Líderes mundiais e veteranos comemoram 75 anos do “Dia D”

Ian Langsdon / EPA

“Dia D”. Comemorações oficiais dos 75 anos do desembarque na Normandia

Comemorações oficiais dos 75 anos do desembarque aliado na Normandia, também conhecido como “Dia D”, decorreram ontem no Reino Unido e hoje continuam em França.

“Obrigado”, disseram Emmanuel Macron e Theresa May durante os discursos de inauguração de um memorial e de uma nova estátua comemorativa do desembarque das forças aliadas na Normandia, em Ver-Sur-Mer, esta quinta-feira.

“Se houve um dia que determinou o destino das gerações futuras em França, na Grã-Bretanha, na Europa e no Mundo, esse dia foi o dia 6 de junho de 1944”, disse a primeira-ministra britânica. “Aos veteranos a única palavra que lhes podemos dizer é obrigado“.

O Presidente francês, presente na cerimónia que inicia as comemorações oficiais em solo francês, agradeceu a “todos aqueles que morreram para que a França pudesse ser livre, outra vez”.

Na cerimónia, que decorre neste momento em “Omaha Beach”, (Ver-sur-Mer) Normandia, norte de França, estão presentes muitos veteranos, entre os quais 250 britânicos, e representantes de 16 países.

As comemorações oficiais começaram ontem em Portsmouth, cidade costeira do Reino Unido que serviu de posto de preparação para o desembarque, na presença da Rainha de Inglaterra, Isabel II, do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e ainda da chanceler alemã, Angela Merkel.

“Dia D” 75 anos depois

Entre imagens e sons de arquivo e atuações de atores e cantores, vários líderes de países que participaram no desembarque na Normandia leram textos de soldados e políticos que tiveram um papel crucial naquele episódio histórico.

Macron leu o emotivo texto de um soldado da Resistência francesa que dizia não ter medo da morte, porque estava de consciência tranquila e esperava apenas que os seus compatriotas fossem felizes no final do conflito.

May leu a carta de um capitão à sua mulher, dois dias antes do desembarque, dizendo que sonhava com o dia em que regressaria aos seus braços. De seguida, a ainda chefe do Governo britânico leu o telegrama que anunciava a morte do soldado.

Trump, por sua vez, repetiu a oração que o seu antecessor na II Guerra Mundial, Franklin D. Roosevelt, leu numa emissão radiofónica dirigida ao país, nas vésperas do “Dia D”. “Sabemos que os nossos filhos irão vencer. Mas sabemos que alguns não voltarão”.

Isabel II aproveitou para recordar que, quando presidiu às celebrações do 50.º aniversário do “Dia D”, muitos acharam que seria a última vez que ali estaria. “Estar hoje aqui, 75 anos depois, mostra o espírito de resiliência” que está subjacente aos países do “mundo livre”, disse a monarca, agradecendo o contributo dado em favor da liberdade.

O maior desembarque militar da História

Na madrugada de 6 de junho de 1944, mais de 160 mil militares das forças aliadas desembarcaram no norte de França, entre os quais 73 mil norte-americanos e 83 mil britânicos e canadianos, além dos destacamentos franceses, totalizando uma força formada por soldados de 12 países. Os aliados enfrentaram mais de 50 mil soldados nazis estacionados na “Muralha do Atlântico”, na região da Normandia.

Mais de 73 mil soldados foram vítimas dos combates contra as forças da Alemanha nazi no norte de França, sendo que 4.414 aliados foram mortos nas primeiras horas do desembarque e 153 mil soldados ficaram feridos no primeiro dia da operação.

Mais de 20 mil civis franceses morreram durante os bombardeamentos aliados e nos combates nos dias que se seguiram, apesar de alguns historiadores referirem que o número de vítimas entre a população foi superior.

U.S. Coast Guard, Department of Defense

O número exato de baixas alemãs é desconhecido, mas os historiadores estimam que morreram entre quatro mil e nove mil soldados nesse dia. No total, mais de 22 mil alemães estão sepultados nos cemitérios da Normandia.

Mais de dois milhões de pessoas, entre soldados, marinheiros, pilotos e médicos, estiveram envolvidas na “Operação Overlord” que teve como objetivo inicial ocupar as praias do norte de França com os nomes de código: Omaha, Utah, Gold, Sword e Juno.

A operação – o maior desembarque militar da História – foi apoiada pela projeção de paraquedistas aliados lançados durante a noite atrás das linhas alemãs.

Estima-se que milhares de veteranos aliados, a maior parte com mais de 90 anos de idade, continuam vivos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Tofu nunca causou uma pandemia", publica PETA em outdoors

A organização de direitos dos animais PETA está a incentivar os norte-americanos a experimentar tofu, através de anúncios em 'outdoors' nos Estados Unidos (EUA) onde defendem que o produto de soja "nunca causou uma pandemia". A …

Portugueses estão menos preocupados com a pandemia, mas apreensivos com a economia

O grau de preocupação com a pandemia diminuiu de 80,9% durante o estado de emergência para 76,2% no estado de calamidade, mas os portugueses estão mais alerta quanto ao impacto na economia, conclui um inquérito …

Nova morte, saqueamentos e protestos. Minneapolis vive caos após homicídio de George Floyd

Um homem foi encontrado morto a tiro, na madrugada de hoje, suspeito de ter sido vítima dos protestos, em Minneapolis, contra a morte de um homem negro sob custódia policial. Durante a noite de quarta-feira, milhares …

Filho de Deeney tem problemas respiratórios. Jogador foi alvo de abusos por recusar treinar

O futebolista Troy Deeney, capitão do Watford, revelou que tem sido alvo de abusos e comentários depreciativos, por ter recusado voltar aos treinos, face aos problemas respiratórios do seu filho. “Vi comentários em relação ao meu …

Parlamento aprova alargamento de apoios a todos os sócios-gerentes afetados pela pandemia

O parlamento aprovou hoje, em votação final global, um texto final que alarga os apoios no âmbito do `layoff´ aos sócios-gerentes das micro e pequenas empresas afetadas pela pandemia covid-19, independentemente do volume de faturação. Com …

Pandemia de covid-19 alimenta corrupção na América Latina

A propagação da Covid-19 na América Latina está a alimentar a corrupção nos vários países que a integram, que vai desde a inflação dos preços a situações de aproveitamento económico e de ligações entre políticos …

Mais de 500 católicos portugueses contra proibição de comunhão na boca

Mais de 500 católicos portugueses, entre leigos e sacerdotes, apelaram à Conferência Episcopal Portuguesa para revogar a proibição de os fiéis receberem a comunhão na boca, por causa da pandemia de covid-19, informou na quarta-feira …

Adeptos recusam devolução dos bilhetes. Bayern distribui dinheiro por clubes amadores

Os adeptos do Bayern renunciaram ao direito de serem reembolsados pelos bilhetes comprados para os jogos até ao final da temporada. O clube decidiu distribuir o dinheiro pelos emblemas amadores da região da Baviera. Tal como …

Trabalhadores acusam TAP de pagar abaixo do salário mínimo a tripulantes em lay-off

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) acusou hoje a TAP de não estar a pagar o previsto na lei do ‘lay-off’, indicando vários casos em que a remuneração é inferior …

Tesla baixa preço de quase todos os modelos nos Estados Unidos

A empresa de carros elétricos Tesla baixou o preço dos Modelos 3, S e X no mercado norte-americano, visando estimular as vendas que estão em declínio durante a pandemia, avança a agência Reuters. O semanário …