12 mil anos de história genética mostram que todos os caminhos vão (mesmo) dar a Roma

Afinal, pode haver alguma verdade no famoso provérbio que diz que “todos os caminhos vão a Roma”. Essa é a conclusão de investigadores que descobriram a rica história genética da área.

No auge do Império Romano, a cidade de Roma era incomparável a qualquer outra cidade. Guido Barbujani, geneticista de população da Universidade de Ferrara, em Itália, que não esteve envolvido neste estudo, diz mesmo que “Roma era como a cidade de Nova Iorque”, de acordo com um artigo publicado na revista especializada Science.

Tal como a atual Nova Iorque, a antiga Roma era uma grande mistura de pessoas e culturas, acreditando-se mesmo que tenha sido a primeira cidade do mundo a atingir um milhão de habitantes. Esse recorde não foi superado até à Revolução Industrial da Europa, cerca de 1.500 anos depois. Enquanto isso, o império circundante atraiu 70 milhões de habitantes em três continentes – Europa, Oriente Próximo e Norte da África.

“Não esperávamos descobrir que Roma era um centro cosmopolita desde os primeiros estágios – durante a Idade do Ferro”, disse o co-autor Ron Pinhasi, da Universidade de Viena, em declarações à Newsweek . “Também não esperávamos encontrar imigrantes do norte da África e potencialmente também mais a sul, no Médio oriente e no norte da Europa”.

Apesar de sabermos muito sobre a história e arqueologia da cidade de Roma, pouco se sabe sobre a genética dos seus habitantes. Por isso, uma equipa de cientistas examinou o genoma de 127 indivíduos provenientes de 29 sítios arqueológicos em Roma e as suas regiões vizinhas, do período mesolítico aos tempos modernos.

A análise revelou três “grupos” genéticos, sugerindo poucas mudanças genéticas entre a Idade do Ferro e o presente.

O primeiro destes aglomerados era o dos três caçadores-coletores mesolíticos de uma caverna nas montanhas dos Apeninos. Esses caçadores-coletores tinham entre 12 mil e nove mil anos e mostraram relativamente pouca heterozigosidade. A análise revelou que a sua genética era mais parecida com a dos caçadores-coletores ocidentais.

Durante o período neolítico, houve uma grande mudança na ancestralidade e um segundo grupo genético, desencadeado pela transição para a agricultura, crescimento populacional e contribuição genética de agricultores anatólios e iranianos.

Isto foi seguido por uma segunda grande mudança de ancestralidade durante a Idade do Bronze, quando os avanços na tecnologia viram uma maior mobilidade entre as populações. Carruagens e vagões permitiam o movimento em terra, enquanto as melhorias nas tecnologias de navegação tornavam mais fácil a travessia do Mediterrâneo. Durante esse período, os cientistas encontraram maiores evidências de ascendência norte-africana e neolítica iraniana.

Quando a Roma Imperial se estabeleceu, passando de uma cidade-estado para um império que se estendia até à Inglaterra no oeste, norte da África no sul e Assíria no leste, atraiu pessoas do sul e centro da Itália, Grécia, Chipre e Malta no Mediterrâneo oriental. Embora tenha havido algumas mudanças, a genética permaneceu relativamente inalterada.

Segundo os investigadores, são necessários mais estudos para se saber mais sobre os complexos processos sociais em Roma e as interações entre pessoas diferentes de diferentes ancestrais em relação a aspetos como a estratificação social.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …

Ford está a reciclar palha de café do McDonald's. Quer transformá-la em peças de carro

https://vimeo.com/377768195 A Ford está a fabricar peças de carro através de palha de café reciclada do McDonald's. A iniciativa contribui para a redução da pegada ecológica e do desperdício alimentar. O combate às alterações climáticas cabe um …

Comité da ONU preocupado com condições das prisões em Portugal

As condições de detenção, a sobrelotação das prisões, o alegado uso da força e outros abusos contra pessoas pertencentes a grupos raciais e étnicos são as principais preocupações do Comité da ONU contra a Tortura …

Cientistas identificaram organismo que prospera ao comer meteoritos

O micróbio Metallosphaera sedula tem uma propensão para comer minerais. E não estamos a falar de granito ou giz, mas de rochas muito mais especiais como meteoritos. Segundo o Science Alert, uma equipa internacional de cientistas …

Médicos estrangeiros em Portugal atingem o valor mais alto da última década

O número de médicos estrangeiros registados em Portugal atingiu, em 2019, o valor mais elevado da última década, situando-se em 4192, mais 9,1% face a 2009, revelam dados da Ordem dos Médicos (OM). A maioria dos …