Túmulo escondia a mais antiga estirpe de peste (que pode ter levado à primeira epidemia da história)

Num túmulo com quase cinco mil anos, na Suécia, investigadores descobriram a estirpe mais antiga da famosa bactéria Yersinia pestis – o micróbio responsável pelo contágio de uma das doenças mais temidas da humanidade: a peste.

A descoberta sugere que o germe pode ter afetado pessoas em toda a Europa no final da Idade da Pedra, no que pode ter sido a primeira grande epidemia da história humana. Também poderia reescrever algumas coisas que se conhece da história europeia antiga.

A bactéria foi encontrada quando os investigadores estavam a analisar bancos de dados de ADN antigo para casos nos quais as infeções poderiam ter matado vítimas pré-históricas, de acordo com o estudo publicado a 6 de dezembro na revista Cell.

Uma análise anterior de um túmulo de calcário em Frälsegården, na Suécia, revelou que cerca de 78 pessoas foram lá enterradas e todas morreram num período de 200 anos. O facto de que muitas pessoas ter morrido num período de tempo relativamente curto num mesmo lugar sugeriu que poderiam ter morrido por causa de uma epidemia, disse o autor do estudo, Nicolás Rascovan, biólogo da Universidade Aix-Marseille, em França.

O túmulo de pedra calcária era datada do Neolítico, ou Nova Idade da Pedra, o período em que a agricultura começou.

Os investigadores descobriram a estirpe de peste anteriormente desconhecida nos restos mortais de uma mulher. A datação por carbono sugere que morreu há cerca de 4.900 anos durante um período conhecido como o declínio neolítico, quando as culturas neolíticas em toda a Europa diminuíram misteriosamente.

Com base nos ossos do quadril e outras características do esqueleto, estimaram que a mulher tinha cerca de 20 anos quando morreu. A estirpe da peste encontrada tinha uma mutação genética que pode desencadear a peste pneumónica – a forma mais letal de peste histórica e moderna – sugerindo que a mulher provavelmente morreu dessa doença.

Ao comparar a nova estirpe com ADN de peste conhecida, os cientistas determinaram que a amostra antiga era o parente conhecido mais próximo da mais recente da bactéria da peste.

Karl-Göran Sjögren, um arqueólogo da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, disse que a descoberta da peste “numa área relativamente marginal do mundo neolítico sugere redes de contacto bem estabelecidas e de longo alcance” num tempo que permitiu que a doença se espalhasse.

De facto, é possível que as inovações revolucionárias da época possam ter preparado o cenário para o surgimento e disseminação de doenças infeciosas“, o que poderá ter levado à primeira grande epidemia da História humana.

Os arqueólogos sublinharam que as descobertas não significam que a peste exterminou os humanos do Neolítico, mas pode ter influenciado o declínio neolítico.

ZAP // Live Science / Phys

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “Uma análise anterior de um túmulo de calcário em Frälsegården, na Suécia, revelou que cerca de 78 pessoas foram lá enterradas e todas morreram num período de 200 anos. ”

    De certeza que este facto está correcto? Isso dá aproximadamente 1 pessoa por cada 2,5 anos.

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …