18 anos depois do 11 de setembro, Trump promete intensificar combate aos talibãs

Jonathan Ernst / Reuters

Donald Trump

O Presidente norte-americano reiterou a promessa de intensificar os combates contra os talibãs no Afeganistão, no dia em que se assinalam os 18 anos do 11 de setembro.

“Nos últimos quatro dias, atacámos o nosso inimigo com mais força do que alguma vez o fizemos e isso vai continuar”, disse Donald Trump na cerimónia que recordou os atentados do 11 de setembro que motivaram a guerra no Afeganistão.

Referindo-se ao atentado de Cabul que custou a vida a um soldado norte-americano e que o levou a anular um encontro secreto com os talibã, o Presidente disse que estes quiseram mostrar a sua força, mas na verdade mostraram a sua fraqueza.

Na cerimónia desta quarta-feira, Trump depositou uma coroa de flores no Pentágono e disse às famílias das vítimas: “Este é o aniversário da vossa dor pessoal e permanente”.

Os EUA assinalam hoje a data com várias cerimónias solenes, 18 anos depois dos ataques terroristas mais mortíferos ocorridos em solo norte-americano.

Uma multidão de familiares das vítimas reuniu-se no Ground Zero, onde a cerimónia começou com um momento de silêncio e sinos a tocar às 08h46 (13h46 em Lisboa), o momento em que um avião sequestrado bateu na torre norte do World Trade Center, em Nova Iorque.

Enquanto Trump participou na cerimónia do Pentágono, atingido por um dos aviões sequestrados, o vice-Presidente, Mike Pence, é esperado na cerimónia no terceiro local do ataque, perto de Shanksville, no estado da Pensilvânia.

O ex-Presidente George W. Bush, comandante-chefe das Forças Armadas na época dos ataques de 2001, deve comparecer à tarde para depositar uma grinalda de flores no Pentágono.

O país ainda hoje enfrenta as consequências do 11 de setembro, seja no país, com a segurança reforçada nos aeroportos, ou no estrangeiro, nomeadamente com a guerra do Afeganistão, onde há um grande contingente de tropas norte-americanas.

As cerimónias de hoje concentram-se na homenagem às quase três mil pessoas mortas. Todos os nomes das vítimas serão lidos em voz alta nas cerimónias no Ground Zero.

Entretanto, tem havido uma crescente conscientização do sofrimento de outro grupo: bombeiros, polícias e outros que adoeceram ou morreram após a exposição aos destroços e às toxinas libertadas dos escombros.

Um fundo de compensação às vítimas com problemas de saúde potencialmente relacionados ao 11 de setembro já concedeu, até hoje, mais de 5,5 mil milhões de dólares. Mais de 51.000 pessoas inscreveram-se nesta iniciativa.

Depois de anos de impasse legislativo, o Congresso norte-americano garantiu este verão que o fundo não ficará sem verbas. Donald Trump, republicano e nova-iorquino que estava na cidade no dia do ataque, assinou a medida em julho.

Os doentes ganharam novo reconhecimento este ano na praça memorial, onde o novo ‘9/11 Memorial Glade’ homenageia as vítimas pós-atentado.

O tributo apresenta seis grandes pilhas de granito incrustadas com aço recuperado do World Trade Center, com uma dedicatória: “àqueles cujas ações em nosso tempo de necessidade levaram a ferimentos, doenças e morte”.

Os Estados Unidos e os representantes dos talibãs, que controlam uma parte significativa do território afegão, mantêm contactos há mais de um ano no quadro das negociações que decorriam no Qatar.

No essencial, as negociações pretendem pôr fim a duas décadas de guerra, sendo que recentemente foi divulgado um documento provisório que prevê a retirada de cinco mil soldados norte-americanos num período de 135 dias.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Santuário de Fátima retoma no sábado celebrações com presença de peregrinos

O Santuário de Fátima vai retomar as celebrações com a presença de peregrinos a partir de sábado, garantindo as condições de segurança para o maior número de pessoas. O Santuário de Fátima, no concelho de Ourém, …

Ex-ministro da Saúde da Bolívia em prisão preventiva por suspeitas de corrupção

O ex-ministro da Saúde da Bolívia foi detido, na semana passada, por suspeita de corrupção na compra de ventiladores. O ex-ministro da Saúde da Bolívia, detido na última semana por suspeita de corrupção na compra a …

OMS considera cada vez mais improvável segunda grande vaga

A diretora do departamento de Saúde Pública da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou hoje que é "cada vez mais" improvável uma segunda grande vaga do novo coronavírus, mas aconselhou muita prudência. Em entrevista à rádio …

Açores reabrem creches e jardins de infância. Aulas de 11.º e 12.º também em São Miguel

As respostas sociais, encerradas devido à pandemia, reabrem esta segunda-feira no Pico, Faial, Terceira e São Jorge, e na ilha de São Miguel são retomadas as aulas dos 11.º e 12.º anos para alunos inscritos …

"Há muita gente a passar fome" no sector das Artes (alguns artistas receberam 50 euros de apoio)

Não vai haver condições para abrir muitas salas de espectáculos a 1 de Junho, como está permitido, alerta-se no sector das Artes, onde há "há muita gente a passar fome". Alguns artistas só conseguiram receber …

Cancelamento de consultas leva a quebra de vacinação contra a pneumonia

O cancelamento ou adiamento de milhares de consultas levou a uma quebra na vacinação contra a pneumonia. É preciso "voltar a dar confiança às pessoas para que regressem aos estabelecimentos de saúde", apela o Mova. De …

Há 11.636 casos activos de covid-19 em Portugal (e duas crianças nos Cuidados Intensivos)

Portugal regista esta segunda-feira 1.330 mortes relacionadas com a covid-19, mais 14 do que no domingo, e 30.788 infectados, mais 165, segundo o boletim da Direcção-Geral da Saúde (DGS). Há duas crianças internadas nos Cuidados …

"O que se passa com enfermeiros e lay-off é uma vergonha." Marques Mendes também fala dos "4 contratos" do Novo Banco

António Costa e Rui Rio "não têm a coragem de dizer a verdade" no âmbito da polémica do Novo Banco, critica o comentador Luís Marques Mendes, considerando que ambos procuram sacudir água do pacote. Na …

"Nenhuma era apenas um número". NYT dedica toda a primeira página a mil vítimas da pandemia

Mil nomes de pessoas numa primeira página. O jornal norte-americano The New York Times dedicou a primeira página da edição deste domingo a mil vítimas mortais da pandemia de covid-19, para assinalar a iminente passagem …

A economia é a vítima colateral da estratégia singular da Suécia

A Suécia deixou nas mãos dos cidadãos a responsabilidade pela sua saúde e a abordagem relaxada do país em relação à pandemia de covid-19 trouxe resultados negativos. O Governo sueco não impôs um confinamento à população …