12 mil anos de história genética mostram que todos os caminhos vão (mesmo) dar a Roma

Afinal, pode haver alguma verdade no famoso provérbio que diz que “todos os caminhos vão a Roma”. Essa é a conclusão de investigadores que descobriram a rica história genética da área.

No auge do Império Romano, a cidade de Roma era incomparável a qualquer outra cidade. Guido Barbujani, geneticista de população da Universidade de Ferrara, em Itália, que não esteve envolvido neste estudo, diz mesmo que “Roma era como a cidade de Nova Iorque”, de acordo com um artigo publicado na revista especializada Science.

Tal como a atual Nova Iorque, a antiga Roma era uma grande mistura de pessoas e culturas, acreditando-se mesmo que tenha sido a primeira cidade do mundo a atingir um milhão de habitantes. Esse recorde não foi superado até à Revolução Industrial da Europa, cerca de 1.500 anos depois. Enquanto isso, o império circundante atraiu 70 milhões de habitantes em três continentes – Europa, Oriente Próximo e Norte da África.

“Não esperávamos descobrir que Roma era um centro cosmopolita desde os primeiros estágios – durante a Idade do Ferro”, disse o co-autor Ron Pinhasi, da Universidade de Viena, em declarações à Newsweek . “Também não esperávamos encontrar imigrantes do norte da África e potencialmente também mais a sul, no Médio oriente e no norte da Europa”.

Apesar de sabermos muito sobre a história e arqueologia da cidade de Roma, pouco se sabe sobre a genética dos seus habitantes. Por isso, uma equipa de cientistas examinou o genoma de 127 indivíduos provenientes de 29 sítios arqueológicos em Roma e as suas regiões vizinhas, do período mesolítico aos tempos modernos.

A análise revelou três “grupos” genéticos, sugerindo poucas mudanças genéticas entre a Idade do Ferro e o presente.

O primeiro destes aglomerados era o dos três caçadores-coletores mesolíticos de uma caverna nas montanhas dos Apeninos. Esses caçadores-coletores tinham entre 12 mil e nove mil anos e mostraram relativamente pouca heterozigosidade. A análise revelou que a sua genética era mais parecida com a dos caçadores-coletores ocidentais.

Durante o período neolítico, houve uma grande mudança na ancestralidade e um segundo grupo genético, desencadeado pela transição para a agricultura, crescimento populacional e contribuição genética de agricultores anatólios e iranianos.

Isto foi seguido por uma segunda grande mudança de ancestralidade durante a Idade do Bronze, quando os avanços na tecnologia viram uma maior mobilidade entre as populações. Carruagens e vagões permitiam o movimento em terra, enquanto as melhorias nas tecnologias de navegação tornavam mais fácil a travessia do Mediterrâneo. Durante esse período, os cientistas encontraram maiores evidências de ascendência norte-africana e neolítica iraniana.

Quando a Roma Imperial se estabeleceu, passando de uma cidade-estado para um império que se estendia até à Inglaterra no oeste, norte da África no sul e Assíria no leste, atraiu pessoas do sul e centro da Itália, Grécia, Chipre e Malta no Mediterrâneo oriental. Embora tenha havido algumas mudanças, a genética permaneceu relativamente inalterada.

Segundo os investigadores, são necessários mais estudos para se saber mais sobre os complexos processos sociais em Roma e as interações entre pessoas diferentes de diferentes ancestrais em relação a aspetos como a estratificação social.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ventilador produzido em Portugal recebe autorização de utilização do Infarmed

O ventilador Atena, produzido em Portugal, recebeu, na terça-feira, a autorização do Infarmed para o seu uso em contexto hospitalar na luta contra a covid-19. Esta quarta-feira, numa publicação na sua página de Facebook, o CEiiA …

American Airlines avisa 25 mil trabalhadores que podem perder emprego

Os dirigentes da American Airlines escreveram a cerca de 25 mil trabalhadores da transportadora aérea para lhes comunicar que o seu emprego pode desaparecer em outubro. Os dirigentes das Companhias de aviação dos Estados Unidos admitiram …

Trump substitui diretor de campanha a menos de quatro meses das eleições

O Presidente dos Estados Unidos substituiu, esta quarta-feira, o seu diretor de campanha, perante os maus resultados nas sondagens, a menos de quatro meses das eleições. "Tenho o prazer de anunciar que Bill Stepien foi promovido …

Bristol acordou com uma nova estátua. Manifestante antirracismo substitui comerciante de escravos

Bristol acordou com uma nova estátua. Um artista britânico ergueu uma estátua de uma manifestante do movimento ‘Black Lives Matter’ no topo do pedestal na cidade inglesa antes ocupado pela estátua de um comerciante de …

Enfermeira norte-americana matou sete doentes num hospital de veteranos com injeções de insulina

Uma enfermeira num hospital de veteranos norte-americanos matou deliberadamente pelo menos sete doentes com injeções de insulina. A mulher, que admitiu o crime, deverá ser condenada a sete penas de prisão perpétua, mais 20 anos …

PSP pôs fim à festa do título na Avenida dos Aliados. Um polícia ficou ferido

Na parte final dos festejos portistas, já durante a madrugada, nos Aliados, o Corpo de Intervenção da PSP do Porto foi obrigada a intervir contra um grupo de adeptos. Ninguém foi detido, mas um agente …

PJ detém cinco pessoas por esquema fraudulento com tratamentos para a covid-19

Cinco profissionais ligados ao ramo da saúde foram detidos, esta quinta-feira, pela Polícia Judiciária (PJ) numa operação que envolveu buscas a clínicas médicas, residências e empresas e que investiga crimes de corrupção, burla qualificada, falsificação …

Suárez aborda eventual saída de Messi. "Saberá do que precisa"

O futebolista Luis Suárez comentou a possível saída do seu companheiro de equipa Lionel Messi do Barcelona. "Saberá do que precisa", disse o internacional uruguaio, frisando que não consegue ver o astro argentino noutra equipa. …

Mário Centeno nomeado governador do Banco de Portugal

O Conselho de Ministros aprovou, esta quinta-feira, o nome do ex-ministro das Finanças para o cargo de governador do Banco de Portugal (BdP). A decisão foi revelada, esta quinta-feira, depois do Conselho de Ministros, pela ministra …

Finanças admitem queda de 9% no PIB. Governo prepara-se para rever projeção inicial de 6,9%

O Ministério das Finanças admite a possibilidade de que a queda do PIB se aproxime dos 9%, revelou esta quinta-feira o Jornal de Negócios, adiantando que o Governo se prepara para rever a projeção inicial …