Atraso na regulamentação da canábis está a provocar perguntas e apreensão

A lei, que foi aprovada em junho e publicada a 18 de julho, ainda não foi regulamentada. O prazo de 60 dias foi largamente ultrapassado e o Bloco de Esquerda exigiu saber o porquê do atraso.

É a segunda vez que a bancada do BE questiona o executivo de António Costa sobre a regulamentação da lei que “regula a utilização de medicamentos, preparações e substâncias à base da planta da canábis, para fins medicinais”, e que deveria ter sido apresentada 60 dias após a lei ser publicada.

A primeira pergunta do BE, apresentada a 18 de setembro e secundada pelo PCP, que quis saber o mesmo, foi respondida a 22 de setembro, pela então secretária de Estado da Saúde, Rosa Valente de Matos, que se comprometeu a apresentar a regulamentação ainda durante aquele mês ou o início do seguinte, o que não aconteceu.

“O governo já deveria ter publicado a regulamentação, conforme a lei o obriga, mas a verdade é que deixou ultrapassar o prazo e nem sequer cumpriu o prazo com que o próprio governo se comprometeu. Por cada dia de atraso o governo adia também o acesso a terapêuticas comprovadamente eficazes e que se traduzem na melhoria da qualidade de vida de pessoas com determinadas doenças”, disse o BE, citado pelo DN.

O partido voltou à carga, perguntando o porquê do atraso e qual a data prevista para a publicação da regulamentação. O governo entregou a tarefa ao Infarmed, cujos sinais levaram o BE e o PCP a pedir ao governo que “orientasse” aquele instituto na interpretação do diploma.

Atraso está a causar apreensão

Em causa estão relatos de familiares de pacientes com epilepsias raras que fazem terapêutica com óleo de canabidiol (CBD, um extrato não estupefaciente de canábis), remetidos pelo Infarmed para a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária quando estes lhe pediram autorização para importar a substância.

Maria João Rezende testemunha que, após uma primeira situação, em abril, o Infarmed deu autorização para desalfandegar uma remessa importada dos EUA de óleo de CBD. Mas, em julho, a própria presidente do Infarmed, Maria do Céu Machado, comunicou-lhe o organismo “não pode ajudá-la” a importar o óleo que a sua irmã utiliza para controlar as convulsões, por estar classificado no país de origem como suplemento alimentar.

A presidente do Infarmed remeteu Maria João Rezende para a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, que negou ter qualquer responsabilidade na matéria, afirmando que, como se trata de um produto para uso terapêutico, está sob a tutela do Infarmed.

No requerimento de 18 de setembro, o PCP exigia “medidas imediatas, antes da publicação da regulamentação da lei, de forma a permitir que os doentes a quem foi prescrito óleo CBD tenham acesso através de uma autorização emitida pelo Infarmed”.

O partido chamou à atenção para o facto de a lei estabelecer, no seu artigo 11º, uma disposição transitória, segundo a qual o Infarmed teria de determinar “quais os medicamentos, preparações e substâncias à base da planta da canábis, atualmente existentes, que estão em condições de ser utilizados para fins terapêuticos e medicinais”.

A deputada Carla Cruz explicou que isto significa que “no período pré-regulamentação, o Infarmed tinha de ter identificado quais os produtos derivados de canábis que têm fins terapêuticos. Para que essa clarificação surgisse antes mesmo de a regulamentação ser publicada, permitindo o acesso a quem deles precisa”.

“Havia um vazio legal sobre o estatuto destas substâncias. O espírito da lei para nós é muito claro: que se clarifique o quadro legal destas substâncias“, rematou.

Não só essa clarificação não foi feita como as poucas empresas nacionais que comercializavam certos produtos de canábis deixaram de o fazer. O motivo dessa retirada deve-se, de acordo com João Silva, consultor da Celeiro Integral, empresa que vendia óleo de CBD, a “precaução“.

“Consideramos que a lei mete no mesmo saco canabinoides não psicoativos e canabinoides psicoativos, criando uma confusão muito grande. Quem perde nesta situação é o doente, que encontra nesta substância efeitos que não encontra em mais nenhuma”, disse João Silva.

Em outubro, o Infarmed certificou que a regulamentação já tinha seguido para o ministério. Clínicos exprimem apreensão quanto às indicações terapêuticas que serão admitidas para os produtos derivados da canábis, pondo a hipótese de a regulamentação não vir a dar resposta às necessidades dos pacientes.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Na falta de regulamentação específica (que tem de estar de acordo com o Decreto-Lei), após os 60 dias da promulgação, aplica-se a lei de acordo com o Decreto-Lei. Claro que fica um vazio de especificações, mas assim funciona em PT

RESPONDER

Violência policial é uma das principais causas de morte de jovens negros nos EUA

A violência policial é uma das principais causas de morte entre jovens nos Estados Unidos, com os negros a terem 2,5 vezes mais hipóteses de serem mortos do que os homens brancos. O estudo, publicado este …

A Volocopter apresenta o seu táxi voador mais potente (e já andou no ar)

https://vimeo.com/355573555 Desde 2013 a Volocopter tem vindo a aprimorar o seu projeto de táxi voador. Desta vez, o design é mais redondo, mais simples e mais potente. O Volocopter é uma aeronave 100% elétrica que os criadores …

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …

O Dr. House português diz que 90% dos médicos só fazem "fantochadas"

É conhecido como o Dr. House português, numa referência à série televisiva norte-americana, pela forma como faz diagnósticos certeiros. E Vítor Brotas que trabalha no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, admite que é "um médico …

Homem morre após ataque de vespas asiáticas. É a segunda morte por picadas de insecto em 2 dias

Um homem de 79 anos de idade morreu nesta sexta-feira em Oliveira do Bairro, Aveiro, após ter sido atacado por vespas asiáticas. Dois dias antes, outro homem de 50 anos faleceu na região da Beira …

Polícia antimotim dispersa manifestantes em Hong Kong com gás lacrimogéneo

A polícia antimotim de Hong Kong carregou hoje com gás lacrimogéneo sobre manifestantes que tinham erigido uma barricada no bairro de Kwun Tong, no Este da antiga colónia britânica. Embora os protestos tenham decorrido de forma …

Eleições. CDU vai manter campanha clássica, mas dispensa o "lombo assado"

O chefe do maior partido da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta comunistas e ecologistas, assumiu enfado com carne assada nas jornadas e ações de esclarecimento pelo país, mas garante uma campanha eleitoral nos cânones …

Bloco quer mais funcionários públicos e quotas por raça nas universidades

O BE afirma, no programa eleitoral disponibilizado hoje na íntegra, que "é o partido que quer e pode impedir uma maioria absoluta", um resultado nas eleições legislativas que faria Portugal "voltar ao passado da arrogância …

Balas com defeito que encravam armas. PSP confirma, mas diz que não é um problema

A Polícia de Segurança Pública (PSP) confirma que estão a ser utilizadas algumas balas com defeito que até encravam as armas, nos treinos dos candidatos a agentes na Escola Prática de Polícia. Mas garante que …