SEF descobriu 773 patrões a usar imigrantes ilegais nas empresas

Mário Cruz / Lusa

Durante as suas ações de fiscalização, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) apanhou 773 patrões a usar imigrantes ilegais nas suas empresas. Agricultura, hotelaria e restauração são os setores mais comuns onde se verifica este problema.

Entre janeiro de 2018 e julho de 2019, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras descobriu 773 patrões a usar imigrantes ilegais nas suas empresas. Estes queixam-se de que trabalham mais, mas recebem muito menos do que os portugueses.

Os trabalhadores raramente denunciam a situação, com medo de represálias e pelo facto de estarem ilegais no país, razão pela qual se calcula que sejam muitos mais nesta situação. Os 773 patrões descobertos advêm apenas das ações de fiscalização do SEF.

“O país é maravilhoso, o problema foi ter acreditado na palavra de uma pessoa. Vim para Portugal em busca de uma vida melhor, tive logo duas propostas de trabalho, numa delas disseram que me dariam um contrato, e foi a que escolhi, fui para um restaurante. Prometeram que ia receber 650 euros por mês por oito horas de trabalho diário, mas trabalhava 14 a 16 horas e recebia 400 euros o fim do mês“, disse Marcelo de Paula, em declarações ao Diário de Notícias.

O brasileiro Marcelo de Paula diz que foi trabalhar para a Casa do Benfica, em Alcácer do Sal. Começou em part-time, mas o patrão viria a propor que passasse a tempo inteiro. Marcelo confidencia que lhe foi proposta trabalhar das 09:00 à meia-noite – com uma hora para almoço e sem folgas – a troco do salário mínimo nacional.

“O pessoal no Brasil vendeu tudo o que se possa imaginar para vir para Portugal. Chegaram e ele não quis o meu irmão, e a minha mãe e minha esposa começaram logo a trabalhar, mas estiveram uma semana à experiência, trabalho que não foi pago“, alertou Marcelo.

Terá começado a trabalhar a tempo inteiro em junho e, nesse mês, só recebeu 300 euros, com a justificação de que teria de esperar pelo contrato de trabalho. “Nunca pagou os valores que prometeu. E o contrato, nunca o vi“, explicou.

O seu patrão, António Carvalho, confrontado pelo DN, começou por dizer que não sabia quem era Marcelo e negou quaisquer dívidas ao brasileiro. “O Marcelo trabalhou pouco tempo aqui, esteve cerca de 40 dias em fase experimental, depois ficou a tempo inteiro e abandonou o local de trabalho”, garantiu.

De acordo com os dados do SEF, o número de casos está a aumentar. No ano passado, foram apanhadas ao todo 434 empresas com imigrantes ilegais. Este ano, nos valores recolhidos até julho, o número de patrões descobertos já ia nos 339.

Nas situações em que as empresas são apanhadas com imigrantes ilegais, devem proceder a provar que esses trabalhadores estão em vias de legalização. O problema é que, na maioria dos casos, esta não faz parte das suas intenções. A agricultura, a hotelaria e a restauração são os setores onde mais se verifica o uso de mão-de-obra ilegal.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Jamais era pra eu ter confiado em um brasileiro. Esse patrão era brasileiro, eu trabalhava das 8horas as 01 da madrugada, cerca de 17horas por dia, e ele nunca pagou o que o devia.

RESPONDER

A longo prazo, o distanciamento social pode até ser melhor para a economia

O isolamento social durante uma pandemia, como é o caso da covid-19, que já fez mais de 48.000 vítimas mortais por tudo o mundo, pode revelar-se melhor para a economia a longo prazo, revelou uma …

Elon Musk doou 1.000 ventiladores a hospitais (mas eram do tipo errado)

Nos últimos dias, Elon Musk, CEO da Tesla, recebeu muitos elogios por ter doado mil ventiladores a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Porém, os ventiladores não eram do …

Coronavírus pode replicar-se na boca e nariz durante uma semana antes de infetar pulmões

O coronavírus pode permanecer e replicar-se na boca e no nariz durante uma semana antes de infetar aos pulmões, à traqueia e aos brônquios, revela um estudo, que mostra igualmente que é expulso do organismo …

PSP vai utilizar câmaras portáteis em drones no estado de emergência

A PSP vai utilizar 20 câmaras portáteis de videovigilância, 18 das quais vão ser instaladas em ‘drones’, durante o estado de emergência devido à pandemia de covid-19, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna …

Em Nova Iorque, prisioneiros são usados para cavar valas comuns

Nova Iorque está a oferecer seis dólares por hora e material de proteção individual aos prisioneiros de Rikers Island que aceitem ajudar a cavar valas comuns. Projeções da Fundação Gates apontam que, em Nova Iorque, o …

EUA estará a pagar para desviar carregamentos de máscaras adquiridas por França

As autoridades francesas estão a acusar os Estados Unidos de terem pago para desviar um carregamento de máscaras faciais oriundo da China. Este episódio é apenas mais um na saga sobre a escassez de máscaras de …

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados antecipadamente para prevenir a propagação da pandemia de covid-19 no meio prisional, revelou esta quinta-feira a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, em declarações à RTP3. A …

OMS e EUA ponderam alargar recomendação para uso de máscaras

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com covid-19, disse esta quinta-feira o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o …

Covid-19. Mais de 95% das vítimas mortais na Europa tinham mais de 60 anos

O diretor regional para a Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), Hans Kluge, revelou esta quinta-fera que mais de 95% das vítimas mortais da covid-19 na Europa têm mais de 60 anos de idade. Em …

Curva portuguesa mostra abrandamento de novos casos (mas é preciso "cautela")

Portugal tem assistido desde o dia 25 de março a um abrandamento do aumento percentual diário de novos casos de covid-19, segundo dados divulgados pelo Barómetro Covid-19 da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP). Segundo Carla …