Vive no Canadá há 60 anos, mas pode ter de pedir asilo político

DR vancouverobserver.com

Scott Mcglaughlin com os 3 filhos

Scott Mcglaughlin com os 3 filhos

Um canadiano pode ter de pedir o estatuto de refugiado político no Canadá, o país onde vive há 60 anos, porque os pais, anarquistas, se recusaram a registar o seu nascimento.

“O meu pai, nativo das Primeiras Nações, e a minha mãe, branca, ambos anarquistas, não quiseram registar o meu nascimento porque temiam que me retirassem da sua guarda e que acabasse numa escola da segurança social”, afirmou Donovan McGlaughlin.

Esta decisão dos pais gerou um autêntico “pesadelo burocrático” na vida de McGlaughlin, residente em Dawson City, no Yukon, que o impediu de obter qualquer documento de identificação, incluindo o cartão de saúde.

A situação agravou-se quando Mcglaughlin teve uma série de ataques cardíacos, que resultaram em despesas de 130 mil dólares, cerca de 89 mil euros, de contas médicas, incluindo o transporte aéreo para o hospital.

“Não sei quanto mais difícil se pode tornar a minha situação até ter de pedir o estatuto de refugiado político“, disse McGlaughlin.

“O que mais posso fazer? Quer dizer, não tenho Pátria, não tenho direitos no meu próprio país?“, questiona McGlaughlin.

A falta de documentação e os problemas médicos também têm levado cobradores de impostos, tanto do governo territorial como federal, a baterem-lhe à porta. Scott McGlaughlin nunca teve um trabalho a tempo inteiro.

McGlaughlin celebra o seu aniversário a 19 janeiro, mas não sabe nem a data exata nem o local, apenas que nasceu algures entre Rosebud, no Dakota do Sul, EUA, e Guelph, no Ontário, Canadá, onde os avós maternos viviam.

Nem casar pode com a mãe dos filhos

McGlaughlin conta que os pais mudavam com frequência o local de residência, em várias zonas do Canadá, porque tinham medo de ser apanhados pelas autoridades.

Aos 15 anos de idade, McGlaughlin deixou os pais, passando a viver de trabalhos agrícolas e empregos sazonais, como a colheita de frutos.

Há 30 anos, apaixonou-se pela região do Yukon, no nordeste do Canadá, onde tem vivido desde então, recorrendo à caça e pesca.

No entanto, por não ter certidão de nascimento, McGlaughlin não conseguiu obter um cartão de cidadão canadiano, número de segurança social, passaporte, carta de condução ou cartão de saúde.

Também não se pode “candidatar a um emprego, nem votar, nem mesmo casar” com a mãe dos três filhos.

McGlaughlin tinha uma entrevista marcada com o Ministério da Cidadania e Imigração do Canadá em outubro de 2010, mas como sofreu um “ataque cardíaco quase fatal” foi levado para um hospital em Victoria e faltou à reunião.

A entrevista foi remarcada e realizou-se no início de 2011, altura em que o agente da imigração decidiu suspender uma ordem para a sua “deportação do Canadá”.

Depois dessa entrevista, McGlaughlin teve mais três ataques cardíacos.

Num dos casos teve de ser internado e no outro necessitou de transporte aéreo. Por não ter cartão de saúde, os custos destes serviços são muito elevados.

McGlaughlin já entregou às autoridades um pedido de cidadania, alegando uma “dificuldade especial e fora do comum”.

Até vai a pé, se o coração deixar

Entretanto, Nancy Caron, porta-voz do Ministério da Cidadania e Imigração (CIC), explicou em declarações à comunicação social canadiana que McGlaughlin apresentou um pedido no final de setembro, mas o documento não continha “informação suficiente para demonstrar há quanto tempo vive no Canadá”.

Caso este pedido não seja aceite, McGlaughlin terá pedir o estatuto de refugiado político, que lhe permitiria permanecer no país.

Também neste caso terá dificuldades acrescidas porque os documentos têm de ser entregues pessoalmente no gabinete da imigração, a centenas de quilómetros de distância.

McGlaughlin não tem carta de condução e não pode comprar um bilhete de autocarro porque lhe exigem a identificação, mas está determinado a resolver a sua situação.

Nem que tenha de percorrer a distância a pé, confiando que o coração não o traia.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Família encontrou mais de 2.200 fetos preservados em casa de médico norte-americano

Uma família encontrou mais de 2.200 fetos preservados na casa de um médico norte-americano que morreu no início deste mês. O The Guardian avançou este domingo que uma família encontrou 2.246 fetos preservados em casa de …

Mais plástico e menos peixe. Explorador britânico teme pelo mar português

Farto de ver cada vez mais plástico e menos peixe no oceano, o veterano explorador e documentarista britânico Paul Rose defende que Portugal deve criar mais áreas marinhas protegidas. Paul Rose, que mergulha desde os anos …

Há 10 anos, Banksy pintou chimpanzés no Parlamento inglês. Agora, o quadro vai a leilão

Em 2009, o artista de rua conhecido como Banksy pintou uma enorme tela a óleo do parlamento inglês, mas em vez de deputados os tribunos eram chimpanzés. Banksy pintou o quadro, com quatro metros de comprimento, …

Tempestade em Espanha derrubou palmeira que era Património da Humanidade

A queda de "La Centinela", a árvore mais alta do conjunto que a Unesco classificou como Património da Humanidade desde 2000, está entre os danos materiais causados pela passagem da "gota fria" - um fenómeno …

Dador de esperma teve 12 filhos com autismo (e foi processado)

Danielle Rizzo tem dois filhos autistas, um com seis anos e outro com sete. Ambos foram concebidos com recurso a um dador anónimo. Há três anos, Rizzo descobriu que estes fazem parte de uma "família" …

Em Hollywood, os homens ganham mais 1 milhão de dólares do que as mulheres

Uma equipa de economistas analisou o salário de 246 atores e atrizes e concluiu que as mulheres ganham em média menos 56% do que os homens na indústria cinematográfica, pelos mesmos papéis. A diferença média entre …

"O primeiro passo para salvar o planeta é eleger outro presidente dos EUA"

John Kerry esteve em Lisboa para o encerramento da conferência "O Futuro do Planeta". O ex-secretário de Estado de Barack Obama lembrou que na luta para salvar a Terra, "não estamos a ganhar". John Kerry começou …

Gibraltar dissolve o parlamento e convoca eleições antes da data do Brexit

O chefe do governo de Gibraltar dissolveu esta segunda-feira o parlamento e convocou eleições para 17 de outubro, com o objetivo de preparar este território britânico situado no extremo sul de Espanha para o Brexit, …

Aumento do turismo nos Açores provoca mais acidentes de viação (mas menos graves)

O aumento de viaturas de aluguer que circulam nas estradas açorianas tem levado a um aumento da sinistralidade, ainda que muitos deles não sejam registados. Ainda assim, os acidentes são, no geral, menos graves. Quem o …

Menos plástico e menos jantares. Partidos prometem campanha eleitoral mais sustentável

A sustentabilidade e a proteção do ambiente estão entre as preocupações dos partidos políticos que concorrem às eleições legislativas, com algumas direções a comprometerem-se em diminuir a pegada ecológica e reduzir no plástico, numa campanha …