/

“A voz por detrás da violência”. Narrador dos vídeos de propaganda do ISIS sob custódia do FBI

(cv)

Um cidadão canadiano, suspeito de narrar os vídeos de propaganda do Estado Islâmico em inglês, encontra-se agora sob custódia do FBI e pode enfrentar prisão perpétua.

Mohammed Khalifa, atualmente com 38 anos, foi capturado pelas forças curdas na Síria em 2019 e, recentemente, transferido para custódia do Departamento Federal de Investigação dos Estados Unidos (FBI) e será julgado na Virgínia.

“Mohammed Khalifa, um cidadão canadiano nascido na Arábia Saudita que era uma figura de liderança no Estado Islâmico do Iraque e na Secção de Imprensa Inglesa da al-Sham’s (ISIS) e que serviu como combatente da ISIS, foi acusado de conspirar para fornecer apoio material à ISIS, uma organização terrorista estrangeira, resultando em morte“, explica o Departamento de Justiça norte-americano, em comunicado.

De acordo com o Washington Post, Khalifa começou como combatente da organização terrorista, mas acabou por liderar a comunicação em língua inglesa do grupo terrorista, evolvendo-se na tradução e divulgação de propaganda, incluindo vídeos, áudio e uma revista online — antes de se juntar ao Estado Islâmico, o canadiano era especialista em tecnologia da informação, em Toronto.

Khalifa, nascido na Arábia Saudita, terá narrado mais de uma dúzia de vídeos de recrutamento do ISIS, incluindo dois dos mais influentes: “Flames of War: Fighting Has Just Begun”, em 2014, e “Flames of War II: Até à Última Hora”, em 2017.

Nos vídeos, segundo os registos do tribunal, o canadiano encoraja os apoiantes a juntarem-se ao Estado islâmico no estrangeiro e a “conduzirem ataques terroristas contra não-muçulmanos”, escreve a CNN.

Alguns vídeos mostram até execuções brutais, incluindo de prisioneiros sírios forçados a cavar as suas próprias sepulturas e de um piloto jordano a ser queimado vivo.

“Como alegado, Mohammed Khalifa não só lutou pelo ISIS no campo de batalha na Síria, como também foi a voz por detrás da violência“, disse Raj Parekh, Procurador Interino dos Estados Unidos, citado no comunicado do Departamento de Justiça.

“Através do seu alegado papel de liderança na tradução, narração e avanço da propaganda online do ISIS, Khalifa promoveu o grupo terrorista, promoveu os seus esforços de recrutamento a nível mundial, e expandiu o alcance dos vídeos que glorificavam os assassínios horríveis e a crueldade indiscriminada“, continuou.

Na altura em que os vídeos “Flames of War” foram divulgados, as autoridades americanas não sabiam a quem pertencia a voz que os narrava, mas o público ajudou a identificá-la e, depois de ser capturado, Khalifa identificou-se a vários meios de comunicação social como o misterioso propagandista.

“Eu tinha uma vida normal no Canadá, estava a sair-me muito bem, e decidi desistir sabendo o que estava a sacrificar. Foi uma decisão que tomei e mantive-me fiel a ela”, disse, em declarações à CBC.

Amarnath Amarasingam, um investigador de extremismo na Queen’s University, no Canadá, foi o primeiro a identificar Khalifa como a voz dos vídeos violentos do ISIS.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

As pessoas disseram que era louco, recordou Amarasingam, quando disse que o homem que se intitulava Abu Ridwan al-Kanadi soava “distintamente como as pessoas com quem cresci em Toronto”.

“Ele é uma pessoa significativa, na medida em que ele era a voz que ouvíamos” nos meios de comunicação do Estado Islâmico.

Se for considerado culpado, Mohammed Khalifa poderá passar o resto dos seus dias na prisão.

  Sofia Teixeira Santos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.