Ensino Superior: 44.500 alunos colocados na primeira fase

O número de colocados na primeira fase do concurso de acesso ao Ensino Superior aumentou para os 44.500 estudantes, 1,2% acima de 2018, revelam os dados oficiais que indicam ainda que mais de metade entrou na primeira opção.

Entraram 44.500 alunos para o Ensino Superior nesta primeira fase, o que representa a colocação de 87,2% dos 51.036 candidatos que este ano tentaram aceder, de acordo com os dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) divulgados.

Do total, 27.280 entraram nas universidades e 17.220 nos institutos politécnicos, crescimentos de 0,9% e 1,5% respetivamente face ao ano anterior.

O total de alunos colocados no curso da sua preferência (primeira opção) é de 23.625, o que equivale a 53,1% do total, um peso percentual ligeiramente inferior aos 54,7% de 2018.

A grande maioria dos candidatos conseguiu uma colocação num dos três primeiros cursos indicados como preferência.

Este ano houve mais candidatos do que vagas — 51.036 alunos concorreram às 50.860 vagas disponíveis — mas ainda sobraram para as fases seguintes do concurso nacional de acesso 6.734 lugares, menos 7,6% do que os 7.290 de 2018.

A expetativa da tutela é a de que em 2019-2020 entrem no Ensino Superior público 77 mil novos estudantes.

Serão cerca de 77 mil o número de novos estudantes no Ensino Superior público no ano letivo de 2019-2020, incluindo cerca de 68 mil estudantes nos cursos de licenciatura e mestrados integrados e mais de nove mil estudantes em formações curtas de âmbito superior (cursos técnicos superiores profissionais).

Estes valores são estimados pela Direção-Geral do Ensino Superior com base nos resultados da primeira fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) e nas estimativas das instituições de Ensino Superior para as demais vias de ingresso”, refere o MCTES.

O Ministério tutelado por Manuel Heitor destaca ainda o crescimento em 40% do contingente de estudantes internacionais, “que deverá superar sete mil novos estudantes, confirmando a afirmação internacional do Ensino Superior em Portugal”.

O número de estudantes estrangeiros a estudar em Portugal ao abrigo do Estatuto do Estudante Internacional tem vindo a crescer nos últimos anos: eram 4.521 em 2017 e 5.540 em 2018.

Também o aumento de vagas nos cursos mais procurados por melhores alunos, uma alteração introduzida este ano na política de definição de vagas nas instituições, se traduziu num aumento de colocados nessas formações.

“O número de colocados em ciclos de estudo com maior concentração de melhores alunos (índice de excelência dos candidatos) aumentou cerca de 15% face ao ano anterior, mostrando que as instituições e a procura responderam positivamente às medidas entretanto implementadas de definição de vagas”, refere a tutela.

De acordo com as novas regras, sempre que os cursos tenham uma procura superior ao total de vagas abertas por candidatos com notas iguais ou superiores a 17 valores são obrigados a aumentar o número de vagas entre 5% e 15%.

Estas alterações traduziram-se este ano em mais 107 vagas em onze cursos das Universidades de Lisboa e do Porto, que conseguiram por esta via recuperar parte do corte de vagas a que foram sujeitas no ano letivo anterior, quando o MCTES decidiu eliminar 1.100 lugares nas universidades e politécnicos das duas maiores cidades do país com o argumento de fomentar a coesão territorial e a procura de instituições em zonas do interior.

No âmbito dessa política, o aumento do número de estudantes colocados este ano em regiões com menor pressão demográfica foi de 2,6%, mas a redução de estudantes em Lisboa e no Porto foi apenas de 0,1%.

Também a aposta em cursos direcionados para a formação em competências digitais tem um crescimento de 4% no total de colocados face ao ano anterior, revela a tutela, que acrescenta que o aumento de colocados nestes cursos é já de 14% desde 2015.

“O número de estudantes emigrantes colocados aumenta 18% face ao ano anterior. O número de estudantes colocados através deste contingente aumentou 147% desde 2015, a par com a iniciativa “Estudar e Investigar em Portugal”, adianta ainda o MCTES.

Já o contingente especial para estudantes com deficiência coloca este ano 224 alunos, mais 21% do que em 2018, segundo a tutela, e mais 87% do que em 2015.

Os resultados da primeira fase do CNA estão desde hoje disponíveis na página da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES).

Os candidatos puderam concorrer a 1.087 cursos nas universidades e politécnicos públicos. A segunda fase de candidaturas decorre entre 09 e 20 de setembro e os resultados são divulgados a 26 de setembro.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Atividade física ajuda a prevenir a perda de visão

Uma nova investigação sugere que o exercício físico pode ser um componente-chave na prevenção da perda de visão. Os benefícios da atividade física são cada vez mais conhecidos, mas há alguns que devem ser tidos em …

Dubai vai construir uma cidade marciana no deserto

O Dubai tem em mãos um projeto ambicioso: a construção de uma cidade marciana. O projeto foi apresentado por uma empresa sediada em Copenhaga e Nova Iorque e é uma parte do plano dos Emirados …

Coreia do Norte voltou a rejeitar negociações com os Estados Unidos

A Coreia do Norte disse, esta terça-feira, que não tenciona retomar o diálogo com os Estados Unidos, quando o vice-secretário de Estado norte-americano, Stephen Biegun, chegou à Coreia do Sul para discutir diplomacia nuclear. Num comunicado …

Construiu uma cadeira de rodas com bicicletas elétricas para a namorada. Agora, vai produzi-la em massa

Para Zack Nelson, construir esta  peça inovadora de engenharia foi "super divertido e surpreendentemente simples". Há cerca de um ano, Zack Nelson, o youtuber de tecnologia do canal JerryRigEverything, uniu duas bicicletas elétricas para criar uma …

A reeleição de Trump nunca esteve tão ameaçada. A culpa é do pessimismo dos americanos

A gestão do Presidente norte-americano face à pandemia e a perspetiva de uma crise económica ameaçam a reeleição de Donald Trump. Um estudo de opinião da Fundação Peter G Peterson para o The Financial Times indica …

Ministros da Indonésia promovem colar de eucalipto como cura para a covid-19

O ministro da Agricultura da Indonésia foi muito criticado por especialistas por alegar que um colar feito de eucalipto pode ajudar a impedir a transmissão da covid-19. Segundo o The Guardian, o ministro da Agricultura da …

SATA pede auxílio ao Estado no valor de 163 milhões de euros

A SATA, companhia aérea detida a 100% pela Região Autónoma dos Açores, precisa do valor até ao final do ano para pagar dívidas. A SATA pediu um auxílio ao Estado de 163 milhões de euros para …

Cortiça portuguesa usada em foguetões da Space X

A Corticeira Amorim forneceu a Space X, de Elon Musk, para componentes usados nos foguetões espaciais da empresa, adiantou o presidente da empresa, António Rios Amorim. "É o nosso maior cliente [deste segmento] neste momento desde …

Pandemia põe em risco mais de 40% dos empregos no Algarve

Além do Algarve, outros destinos turísticos europeus, como ilhas do sul da Grécia, Canárias e Baleares, estão também em risco. As regiões onde o turismo tem mais peso enfrentam um risco maior de destruição de emprego, …

Imunidade de grupo não vai travar pandemia, diz estudo espanhol

Um estudo espanhol, que abrangeu mais de 60 mil pessoas, colocou em causa a viabilidade da imunidade de grupo como forma de combater a pandemia de covid-19, estimando que apenas 5% da população tenha desenvolvido anticorpos …