90% das mortes por desastres naturais ocorrem em países “pobres”

(dr) Narendra Shrestha / EPA

Uma nepalesa beija a filha em frente aos escombros da sua casa, em Baluwa, Nepal, depois do terremoto em 2015

Uma nepalesa beija a filha em frente aos escombros da sua casa, em Baluwa, Nepal, depois do terramoto em 2015

Nos últimos vinte anos, mais de 7 mil desastres naturais causaram 1,35 milhões de mortes, sendo que mais de metade das vítimas morreu em terramotos e 90% das mortes foram registadas em países de baixa e média renda.

Os dados são do relatório “Poverty and Death: Disaster Mortality 1996-2015” (Pobreza e Morte: Mortalidade em Desastres 1996-2015), divulgado na passada quinta-feira, pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que, enquanto os países desenvolvidos sofrem perdas económicas em desastres, os países “pobres” pagam com vidas.

“Podemos substituir os bens materiais, mas não podemos substituir as pessoas”, disse o secretário, que pediu a todos os governos uma mudança de cultura de reação para prevenção.

O relatório constatou a existência de uma relação direta entre o número de mortes em desastres e os níveis de desenvolvimento de um país.

(dr) UNOSDR

Os 20 desastres mais mortíferos dos últimos 20 anos

Os 20 desastres mais mortíferos dos últimos 20 anos

Durante o período analisado no estudo, os países “pobres” perderam mais de um milhão de pessoas em desastres.

O Haiti, por exemplo, sofreu um terramoto devastador em 2010, três anos de seca relacionada com o fenómeno El Niño, e, na semana passada, foi assolado pelo furacão Matthew – que, até o momento, já deixou mais de 400 mortos.

Com quase 230 mil mortos ao longo dos últimos vinte anos, o país está no topo da lista de mortes relacionadas com desastres, seguido pela Indonésia (182 mil), Myanmar (139 mil), China (123 mil), Índia (97 mil), Paquistão (85 mil), Rússia (58 mil), Sri Lanka (36 mil), Iraque (32 mil) e Venezuela (30 mil).

Nenhum país de rendimentos elevados está entre os dez primeiros da lista mas a França, Itália, Espanha e Japão estão entre os 20 países mais afetados.

ZAP / Ciberia

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Não seria também útil saber a percentagem de desastres naturais que atinge os país “pobre”? Porque se houverem mais desastres naturais em países “pobres”, também é normal haver mais mortes. Também seria bom saber a percentagem de mortos por 1000/habitantes, para haver termos de comparação. Porque morrerem 1000 pessoas no Blagladesh é muito diferente de morrerem 1000 pessoas no Vaticano.
    Li o relatório por alto e não vi as minhas dúvidas respondias. Mas pode ser por ter lido apenas por alto.

    • Caro RM,
      É de facto “natural” haver mais mortes em países “pobres” não porque haja mais desastres nesses países, mas por outros tipos de correlações. Por exemplo, a qualidade de construção, técnicas e materiais usados para construir casas e prédios leva a que um terramoto de grau 7.9 faça abanar arranha-céus em Tóquio e possa arrasar uma cidade no Nepal.

  2. E não é que faz mesmo referência ao número de mortes por habitante?! My bad. Mas a notícia continua a não ser muito elucidativa.

RESPONDER

Redução de 3% na eletricidade para o mercado regulado entra em vigor esta terça-feira

A descida do preço da tarifa aplicada no mercado regulado de cinco euros por megawatt/hora (MWh), ou seja, uma redução de aproximadamente 3% no total da fatura de eletricidade dos consumidores, entra esta terça-feira em …

Em termos económicos estamos pior que "numa situação de guerra", diz Daniel Bessa

“Na recuperação da economia não podemos esperar uma fase ascendente tão rápida. Vamos ter uma recuperação mais lenta", alerta o economista Daniel Bessa. O economista Daniel Bessa considera que a atual situação económica, decorrente da pandemia, …

Escolas não devem reabrir em abril

Esta terça-feira ao início da tarde, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu que as escolas vão manter-se fechadas até ao final de abril. Marcelo Rebelo de Sousa esteve reunido, esta terça-feira, com especialistas …

Câmara de Comércio e Governo criam gabinete de apoio às empresas

A Câmara de Comércio e Indústria (CCIP) e o Governo criaram um gabinete de apoio às empresas para esclarecer e facilitar o acesso das companhias às ajudas lançadas pelo executivo. Segundo noticiou a TSF, a estrutura, …

Tragédia continua. Encontrado corpo de sobrinha-neta de John F. Kennedy

O corpo da sobrinha-neta do ex-Presidente norte-americano John F. Kennedy, que estava desaparecida com o filho desde quinta-feira, foi encontrado na segunda-feira, informaram esta terça-feira os meios de comunicação norte-americanos. Maeve Kennedy Townsend McKean, de 40 …

Jornal Económico e A Bola avançam para regime de lay-off

O Jornal Económico e o desportivo A Bola vão avançar para o regime de lay-off devido a quebras significativas nas vendas e publicidade desencadeadas pela pandemia de covid-19, que já fez mais de 300 vítimas …

Moratória nos créditos à habitação não suspende Seguros (e pode ter que os pagar durante mais tempo)

A suspensão dos pagamentos dos empréstimos do Crédito à Habitação, por parte dos clientes bancários que queiram aderir à moratória aprovada pelo Governo, pode não travar os pagamentos dos Seguros de Vida e Multi-riscos que …

Espanha poderá ser o primeiro país na Europa a avançar com rendimento básico universal

A ministra da Economia espanhola assegurou, este domingo, que o Governo está a trabalhar para aplicar o rendimento básico universal, embora não tenha dado ainda uma data concreta. Em declarações ao canal televisivo laSexta, a ministra …

Presidente revela que não está imune e é contra "descompressão" de medidas em abril

O Presidente da República revelou numa entrevista esta terça-feira divulgada pela Antena 1 que já fez um dos novos testes sorológicos para detetar a presença de anticorpos para o novo coronavírus e não está imunizado. "Depois …

Ministros das finanças procuram entendimento. Itália ameaça consenso de Centeno

Os ministros das Finanças da zona euro voltam a reunir-se esta terça-feira, por videoconferência, com a responsabilidade de chegarem a um compromisso sobre uma resposta comum para minimizar os efeitos da pandemia covid-19, precisando para …