento e o lazer tendem a contratar trabalhadores mais jovens.

Independentemente da mudança de empregos, a geração Z está a pensar nos empregos que lhes são oferecidos, nos benefícios apresentados e nas obrigações que implicam.

“A noção de que são apenas ‘saltitões’ é uma descaracterização completa do que esta geração quer – pelo que ouvimos dos membros da geração z no LinkedIn, eles avaliam cuidadosamente os prós e contras de cada oportunidade e estão dispostos a partir para uma empresa que se alinha melhor com os seus valores e investe mais no desenvolvimento de competências e no crescimento da carreira”, explicou Kimbrough.

“Neste mercado de trabalho em que nos encontramos, o poder de negociação ainda está inclinado a favor do trabalhador e os jovens estão bem cientes disso”.

De acordo com um questionário global da Deloitte, 37% da geração z e 36% dos milenares disseram que “rejeitaram um emprego ou missão com base na sua ética pessoal”. Também não pretendem continuar nos seus empregos atuais caso estes os obriguem a regressar ao escritório em permanência.

O mesmo ponto foi corroborado por um inquérito do ADP Research Institute, onde se concluiu que é mais provável que os integrantes da geração Z pense num novo emprego se a sua empresa exigir que voltem a tempo inteiro para o escritório.

“Este grupo está certamente a procurar emprego a um ritmo ainda mais elevado do que seria de espera, e quando pesquisamos os membros do LinkedIn, os jovens destacam-se como o grupo mais suscetível de se afastar de um emprego se não oferecer determinados benefícios como uma política de trabalho flexível”, disse Kimbrough à Insider.

A Deloitte e a Rede de Mulheres Executivas destacam ainda num outro relatório que os empregadores vão precisar de uma “mentalidade diferente” para contratar e manter os integrantes da geração Z.

“Os empregadores vão precisar de compreender os comportamentos e tendências de uma geração que espera muito mais personalização na forma como são tratados pelo seu empregador”, escreveram as autoras.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.